Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Setembro, 2011

A escola tabu nº 34 - Mais uma tragédia

A tragédia ocorrida esta semana na Escola Municipal "modelo" Alcina Dantas Feijão, em São Caetano do Sul, onde um aluno atirou na professora e em seguida tirou a própria vida, mantém nosso luto aqui no blog.
Nos foi cobrado um pronunciamento a respeito do assunto e esclarecemos que demoramos a comentar a notícia, não por estarmos paralizados pela "incredulidade", mas exatamente pelo contrário. O assunto vem sendo tão falado - e mal comentado - por aí, que resolvemos fazer silêncio e apenas vibrar pelo aluno, pela família, pela professora e por toda a rede pública de ensino.
Este blog é um dos poucos espaços que vem denunciando o péssimo clima existente nas escolas públicas brasileiras, dominadas pelo autoritarismo. A série de posts A escola tabu já está no número 34 e a questão tem ficado tão crítica que supera em gravidade a qualidade do ensino.
O fato ocorrido em São Caetano do Sul poderia ser um marco para a sociedade brasileira iniciar uma reflexão profunda sobre…

Semana de luto

Esta semana foi marcada por um assunto que passou raspando pela mídia: foram duas mortes de alunos no Ceará, devidas a problemas de transporte escolar. O primeiro caso ocorreu na zona rural de Boa Viagem, quando um garoto de 12 anos caiu do caminhão "pau de arara" usado para o transporte, a caminho da escola. A Folha deu uma pincelada no assunto, mas não se interessou pelo segundo caso, que foi o choque de um ônibus escolar com a moto de uma mãe que levava o filho para a escola, na zona rural de Jaguaruana. O menino, de 5 anos, morreu no acidente. Quem registrou os dois casos foi o Diário do Nordeste, na seção Polícia (!). O homem que dirigia o ônibus escolar não era habilitado, como em muitos outros casos que trouxemos aqui.
O descaso com a morte de alunos a caminho ou dentro da escola pública nunca é motivo de comoção no país. Lembramos com muita tristeza da menina Emilly, de Araraquara, atingida por uma trave solta no pátio da escola, durante uma famigerada aula vaga. Ela …

Mídia nota zero - A série XXIII - O "furo" da VEJA

No final do post O bom exemplo eu havia prometido contar a história da pior medida que prejudicou os alunos do ensino médio no país. Uma história que me dói profundamente ainda hoje, quase 15 anos depois!
Naquela época, o Brasil ainda era visto como o "país do futuro" e nós, pais de alunos engajados, fazíamos todos os esforços possíveis para tornar isso realidade. Uma das minhas filhas estudava na ETEC Carlos de Campos, no curso de design integrado ao ensino médio. As ETECs estavam, como ainda hoje, ligadas à Secretaria da Tecnologia e não à da Educação. Eu podia comparar pessoalmente a diferença de qualidade entre a ETEC e o ensino médio regular. Mas a grande diferença mesmo era o alunado: jovens que, como essa minha filha, já sentiam interesse por um determinado ramo de atividade.
Havia porém uma grande falha no ensino técnico estadual de São Paulo: a falta de vagas e o elitismo, pois o ingresso era através de vestibulinho. Na mesma época, a Secretaria da Educação chegou a f…

Viva o Burro! - nº 1

Iniciamos hoje a nova série Viva o Burro!, homenageando o vereador Dario Bueno Burro, de Jacareí, SP, o primeiro parlamentar a criar a Ouvidoria do Aluno, reivindicação antiga da comunidade escolar, já que todas as ouvidorias oficiais não passam de SURDORIAS. Se em cada município houvesse um "burro" para ouvir as denúncias dos alunos e tomar providências, certamente os abusos das escolas diminuiriam. Assistam ao vídeo sobre a primeira queixa registrada pelo vereador:


Mas a grande surpresa foi receber uma mensagem do Vereador aqui no blog. O texto é sobre o apartheid educacional que sempre mencionamos aqui, assunto tabu que nunca ninguém teve coragem de comentar. Esse vereador não tem pelos na língua! Segue a mensagem:
A questão do apartheid não é apenas mercado de trabalho.
Não se busca somente a qualificação em conhecimento, aliás conhecimento é o que menos importa, infelizmente!
O nosso apartheid é social mesmo!
Com a universalização do ensino, as princesinhas e os pricipezinho…

Mídia nota zero - A série XXII - Mais um vexame da Folha de São Paulo

Como é cansativo registrar a incompetência da mídia sobre o assunto "educação"! Ainda bem que o Mauro Silva, do COEP, tem essa paciência. Leia sobre o último vexame da Folha de São Paulo, clicando no link Gilberto Dimenstein e a Folha deveriam morrer de vergonha.
Leia mais posts da série Mídia nota zero: Edição espetacular A "pobre" classe docente A Folha de São Paulo e a trapalhada do ENEM

Ouvidoria do aluno, uhuuuuuuuuuu!

Começou em Jacareí, SP. Agora vai!!!

A escola tabu nº 33 - O "bom" exemplo

De alguns anos para cá, constatamos que a qualidade do ensino não é mais o maior problema da educação brasileira. Algo muito pior tem vindo mascarar a incompetência da escola e não se trata apenas de uma cortina de fumaça, é algo como um tapete em brasas.
Que a rede pública brasileira é autoritária, isso já vem da ditadura militar, mas, curiosamente, desde que se fala em avaliar a qualidade das escolas, esse autoritarismo tem aumentado sobremaneira. O aluno da rede pública, principalmente o adolescente e o do curso noturno, tem sido tratado como criminoso em potencial. Por qualquer motivo chama-se a polícia na escola, que aliás já costuma estar a postos. E dá-lhe suspensão, suspensão coletiva e expulsão por motivo fútil. O aluno não tem direito a defesa, a não ser diante de "tribunais" de exceção formados pelos Conselhos de Escola, onde brinca-se de promotor, advogado e juri.
O que o Conselho decide, está decidido! Trata-se de um jogo de cartas marcadas que resulta num fenômen…

Gustavo Ioschpe: novamente, a escola particular

Você acha que as escolas particulares brasileiras são boas? Esse novo artigo de Gustavo Ioschpe na Veja desta semana abre uma boa reflexão. Faltam porém dados para que essa reflexão possa abrir caminhos. Estima-se que entre 10 e 14% das escolas brasileiras sejam particulares. Essa percentagem, certamente, é flutuante porque não se sabe - e talvez não se queira saber - quantas escolas irregulares existem, especialmente na educação infantil. Alô, alô, Inep(t), não está na hora de fazer esse levantamento? Há alguns anos, por exemplo, dizia-se que somente em São Paulo Capital havia cerca de mil "escolinhas" que funcionavam de forma irregular.
Outra questão relevante é o nível de qualidade delas, pois estima-se que as "boas" escolas particulares representem apenas 10% do total. Enfim, no Brasil "estima-se" muito e sabe-se muito pouco, principalmente no que se refere à área educacional.
O próprio articulista faz críticas às melhores escolas particulares brasile…

Mídia nota zero - A série XXI - A pobre classe "docente"

Mais um corajoso vídeo do COEP que rebate a lengalenga orquestrada por toda a grande mídia acusando nossas crianças e adolescentes de agredir a "pobre" classe docente.
Muito, muito triste!
Para contrapor ao consagrado coitadismo do professor e da professora, uma profissão que não é "para qualquer um", publicamos novamente abaixo os links de alguns assuntos que passaram batido e que você não viu no Fantástico nem em qualquer outro programa de jornalismo-show, pois neste país pedófobo ninguém se indigna contra a violência praticada por esses seres "angelicais" e "abnegados" contra crianças indefesas e adolescentes fáceis de expulsar da escola. Impressionante, como ainda se têm dúvidas sobre a principal causa da evasão escolar no Brasil!
Aquele preto pobre A expulsão branca Corja de urubus Que tipo de monstro? A série 8 Que tipo de monstro? A série 5 Que tipo de monstro? A série 4 Que tipo de monstro? A série 3 Professora atira apagador na cabeça do aluno L…

Campanha a favor da Abrinq

Sugerimos, para o prêmio Ignóbil de Educação 2011, a Fundação Abrinq, por promover uma campanha contra a divulgação do IDEB (Índice do Desenvolvimento da Educação Básica) no portão das escolas públicas. Nega o direito de pais e alunos saberem o índice de qualidade da escola, o nível do ensino e de evasão. Com o pretexto de proteger crianças e adolescentes, na realidade essa atitude visa "proteger" do constrangimento maus profissionais, gestores, secretários, prefeitos e governadores, por oferecerem um péssimo ensino aos nossos alunos. Nossos alunos vivem constrangimentos diários, quando seus professores, por exemplo, os criticam publicamente. Ao contrário do que pensa a Abrinq, o IDEB é um índice que mede não o desempenho de cada aluno, mas a qualidade da escola enquanto conjunto de profissionais e gestores. Por isso o eventual constrangimento não é dos alunos, mas de quem tem a responsabilidade de alfabetizá-los e orientá-los nos estudos.
Espanta-nos extraordinariamente essa…

Qual profissão é para qualquer um?

Mais reflexões sobre a profissão de professor, por esse político corajoso que é o vereador de Jacareí Dario Burro.
Professor, aprenda do garçom, do lojista e até do camelô: trabalhe sorrindo!



Relembrando o post anterior sobre o vereador Dario Burro, segue o comentário do aluno Wellington:
LOUVÁVEL! Estou admirado, tanto com o 'Burro' quanto com quem o defendeu. Eu como aluno digo: do mesmo modo que o professor se alterou com o vereador, ele se altera com o aluno, o aluno que não tem quem o defenda. Muito digno, estou admirado :D FORÇA BRASIL, ainda temos chances aí!
E agora, da caixa de comentários, o pronunciamento da professora Carolina (tomara que ela não dê aula de português, rsrs):
E na minha opinião a senhora, assim como tantos outros estão querendo pegar “carona” na polêmica do Dario Bueno pra se aparecerem e a troco de que, eu imagino e tenho certeza.

O ensino sem preconceito

"Toda vez que o professor escuta e aceita seu aluno sem preconceito, este se abre para a aprendizagem." Juan Casassus

Mais uma entrevista interessante que a nossa amiga professora Glória Reis escarafunchou na Nova Escola, sem dúvida a publicação mais lida do país na área educacional, mas, infelizmente, asséptica e politicamente correta demais para "dar nome aos bois" e encaminhar mudanças significativas na educação.
Essa entrevista é de 2008 e não perdeu a atualidade, pelo menos aqui em terra tupiniquim. O entrevistado não é um brasileiro, é o filósofo chileno Juan Casassus. Alguns pseudo-educadores brasileiros que "leram" a entrevista, para variar, não entenderam nada e acham que ela vem reforçar a ideia surrada de que a função do professor é "dar carinho" ao aluno.
Recomendo ler a entrevista na íntegra: é longa, mas vale a pena. Aliás, quem não lê um texto até o final não pode opinar sobre ele. Obóvio? Auraite? rsrs
Leia a entrevista completa c…

Do excelente blog da Glória

O PODEROSO CHEFÃO!



Visite o blog da professora Glória Reis, autora do livro Escola, instituição da tortura. Essa é, sim, uma educadora!