Nova greve no Rio. Dá para acreditar?


"a greve desde que seja em prol de um melhor salario para os servidores, sim e correta, pois nós professores merecemos um bom salário, pois nossos governates, não fazem greve , por que almenta seus salários quando bem quer. "

Encontrei, nestas três linhas, 3 erros de gramática, falta de 3 acentos e 3 erros de digitação, sem falar da pontuação... Trata-se do comentário de um professor, publicado no site Globo.com, a respeito da nova greve dos professores do Colégio Pedro II. Mesmo se o texto estivesse sem erros, o conteúdo é de chorar. Esse professor acha que merece aumento apenas porque “os nossos governates almenta seus salários quando bem quer.” Um professor assim combina bem com Seu Creysson, nosso Minístrio Anaufabético, não?

Para mostrar que existem cabeças mais pensantes do que muito professor, copiamos nos comentários ao pé desta mensagem depoimentos de pais e alunos do Colégio Pedro II. Principalmente os alunos mostram uma consciência política tamanha que revela a causa mais inconfessa do que está acontecendo nesse colégio: a degradação perversa de todas as experiências educacionais mais bem-sucedidas neste País. Nenhuma delas resiste ao nivelamento por baixo deflagrado cedo ou tarde por greves políticas ou por mudanças negativas na administração pública.

Papagaios repetem em todas as instâncias: “A greve é um direito”, pois não pensam com mais profundidade ou têm a mesma preguiça que o nosso presidêntio-operárico, que recebeu salário de seu partido durante anos a fio pela profissão de “candidato”, sem ter se dado ao trabalho de estudar economia, administração ou até mesmo inglês... É claro que incomoda, ao governo e ao sindicato dos professores, a existência de uma escola como o Colégio Pedro II, onde muitos pais e alunos conhecem seus direitos e sabem reivindicá-los, mostrando inclusive melhor nível de argumentação e de raciocínio.

Vamos agora discutir a reivindicação desses professores: eles fizeram greve durante 95 dias no ano passado e o acordo firmado com o Governo não foi cumprido. Seu sindicato, que NADA EM DINHEIRO e POSSUI ADVOGADOS, não entrou com nenhuma ação. Porque será?...


PORQUE ESSE É O JOGO: O JOGO DO FAZ-DE-CONTA!

E porque esses professores morrem de medo de serem perseguidos e perder suas mordomias. Então a ação covarde é prejudicar os alunos. E os professores não mostram seus contra-cheques, pois sabem que ganham muito mais do que a média dos pais de alunos...

Se os professores abusaram de sua covardia, os pais de alunos do Colégio Pedro II abusaram de inteligência e criatividade, tomando ações positivas que certamente seriam mais divulgadas se o Brasil fosse um país realmente preocupado com a Educação Pública:

  • Enviaram para Brasília o Projeto de Lei A EDUCAÇÃO É ESSENCIAL E NÃO PODE PARAR.
  • Entraram com MANDADO DE SEGURANÇA exigindo a contratação de professores substitutos.
  • Organizaram um blog.
  • Criaram o Orkut EDUCAÇÃO É ESSENCIAL.
  • Promoveram passeatas e aulas de rua.

A covardia não foi somente do Sindiscope, foi também da direção do Colégio Pedro II, que negou a greve até hoje, deixando os pais e alunos totalmente confusos, mas PERMITIU A DISTRIBUIÇÃO DE PANFLETOS DO SINDICATO dentro das salas de aula, que pediam o apoio dos pais e alunos à greve. Que vergonha, não?

Estes os fatos: pais de alunos da Rede Pública de Ensino usando seu tempo livre e gastando dinheiro do seu bolso saem na frente de um sindicato e de todas as autoridades que se dizem “preocupadas com a educação”, fazendo inclusive o papel de legisladores, que até hoje não souberam/não quiseram encaminhar um projeto de lei como A EDUCAÇÃO É ESSENCIAL.

Agora tire suas conclusões. Mas, antes, leia os comentários clicando ao lado. E, principalmente, assine o manifesto A EDUCAÇÃO É ESSENCIAL E NÃO PODE PARAR, entrando no link
http://www.petitiononline.com/alunado/petition.html e mostrando que sua massa cinzenta está à altura desses brilhantes pais e alunos do Colégio Pedro II. Acompanhe também a movimentação pelo blog http://paisconversandocp2.blig.ig.com.br

PARABÉÉÉÉÉÉNS, PESSOAL!!

Comentários

Tamires disse…
Essa greve prejudica não só o meu dia -a -dia como minha vida. Em dois anos duas greves! Aonde fica a minha vida escolar? Estudo em casa mas me doi sentir vontade de estudar , colocar o uniforme , ir a escola ,ver a escola cheia, ouvir meus professores , rir com minhas colegas, quero ter provas, trabalhos...quero pensar no futuro em ser algo para meu país, mas sem estudo ficara dificil. Pena que o sindiscope quer brigar com o governo atigindo com uma metralhadora de greve a nós alunos.
Jordana disse…
Como aluna me sinto muito triste pois me sinto roubada no direito de estudar ,principalmente que sabemos que estas greves não passam de brigas entre governo que quer mais dependentes de bolsa familia criando analfabeto e desempregados e partidos politicos radicais que não estão nem aí para os alunos e educação .Professores me escutem, gosto de estudar, quero aulas por favor.
Rejane Alves disse…
A greve foi deliberada com 100 votos a favor, 59 contra e 21 abstenções. Dos 100 votos a favor, A MAIORIA ESMAGADORA é de aposentdos ou servidores administrativos. Não são professores. Também não foi aceita proposta de união com os pais para se fazerem OUTROS tipos de reivindicaçõe. Sou servidora pública federal e sei que a ESTABILIDADE é o maior bem que um trabalhador pode ter mas, para alguns segmentos, serve como escudo para imoralidades, pois estes professores faltam, não dão aulas, prejudicam nossos filhos, e não tem um único centavo descontado de seus salários. A prova da falta de politização dos professores é que na greve de 95 dias do ano passado, um grupo SELETO do Colégio Pedro II, ao invés de estar nas ruas fazendo seu movimento grevista, foi fazer um "Bico", corrigindo as provas do ENEM pela bagatela de R$ 5.000,00. Nada contra se o patrão que paga tal salário não fosse o governo federal, ou seja, o mesmo patrão de quem estão reclamando, e, por isso, estão em greve.
Ana Claudia Viana disse…
Eu como mãe e como professora sou totalmente contra a greve dos professores do PEDROII. Existem professores da rede privada que ganham menos que eles e andam de ônibus para dar aula em outro lado do Rio de Janeiro e não entram em greve pelo simples fato de ter o prazer de dar aula. Mulheres no meio dos nossos interiores dão aula para crianças que necessitam aprender e não reivindicam por um bom salário... O que quero dizer com isso é que neste País nenhum professor fica rico dando aula. A partir do momento que você faz o concurso você sabe quanto vai ganhar. Quanto é o inicial de um professor do Pedro II trabalhando num período de 6 horas??? Um professor da rede estadual? Uma Recepcionista que tem que falar varias línguas e atender ao publico, ganha em média R$ 500,00 com uma carga horária de 8 horas. Quem ta ganhando mais???? Ai eu pergunto. Nós todos ganhamos mal... Mas, a partir do momento que você faz um juramento... Acho temos que cumpri-los. Chega de greve... Quem acaba perdendo são os alunos.
Antonio Carlos de Souza Paes disse…
Investi em um curso para que minha filha pudesse frequentar uma escola pública de qualidade e o que aconteceu pegou 95 dias de greve no primeiro ano, atrapalhou toda a programação da nossa família como férias e etc... E o pior é que não foi dado o conteúdo programático para o ano passado, os alunos terminaram o ano letivo com defasagem de aprendizagem e neste ano começou tudo novamente. Onde está o Ministério da Educação que não cobra e pune os seus empregados destas barbaridades. Para que inaugurar novas unidades para ficar mais crianças e adolescentes sem aulas e com colégios caindo aos pedaços. Onde está o compromisso do governo com a educação de qualidade? Atualmente eu digo para os meus amigos que minha vida mudou antes e depois do Colégio Pedro II. Nada na minha vida pode ser programado, ficamos reféns do Sindicato e de sua briga com o Governo. Na briga do SINDSCOPE com o Governo quem leva a pior são os alunos do CP2.
Manoel Carlos Pinheiro disse…
É uma greve abusiva, reflete descompromisso dos funcionários do Colégio Pedro II com a Educação. Cada categoria profissional tem o direito de lutar por melhorias salariais, mas também precisa, no caso dos funcionários do CP II, que a luta incorpore reivindicações sobre condições de trabalho que resultem em melhoria do ensino. Apenas reivindicações corporativas foram apresentadas pelos grevistas, os quais não tentaram incorporar pais e alunos à sua luta por maiores salários e o resultado é a banalização do último recurso: a greve. Os pais se dispuseram a apoiarem as reivindicações, a buscarem apoio entre parlamentares, a pressionarem o governo federal (que transfere recursos públicos para o financiamento da ociosidade de universidades privadas através de bolsas), mas os grevistas desconhecem outra forma de luta, desprezam as necessidades dos alunos, desrespeitam o direito deles à educação. O resultado da greve é irônico: crianças e adolescentes em casa, desmotivados, descontentes, desinteressados
Roberto Rocha disse…
A ATIVIDADE DOCENTE COMPORTA UMA RESPONSABILIDADE SOCIAL ACIMA DO INTERESSE INDIVIDUAL DOS PROFESSORES. PROFESSORES QUE FAZEM GREVE CONTRIBUEM PARA O DESGASTE DA IMAGEM DA INSTITUIÇÃO DE ENSINO NA QUAL TRABALHAM. PAIS, DIANTE DO RISCO DOS FILHOS FICAREM SEM AULA,E, COM ISSO, PERDEREM O RITMO E O ESTÍMULO DE ESTUDAR, CERTAMENTE ESTARÃO PENSANDO EM COLOCAR SEUS FILHOS EM OUTROS COLÉGIOS. EXISTEM OUTRAS FORMAS LEGAIS - E MAIS EFICIENTES - DE FAZER COM QUE O GOVERNO CUMPRA COM ACORDOS E COM AS NORMAS PREVISTAS NA CONSTITUIÇÃO E NAS LEIS QUE CUIDAM DA EDUCAÇÃO PÚBLICA. O MINISTÉRIO PÚBLICO (FEDERAL OU ESTADUAL, CONFORME O CASO) E O TRIBUNAL DE CONTAS (DA UNIÃO OU DO ESTADO, CONFORME O CASO) DEVEM SER CONVIDADOS A PARTICIPAR DESSE ESFORÇO EM PROL DA EDUCAÇÃO PÚBLICA. A DEGRADAÇÃO DO ENSINO NO PAÍS -DITO POR ESPECIALISTAS OUVIDOS POR ALGUNS MEIOS DE COMUNICAÇÃO - É UM DOS PRINCIPAIS RESPONSÁVEIS PELA DEGRADAÇÃO DAS RELAÇÕES SOCIAIS. EDUCAÇÃO E SEGURANÇA PÚBLICA ESTÃO INTIMAMENTE LIGADOS.
Josmar Felipe disse…
Esta greve é descabida, pois ela é fruto de uma outra greve que resultou em um contrato/acordo assinado entre as duas partes(Sindicato e MEC(Governo)). Se o MEC não cumpre o contrato/lei/acordo, isso vira um caso exclusivo da justiça, bastava ao departamento juridico do sindicato entrar com um Mandato de Segurança na Justiça Federal, para que se fize-se cumprir o acordado. Mas pelo jeito é mais fácil fazer greve, pois no final das contas a maioria dos funcionários públicos concursados tem estabilidade e por conta disso no final todos voltam para os seus empregos como se nada tivesse acontecido. Como é que nós pais de alunos que trabalhamos fora vamos fazer com as crianças em casa , onde deixa-las , pois igualmente aos funcionários públicos, nós trabalhadores da iniciativa privada também sofremos com a diminuição da renda mês a mês. O resultado do descaso com a saúde e a educação principalmente é termos um "ANALFABETO" de conhecimento no cargo maior do país.
Denise Dias disse…
A greve do Pedro II é um desrespeito aos alunos. O ano já estava prejudicado com a greve anterior,do ano passado, agora com essa ,o prejuízo vai ser muito maior. O pior é ouvir dos profissionais da educação que o que desejam é uma escola melhor. É tudo mentira, só pensam no seu bolso. Os salários não estão atrasados,em relação a outros "educadores", o sálario deles é maior. Infelizmente a força da greve em nosso país é maior que a justiça. Nada que se faça consegue derrubar isto. E estão acabando com a educação pública. A hora que acabarem com esse protecionsimo do funcionalismo público, pago por nós, com nossos impostos, e meia dúzia forem demitidos, aí sim, a greve acabaria rapidinho. Será que eles conseguiriam um emprego tão bom aqui fora? Com mestrado e tudo...
Glória disse…
Gente, eles fazem greve não é por salário ou por melhoria na educação...Eles fazem simplesmente porque acham ótimo mais umas férias além das que já têm e, principalmente, porque PODEM, não devem satisfação a ninguém... As autoridades são uns bolhas, morrem de medo de professor, não sei de onde vem tanto poder... Bem, a causa maior está na famigerada estabilidade do funcionalismo público, isso não há dúvida... Já perceberam que só eles fazem greve? Por que não fazer? Não há nada que os detenha e mais o empurrão desses pelegos de sindicato que vivem disso...
Contar com aprovação de alguma lei que ponha fim a esse abuso??? Desistam... Os políticos são os maiores cúmplices deles, pois qual "legislador" que não tem mulheres, filhas, netas, sobrinhas, toda uma galera, no funcionalismo público? Acho que a única saída é fazer MUITO BARULHO, vão para a porta da secretaria, levem cartazes bem vistosos, batam panelas, gritem nos jornais e EXIJAM que os salários sejam descontados, é nessa tecla que vocês têm de bater, afinal quem paga são vocês, somos todos nós, contribuintes.
Aqui em Minas, o gov. Aécio Neves, desde que entrou deu ordem: se professor entrar de greve corta salário... Até o momento, está funcionando.
E, vocês mesmos, percam este medo de professor, parem de justificar a greve, parem de aceitar o álibi dos baixos-salários, que isso é uma grande falácia.