02 março 2008

A quem serve a suspensão de alunos?


Esse é um assunto que não me canso de abordar. Afinal, o nosso interesse aqui é levantar tudo o que mantém a escola brasileira no limbo do subdesenvolvimento. Se os problemas não forem detectados, encarados e enfrentados, nada vai mudar. A mídia costuma discutir apenas a questão da qualidade do ensino, deixando de lado fenômenos extremamente graves que provocam a evasão e a exclusão de milhares de crianças e adolescentes em todo o país.

A suspensão de alunos é algo que agrada à sociedade brasileira. Mais ainda do que a suspensão, a expulsão goza de grande simpatia junto àquela parcela de cidadãos que preferem enfiar a cabeça na areia, como o avestruz, do que perceber a gravidade de atirar uma criança ou um jovem da escola para a marginalidade. A expulsão é um fenômeno contra o qual temos tido bastante êxito, pois trata-se de uma violação grave demais para passar em brancas nuvens – desde que os alunos e/ou seus pais tenham a coragem de enfrentar um tribunal de exceção e lutar contra a perseguição de certos “educadores”. Ao contrário, a suspensão de alunos, mesmo coletiva, é considerada um procedimento corriqueiro e “justo”, na suposição de que ele tenha o poder de manter a ordem e a disciplina na escola.

De nada adianta afirmar que a suspensão é ilegal, que o aluno tem o direito de acesso à sala de aula em qualquer situação e nada pode impedi-lo, seja a falta de material, de uniforme etc. A suspensão, instrumento jurássico de punição, infelizmente caiu no gosto popular. Por que será?

A quem serve a suspensão de alunos?...

Os únicos que se “beneficiam” dela são os maus profissionais da educação:

  • O professor relapso, que, por exemplo, vê um cesto de lixo pegar fogo e sai tranqüilamente para dar aula em outra classe...

  • O coordenador pedagógico “estressado” que costuma ralhar com o mesmo aluno toda semana e, portanto, agradece sua suspensão...

  • O diretor de escola, cansado de receber esse aluno em sua sala, com queixas do professor relapso e do coordenador estressado.

Profissionais desse tipo têm um único desejo: se livrar dos alunos, principalmente dos mais inteligentes e corajosos, aqueles que revidam ao serem humilhados, constrangidos ou agredidos. Para esses indivíduos, bom mesmo é uma escola vazia, onde possam ficar sentados papeando, tomando café e esperando o bônus de “produtividade” cair em sua conta bancária, rsrs (rir para não chorar, não é?).

A imagem do “bom” profissional da educação, no Brasil, ainda é tão antiquada quanto a idéia da necessidade da suspensão, da expulsão de alunos e da repetência, essa praga responsável pela exclusão de milhares de crianças e adolescentes. O profissional que continua no gosto popular é sisudo, autoritário, fala grosso, manda e desmanda. Em resumo, o professor, o coordenador e o diretor de escola “respeitados”, no Brasil, ainda são os que berram, suspendem, expulsam e largam o problema para outro professor, no ano seguinte. Na minha opinião, a suspensão e os demais instrumentos de punição só “servem" aos maus profissionais da educação (se é que é possível alguém conseguir se satisfazer prejudicando outra pessoa...).

26 comentários:

Anônimo disse...

acredito que não e questão de prejudicar niguen, mas se ele fez algo errado ele tem aguentar as consequencias, tambem não e justo prejudicar outros alunos que querem aprender por causa de um ou dois alunos que pertuban a aula toda. a escola e a primeira a não ter nenhuma estrutura não tem um psicologo para conversar com a criança eu acredito que ele não deveria ser suspenso e deveria ter uma pessoa para ficar trabalhando com ele em uma sala como uma biblioteca durante todos esses dias na escola...mas as escolas não tem nem biblioteca, psicologo e sonhar muito...........

Anônimo disse...

Concordo com o colega acima e acrescento que se a escola é formadora de cidadãos ela tem que impor suas regras, como é feito lá "fora" afinal de contas todos sabem que formamos os alunos para o mercado de trabalho e todos sabem também que o mau funcionário é o primeiro que vai para o olho da rua, se na vida as coisas funcionam assim, porque na escola devemos mascarar essa realidade?

pedagoga/conselheira disse...

Entendo a educação como o único processo capaz de transformar o potencial das pessoas em competências, capacidades e habilidades. O resto é condição para que isso aconteça. Na era do conhecimento, a educação está se tornando cada vez mais um fator de inclusão social. Considero o aluno na sua totalidade, vejo como ser biopsicossocial e pergunto aos profissionais da educação, qual a colaboração pedagogica que a suspensão trará ao aluno? Como ele vai refletir? Como ele vai ser recebido em casa? Porque não aplicar um metodo que realmente o leve a refletir e se auto avaliar?

JaniG disse...

É necessário não fazer uma generalização apressada da imagem do "bom profissional" ou dos educadores que utilizam o mecanismo da suspensão. Da mesma forma enquadrar tal mecanismo como antigo/antiquado não é argumentação suficiente ou lógica para dizer que o mesmo é ineficaz. O "gosto popular" é algo muito grande, vasto e diversificado para se concluir em poucas linhas de que forma pensa os grupos sociais sobre o tema. Opinião é diferente de embasamento, ela é bem vinda, mas com cuidados na sua exposição.

Professores não querem salas vazias, mas sim com alunos que venham a escola para [b]aprender[/b]. Se há algum que pensa o contrário, ele provavelmente não está trabalhando, pois não existe professor sem alunos.

Foram citados exemplos de maus educadores, como o professor que ignora um cesta de lixo pegando fogo, o coordenador pedagógico estressado e o Diretor da escola cansado e que somente estes se beneficiam com o mecanismo da suspensão. Se estes são os únicos que se beneficiam com a suspensão, o que levaria então os bons profissionais como o professor atento (o que não ignoraria um cesto de lixo pegando fogo), o coordenador pedagógico não-estresado e o Diretor firme e forte na sua função a suspenderem alunos?

Anônimo disse...

Um aluno indisciplinado ou "desaforado " é quase sempre produto de um sistema inadequado de ensino: aulas ultrapassadas e professores descompromissados. Punir alunos resultantes de um sistema falido é fechar os olhos para as nossas próprias deficiências e arranjar um "bode expiatório para elas" É ser INJUSTO!
A suspensão é um ato extremo, que poderia ser usado após a análise dos erros da instituição e as tentativas de se fazer com o aluno um verdadeiro trabalho educativo.

Anônimo disse...

Acho que cada caso é um caso, tenho turmas de 40 alunos extremamente agressivos, num sistema escolar onda a falta de funcionários se torna algo normal. Gostaria de saber como o bom profissional irá dar conta de uma turma de 40 alunos, ainda fazer um trabalho diferenciado com o aluno que apresenta problemas e ajudar os poucos que vieram com intuito de aprender. Alguém se prejudica nessa história toda não? Vamos levar em conta a carga horária desse profissional que ministra aproximadamente 40 aulas por semana, digo isso pois essa é a minha realidade. Tenho um ótimo relacionamento com as turmas, me considero um ótimo profissional já que a maioria de meus colegas se quer consegue terminar uma aula. Tenho entrada e abertura pra conversar e discutir com as turmas, principalmente as mais agressivas diversos temas, mas confesso que volta e meia sou obrigado a retirar alunos da sala de aula por atos de violência contra seus colegas. O que fazer com esse aluno se quando ele chegar na secretárias e coordenadora está com outros 15 alunos, se não tem nenhum funcionário para olhar esse aluno, se não tem um espaço alternativo nem professor para esse trabalho diferenciado? O que fazer? Deixar ele rodando pela escola? POis é, essa é a minha realidade, realidade de muitos colegas que acabam abandonando a profissão mesmo sendo excelentes profissionais. Sem contar que nesse instante quando abandonamos a sala de aula para conduzirmos o aluno, nunca sabemos o que acontecerá no nosso retorno pois não há funcionário para ficar na sala enquanto conduzo o aluno indisciplinado para a secretaria. O problema é complexo e acho muito fácil teorizar e achar soluções como se fosse algo fácil.

Anônimo disse...

É no mínimo estranho o que o autor escreveu. Certamente não sabe a realidade o que é estar dentro de uma sala de aula. Saia desse mundinho de fantasias que vc vive e vá enfrentar as escolas. vc vai saber realmente o que eu estou falando.

Désirée disse...

Desculpe o colega que fez o último comentário, não entendi. Sou especialista da educação que não usa o recurso de suspensão e de expulsão, não por não acreditar ou qualquer outro motivo que possa parecer piegas ou mesmo ultrapassado ou dê a isso o nome que quiser. Não suspendo por que não gosto da idéia de 'desistir' de um aluno. Digo isso a eles. Desafio eles a tentarem me fazer desistir deles, mas os aviso que será dificil. Tem dado bons resultados, acabamos trabalhando em equipe e de alguns ficamos até amigos.

Professor, compreendo bem o seu sentimento de desânimo, parabéns pelos seus esforços de fazer uma turma agressiva e indiciplinada ser interessada em debates. Na escola onde trabalho nós da coordenação pedagógica colocamos uma regra para os professores: um aluno ao ser retirado da sala de aula por estar atrapalhando o bom andamento da aula só poderá ser retirado com uma tarefa escolar a ser realizada. Esta tarefa deverá ser mais difícil do que aquela que esta sendo dada em sala.

Algumas vezes percebemos que o aluno que esta desinteressado na aula ou que não gosta do professor, faz de um tudo para ser retirado da sala. Quando descobriram que ser retirado era na verdade pior do que ficar eles começaram a melhorar um pouco o comportamento.

Alguns professores que também usavam a retirada do aluno para não ter o trabalho de resolver o problema também pararam de retirar o aluno pois dava muito trabalho fazer um exercício e corrigí-lo depois.

Pode não ser a melhor das soluções, mas por enquanto é o que tem nos ajudado a diminuir conflitos.

felipe disse...

Bom acho muito importante o compreemdimento dos professores para com os alunos, pois realmente na atualidade os professores estão indo para a escola sem a preocupação de dar aula e sim a do pagamento que vira no final de cada mes! devo salientar que isso não cabe a todos mais a grande maioria, tenho professores que realmente vão com a intenção de dar uma verdadeira aula mas outro mandam fazer resumos dos livro que nos temos! para acupar a carga horaria deles e muitos vão para a sala de aula falar "abóbrinha" e axar que estão no direito de cobrar de um aluno o que ele(a) mesmo não tem condição de repassar!
mas vindo mais ao caso da suspenção acho incorreto pois a escola trabalha com a base de educar os jovens para uma boa carreira e, suspendendo um aluno da sala de aula a escola estrá se negando a oferecer seu próposito que é educar, os jovens principalmente os que estudam no noturno vão para escola para estudar mas quando chegam na sala de aula e encontram um professor desacreditado da turma que em vez de incentivar a turma, só sabe criticala e ofender de certo modo alguns alunos! e ainda querem ter a razão!
"Pelo amor professores" vamos incentivar os jovens de hoje pois eles são o futuro de amanhã!
antes um jovem na escola, que na rua fazendo o que não deve!

F.P.S.

Leonildo Marques disse...

Quem escreveu isso nunca deu aulas para alunos indisciplinados.

Pattý Carvalho;* disse...

Meu professor de Biologia disse qê estou suspensa das aulas dele até o fim do ano,pra começo de historia,ele é meu professor a 3 anos,e na ultima aula tivemos uma discussão; Ele entrou em sala de aula,desligou o ventilador da sala,e eu o liguei,perante toda a turma ele com a maior arrogancia do mundo,disse: 'Desliga pra mim Patty o ventilador por favor,pq eu ja fui ai e desliguei.!' Então eu respondi: 'Não vou desligar,não tem a necessidade disso.!' No meio da discussão ele pediu qê eu me retirasse da sala e disse qê eu não poderia amis assistir suas aulas... Ele tem autoridade suficiente para isso?!

Felipe disse...

Patty Carvalho! da parti do professor ele esta errado e não pode se negar de aceitar em suas aulas! pois se o mesmo recusar dar aula a você ele esta se negando a exercer a função pela qual ele foi contratado, sujeitando-se a quebra de contrato e demissão por justa causa.
Converse com a autoridade maior de sua escola e coloque-a(o) a par do ocorrido!
Boa Sorte

Anônimo disse...

Patty,

Vc acredita que o seu professor foi arrogante ou vc que é arrogante?
Pense ele pediu por favor e se ele desligou o ventilador tinha os seus motivos.
Sou professora e não aguento mais alunos agressivos, indisciplinados e alem de td não acreditam que a educação é um dos meios para que haja uma melhora em nossa sociedade.
Pense e reflita primeiro nas suas atitudes para depois julgar o professor.
professor é um só para 40 alunos...

Emerson disse...

Hoje, diferente de anos atrás, os alunos recebem todo livos e demais materiais que precisam para as aulas. No entanto, muitos sempre estão com o material incompleto durante as aulas. Tenho alunos que, mesmo após muita conversa e ajuda, dizem abertamente que frequentam a escola apenas por causa das bolsas de ajuda financeira do governo federal. Os pais quando acionados mostram-se piores do que os filhos. Mostram-se totalmente despreparados! O que percebo na mídia, televisiva e escrita, que casos isolados de sucesso são expostos como sucesso em massa. As salas de aulas que são expostas nas propagandas não são as salas reais das escolas públicas.
O QUE FAZER COM ALUNOS QUE É ABANDONADO NA ESCOLA PELOS PAIS E QUE SE NEGA A DIALOGAR COM OS PROFESSORES??? Essa é a realidade que enfrento!!
Sempre que tenho que colocar um aluno para fora da sala de aula dou atividades para que ele desenvolva. Porém sou redicularizado! Ele ri e diz abertamente que não fará! Ninguém tem o poder de fazer com que ele faça!! No outro dia, lá está ele com o mesmo comportamento e a atividade por fazer. Ainda diz: "não dá nada não professor!!!!".
O QUE PODEMOS FAZER!!!
A realidade com a qual estamos lidando é muito complexa. Não podemos nos basear somente em nossa realidade, no sucesso que temos obtido, para fazer afirmações que dizem respeito à realidade de uma quantidade enorme de professores, que distoam da nossa. Precisamos ter bom senso!!!

Edson disse...

As medidas disciplinares ainda tem lugar no universo escolar de hoje?
Se houvessem condições de seguir o modelo grego de um mestre, um aluno. Foi o modelo católico (que conhecemos, por salas de aula, diretor, etc) que faliu. Quais são as alternativas para atuar com salas de aula com 40 alunos?

Anônimo disse...

Interessante o seu texto, Vc falou dos maus profissionais, mas não deu sugestões de como lidar com alunos que não respeitam esses profissionais. Professor tem que ser respeitado. Ele não ralou a bunda na cadeira da universidade para ter que aguentar desaforo de aluno.
O que vc faria nesse caso? Chamaria a família? E se esse aluno for adulto, independente? ou adolescente independente? O que vc faria?

Anônimo disse...

O que é ser um bom profissional em educação então? É suportar além do limite todas as condutas que afetam negativamente o ambiente escolar. Sinto muito, mas nos últimos anos tenho me adequado a realidade de cada turma que trabalho e o que tem faltado nesses alunos são limites, para eles tudo pode tudo acontece e a culpa é do professor. A culpa é de toda a sociedade. Portanto sou a favor das medidas disciplinares sim
e não me considero um ser jurássico.Apresente uma solução cabível aos estão ao menos tentando lutar contra a imoralidade.

Giulia disse...

Anônimo, você é o mesmo dos dois últimos comentários? Somos a favor de medidas disciplinares, sim, mas através do diálogo e não da suspensão. Já pensou que para um adolescente ficar em casa pode ser um presente?...
Somos pais de alunos e repreendemos severamente nossos filhos quando não se comportam adequadamente. O que falta na classe docente brasileira é o prazer de ensinar e de conviver com o aluno. Por isso esse tom sombrio, essa má vontade e ranço! Isso não tem solução: quem escolheu a carreira errada não vai mesmo se tornar educador.

pai atento disse...

caros colegas, passei por isso esses dias.minha filha de seis anos foi suspensa coordenadora infantil por ter agredido um aluno que riscou o caderno dela. achei um absurdo, mais ainda pelo fato de ela ser uma criança, o q vcs acham?

Giulia disse...

Barbaridade, escola incompetente!

MILCA PAIVA disse...

Muitas vezes a direção não tem criterio nem um para suspender um aluno. Meu filho, excelente aluno notas de 8 a 10, nunca recebi reclamaçoes de professores,inclusive nas reuniões me de pais e professores me informam que ele é uma garoto muiot educado. FOI SUSPENSO POR DOIS DIAS PORQUE NA TROCA DE PROFESSOR SAI PARA IR AO BANHEIRO. ELE ESTA REVOLTADO COM A SUSPENSÃO!!!!

Giulia disse...

Milca, você viu pelos outros comentários que isso é comum. Acho que você deveria discutir isso com a direção da escola. Infelizmente os pais aceitam essas barbaridades sem questionar...

Anônimo disse...

Vivemos em uma realidade em que os pais transferem suas responsabilidades a escola. Como professores deveriamos apenas aprimorar a educação. A suspensão pode até não adiantar, mas o que fazer quando os próprios pais desistem de seus filhos? O que fazer quando um professor apanha de um aluno em sala de aula? Muitos devem perguntar o que o professor fez para ele? Ou vamos descobrir a causa dessa agressividade? Ou será que a aula não estva boa? Claro que o professor deveria astar fazendo algo errado... E se esse aluno tem problemas em casa (falta de limites e etc...)? intervenções e mais intervençoes da escola e simplesmente os pais fecham os olhos ou não acreditam na escola. E o que fazer com a auto-estima de professores cada vez mais desvalorizados em uma sociedade cada vez mais caotica. O professor tem cada vez menos recurso a seu favore cada vez mais atribuiçoes. Realmente suspensão nào é o melhor recurso.

Anônimo disse...

Fui aluno, pai de ex-alunos e avô de alunos, alem de ex-funcionário em escola pública. A mim me parece que, de um modo fgeral, falta às autoridades das escolas aquela coisinha chamada educação - sim, aquela que vem do berço, pois não sabem ouvir, não suportam serem questionados, e quando isso acontece, grosseiramente,levantam a voz, gritam,falam ao mesmo tempo que o aluno ou seu responsável, não dão direito à defesa. Resumindo: se julgam estarem sempe acima do bem e do mal. Pra não complicar as coisas, ficamos calados, omissos, e continuam,os sendo pisados. Os dosi lados estamos errados, não?

Giulia disse...

Oi, Anônimo (o último): achei muito interessante a sua mensagem e a postei no topo do blog. Tive que inventar um nome para você, veja se gostou, rsrs...

Anônimo disse...

Antes de mais nada, parabéns pelo blog. Quanto aos comentários, gostaria de dizer que se todos respeitassem o ambiente onde vivem,e as relações humanas, saberiam perfeitamente que seu direito vai exatamente até onde começa o direito do outro. Isso certamente evitaria toda essa confusão entre limites, direitos e deveres. A sociedade finalmente iria funcionar sem tanta necessidade de "punições" que muitas vezes são aplicadas sem sentido algum como tive a oportunidade de ler em alguns relatos.