Pular para o conteúdo principal

A escola tabu nª 66 - Mães proibidas de entrar na escola!

Algumas mensagens de pais e mães revelam tanto sobre o funcionamento das escolas, que merecem ser publicadas na íntegra, sempre preservando-se a identidade dos denunciantes. Este é um caso típico:

Gostaria de saber se existe uma lei que proíba uma mãe de entrar na escola? Um dos meus filhos tem problemas cardíacos, e minha sobrinha problema nos rins, usam medicamentos fortes e que causam reações.
Explico o por quê da pergunta.

Ha 7 anos eu entro na escola estadual onde meus filhos estudam, levo eles até a sala de aula, confiro se haverá todas as aulas, se tiver todas as aulas eu vou embora e retorno na hora do intervalo do lanche, pra saber se está tudo bem com eles, terminando o lanche eu vou embora e só volto para pegá-los na escola, mas devido a violência e o perigo que há em volta da escola, pois o bairro não é muito bom, eu oriento meus filhos a me esperarem dentro da escola, então na saída eu entro e pego os dois e vou embora.
Quando não tem muitas aulas vagas, normalmente eu fico e ajudo no que posso, não como voluntária, mas colaboro, acho que não me custa nada já que estou lá dentro, então como há muita defasagem de professores, e muitas vezes muitas faltas, então os alunos ficam circulando no pátio e nos corredores, muitos agridem os outros de tamanho menor, então por eu estar ali, eu ajudo olhar e a separar brigas, dando ciência ao diretor ou funcionário que esteja presente para que ele na qualidade de funcionário tome as providencias necessárias, pois eu sou apenas mãe e não posso tomar atitudes que não compete a mim, sei onde é meu lugar. Também muitas vezes eu ficava em sala de aula, não a dos meus filhos, ficava em outras salas ajudando a olhar os que estavam sem professores. Isso eu fazia no horário dos meus filhos e minha irmã fazia a mesma coisa no horário da manhã, pois ela tem uma menina nesse horário. Muitas vezes também, íamos em três irmãs, pois na minha falta, minha irmã que cuida dos meus filhos ia no meu lugar, tudo isto com o consentimento da diretora, da vice-diretora e apoio dos demais funcionários que viviam elogiando AS MÃES PRESENTES. Inúmeras vezes, ajudávamos na cozinha, limpando a escola, nunca passou na nossa cabeça cobrar nada e nem ser voluntária, conhecíamos os professores, funcionários e até muitos alunos que já tratavam a gente como tia. Porém, em junho de 2012, aconteceram umas denuncias, envolvendo a diretora da escola, jogaram a culpa em mim e nas minhas irmãs. fomos perseguidas, ofendidas e ainda muitos funcionários foram proibidos de sequer dizer "um oi" pra gente, por ordem da diretora, até de nome feio minha irmã foi xingada, fizeram chacota por nossas costas, muitas vezes minha irmã saía da escola, e voltava pra fazer alguma pergunta e via funcionários rindo da cara dela e comentando, até a escola que fica do lado ficou sabendo, fomos alvo de riso e de fofocas. Antes de tudo isso, em maio de 2012, fazíamos parte do conselho de pais e mestres, até nossos nomes nós pedimos para retirar do conselho, pois um funcionário me procurou e quis me dar provas de acusações para prejudicar a diretora, então pra não me envolver nessa sujeirada toda, saímos do conselho, e mesmo assim este funcionário fez tudo e jogou a culpa na gente. Mas até ai tudo bem, como a denuncia foi exatamente baseada nas provas que o funcionário queria me dar, eu e minhas irmãs procuramos este funcionário e o obrigamos a falar a verdade, pois dissemos que havíamos gravado e iriamos processá-lo por falsa acusação e por danos morais, ai o funcionário sem saída, acabou confessando parte da verdade e foi cassado. Porém a diretora mesmo sabendo de toda a verdade, nunca sequer se desculpou e nem tomou nenhuma atitude com isso. O ano acabou, ai este ano já no primeiro dia de aula, ela barrou minha entrada dentro da escola, e disse que não quer a entrada nem minha e nem das minhas irmãs dentro da escola, proibiu novamente os funcionários de sequer nos cumprimentar, e foi mais longe ainda, disse que ela tem provas de nosso envolvimento e que por ela ser autoridade maior na escola ela é que manda e desmanda, e que iria nos processar, por difamação, pois disse que o funcionário que confessou, ainda nos acusou de ter influenciado ele, a diretora disse ainda que vai usar mensagens de celular e ligações... sei que se ela usar isto, ela vai ter uma prova falsa, pois nem o telefone deste funcionário nós tínhamos, nem sabemos o número do celular dele. Então este tipo de prova não existe, se existe foi forjada, e com certeza, o número que aparece não vai ter nada a ver com os nossos. Esta diretora disse que vai fazer uma reunião do conselho (onde todos são coniventes com as decisões dela) pra deixar oficial a proibição de nossa entrada na escola, ainda chamou professores para presenciar a conversa como testemunha e uma das professoras que mais precisou da nossa ajuda, pois vivia chamando a gente na sala pra olhar a sala, para levar aluno na secretaria, pra buscar aluno no banheiro, olhou na nossa cara e disse que realmente não era necessária a nossa presença na escola. Quero deixar bem claro aqui, que tenho mais o que fazer na minha casa, se eu e minhas irmãs ficávamos na escola, ficávamos a pedido delas, pois quando íamos, era apenas para dar os remédios para nossos filhos, esperar a reação passar e ver se teriam todas as aulas, só... nunca foi de nossa intenção "bater cartão, ou ponto" na escola, mas achei uma vergonha, humilhação e uma desumanidade muito grande a maneira como fomos tratadas, como criminosas... não somos criminosas... somos mães... e sem falar que no conselho de pais e mestres, nas duas reuniões que participei, foi pra falar e pra expulsar alunos, tudo a mando da diretora, que vinha chorava, dizendo-se ofendida e que esses alunos em questão representavam perigo aos demais alunos na escola, inclusive na ultima reunião eu disse que não aceitava a expulsão pois os argumentos pra mim eram desconhecidos e o aluno em questão não estudava no horário dos meus filhos, ai juntou esta insatisfação da diretora pois ela não gostou nada, e mais as denuncias, ai aconteceu tudo isto. EU SÓ QUERO TER O DIREITO DE ENTRAR NA ESCOLA (INSTITUIÇÃO PÚBLICA ESTADUAL) para levar meus filhos e ter a certeza de que eles estarão seguros e com professores em sala, pois quando não tem professor a bagunça é muita, e o vandalismo e a violência é grande, meu filho tem arritmia, não pode levar tapa no peito, susto e nem passar nervoso. Vou simplesmente pra observá-lo, e a diretora foi tão agressiva. Ainda me disse que ela quer voluntária pra lavar banheiro e fazer faxina, mas que não quer a nossa participação, e ainda mais, que se meus filhos e os da minha irmã precisassem de uma cuidadora, que o Ministério Público poderia nomear um pra cuidar do meu filho na escola... ai eu disse pra ela que estou viva... não morri ainda... ai ela disse bom aqui na minha escola eu não quero vocês, e tem tantas escolas, por que vocês não mudam seus filhos? Quer dizer, a escola fica de frente da minha casa... por causa dela, tenho que mudar? É isso? 

Fomos a delegacia de ensino e registramos a nossa reclamação formalmente e contamos tudo em um memorando, mas já nos adiantaram que a diretora tem autoridade para impedir nossa entrada na escola, pois não pode abrir exceção pra gente pois seria injusto com os outros pais. Mas há uma pequena diferença, eu digo, pois nossos filhos tem problemas de saúde, e ainda são 7 anos que frequentei... pra depois desse fato ela fazer isso... pra  mim isto é pessoal... ela nunca quis nossa presença na escola, sempre deixou pois precisava e era conveniente.

Então gostaria de uma orientação, existe alguma lei que proíba nossa entrada (não permanência) na escola? É mesmo proibido um pai ou uma mãe que tem seu filho com problemas de saúde, entrar na escola? E mais uma coisa, a escola esta passando por reformas, e bem do lado da sala dos meus filhos, tem barulho de britadeira, muito pó, quase não se ouve o professor, e ainda ontem e hoje, meus filhos só tiveram duas aulas... ficaram sem nenhum professor substituto. das 13:00 as 18:20hs.

Bom agradeço, preciso do retorno de vocês, me ajudem.


Comentários

Tereza Vianna disse…
Giulia...Que coisa !!!...Alguém sabe ao certo?
Márcia Fernandes disse…
a matéria é clara, ainda nem consigo comentar, dado o absurdo e a revolta.
Giulia disse…
Estamos levando essas mães para a Secretaria da Educação. Torçam por nós, pois o que costuma acontecer é o seguinte: a Dirigente de Ensino se compromete a "resolver", mas após alguns dias a diretora da escola recomeça a fazer o que bem entende e reforça a perseguição contra as mães que tiveram a coragem de vir a público. Por isso não publicamos o nome das mães nem da escola, enquanto a Secretaria não se comprometer a tomar providências. Não é mole, amigas!!!
Tereza Vianna disse…
Super Boa Sorte!!!...Conversei com educadores q me posicionaram que com as mudanças de cargos.Coisas deste tipo tem mesmo acontecido...São considerações que tem particularidades entre a comunidade e a escola...Pesa bastante o discernimento da diretora qto cd caso...
Giulia disse…
Tereza, a questão aí é mais complexa: enquanto as mães só ajudavam no que a diretora precisava, podiam entrar na escola. Quando ela foi denunciada - e as mães deixam bem claro que a denúncia foi feita por um funcionário da escola, que primeiro tentou envolvê-las, depois resolveu denunciar sozinho - começou a discriminá-las. Mesmo após as mães desmascararem o tal funcionário, a diretora não só não pediu desculpas para elas, como proibiu sua entrada na escola e determinou que nenhum funcionário as cumprimentasse. Essa é uma velha estratégia para assustar qualquer um que se atreva a fazer qualquer denúncia. Estabelecido o clima de terror, geralmente o denunciante volta atrás. Os posts com o título "A escola tabu" tratam justamente dessas situações que só os pais de alunos conhecem e entendem. Os professores e funcionários das escolas também entendem disso, mas se omitem justamente para não se prejudicar, veja que o tal funcionário acabou demitido, conforme as mães relataram. No sistema de ensino quem denuncia é que acaba sendo punido!
Tereza Vianna disse…
Tem razão...Existem outras discriminações envolvidas.Que a verdade e a transparência venha a tona
Mãe disse…
Olá! Sou mãe e tenho duas filhas estudando no mesmo colégio. Elas têm oito anos e estão cursando o 3º ano do ensino fundamental (são gêmeas). Bom e assim como outros pais queremos o direito de entrar no colégio (não permanecer). Conversamos com a coordenação em busca de uma solução pacífica e mesmo assim não adiantou. Agora estamos querendo colher assinaturas para ter o direito de entrar no colégio para deixarmos nossos filhos com comodidade. Queremos que eles sintam prazer, vontade de estudar e que o colégio seja um lugar acolhedor e não um lugar cheio de regras como um batalhão militar. Apesar de eu achar a medida um tanto evasiva, mas até agora é a única solução encontrada por nos pais de um determinado colégio particular em Goiânia - Goiás. As atividades escolares começam às 13 horas e 15 minutos, e quando chegamos com nossos filhos antes... Tipo 13 horas (chegando cedo para não haver atrasos), somos barradas na porta. Dizem que estão em horário de atividades escolares... Uma vez que o sino que indica o início das atividades ainda não tocou. Nem os professores foram para salas... As crianças ficam no pátio brincando e às vezes pedem para ficarmos, vê-los brincando, conhecermos os colegas, já deixar o lanche pago e pronto na cantina e outros... Coisas de pais e filhos e acima de tudo fazemos questão de participarmos desse momento escolar... E não deixam. Bom se eles são menores e incapazes, e responsáveis por eles somos nós "os pais”, pq não podemos estar lá até bater o sino. Pq se é "direito dos pais ou responsáveis ter ciência do processo pedagógico, bem como participar das propostas educacionais" como cita o artigo 53, parágrafo único, ECA; o que não entendo é pq da proibição? Parece que escondem algo... Devemos nos comunicar e inteirarmos dos assuntos escolares apenas por agendas?...Pq também somos impedidos de falar com os professores? ...Reunião de pais só existe duas e ocorrem no início do ano, no mês de fevereiro e é para ditar regras! Cadê o direito dos pais e alunos? DIZEM que a escola é extensão da família... MAS A FAMÍLIA É IMPEDIDA DE ENTRAR NO COLÉGIO!? Como isso pode ser tão contraditório??? Estou muito preocupada pq vejo a minha angustia e a dos outros pais, sem falar das crianças. É CONSTRANGEDOR. O que podemos fazer? Existe alguma lei que nos resguarde? O MEC concorda com essa conduta? Ajuda-me, ou melhor, nos ajudem... Por favor, não deixe de nos orientar. Obrigada desde já pela atenção e consideração. Atenciosamente... Mãe
Giulia disse…
Mãe, você descobriu o que ninguém quer ver: os pais não são bem-vindos na escola... Na rede pública é ainda pior, pois a GESTÃO PARTICIPATIVA é lei. Você leu no post que a diretora foi clara: os pais são bem-vindos para limpar a escola e fazer outros serviços manuais, mas a esmagadora maioria das escolas (não posso afirmar que são todas...) não os quer por perto para colocar o nariz nas atividades pedagógicas. Não adianta lei no Brasil! Você mesma citou o ECA, que é apelidado pela classe "docente" de ÉÉÉÉÉÉCA... A única coisa que poderia mudar esta situação seria uma mudança de mentalidade na sociedade brasileira. Infelizmente, a maioria dos pais de alunos não têm essa sua disposição de contrariar a vontade da direção das escolas. Eles preferem deixar quieto, por medo de que os filhos possam ser alvos de perseguições e represálias, que são justamente as armas que as escolas utilizam para afastar os pais. Se você tiver vontade de "folhear" o blog, vai encontrar inúmeras situações que mostram a forma como são vistos e tratados pela escola os pais e principalmente as mães que reivindicam seus direitos. Elas costumam ser chamadas de "barraqueiras", convidadas a ir lavar roupas... Na rede particular há um pouco mais de "respeito", pois existe o medo de perder o cliente, mas a entrada na escola é até mais dificultada. Enfim, teria que haver duas coisas para mudar esta situação crônica: disposição por parte da escola de acolher os pais e maior consciência dos pais no sentido de se unirem para solicitar o direito de ir e vir. Brigas, discussões, abaixo-assinados e outras estratégias só atrapalham.
Mauro disse…
Giulia,
O caso é muito comum nas escolas pública de sp.
Mas temos um novo instituto para encurralar as diretoras autoritárias: a lei de acesso à informação.
Sugiro à mãe que faça o pedido das seguintes informaçãos:
1) Calendário Escolar;
2) Edicatal de convocação da eleição para o Conselho de Escola;
3) Ata da eleição do último conselho de escola;
4) Quadror de funcionário da escola (inclui professores e direção);
5) Horário de cada um dos funcionário e professores da escola;
6) Cópia das atas das reuniões do conselho de escol anos últimos 5 (cinco) anos;

Isso é só o começo, pois os dados certamente vão identificar uma série de possíveis irregularidades.

Depois é só fazer um resumo e disttribuir aos demais pais.

Veja que eu não falei da APM, pois isto já seria uma segunda parte... As APMs são caso de polícia.

SP, 14/02/2013.

Mauro Alves da Silva

Coordenador do Moviemento Comunidade de Olho na Escola Pública

http://movimentocoep.ning.com/
Giulia disse…
Mauro, as mães estão sofrendo represálias muito brabas e você sabe do que estou falando! Estou agendando na SEE. Você pode ir conosco, obrigada!!!

Postagens mais visitadas deste blog

A expulsão é legal?

Recebemos a seguinte mensagem de Manaus e a respondemos no comentário. Dê também sua opinião!
Sou ex-Conselheiro Tutelar e hoje trabalho como consultor de projetos sociais na Prefeitura. No entanto, estou sempre envolvido com o problema de atitudes arbitrárias em escolas públicas onde alunos são expulsos ou suspensos sem qualquer critério legal. Por este motivo gostaria de estar recebendo informações mais detalhadas sobre a legalidade desse procedimento adotado pelas escolas. Até que ponto a escola teria poderes para expulsar alunos, ou trata-se de um ato totalmente ilegal? Favor encaminhar informações jurídicas sobre o caso.

Respeito ao aluno, 3ª Parte. A expulsão da escola

Este é certamente o problema mais grave da escola brasileira: a expulsão de alunos. Além de não ser inclusiva, ela é inóspita para os alunos já matriculados e, na primeira oportunidade, eles são "convidados" a sair da escola, ou então, sumariamente expulsos. E aqui sempre fazemos o mesmo apelo aos pais: não permita que seu filho seja expulso, procure entender o que está por trás dessa atitude da escola! Tenha a coragem de enfrentar essa questão de cabeça erguida, não seja mais uma vítima de um sistema de exclusão.
Já falamos aqui exaustivamente sobre a expulsão na rede pública de ensino, que se dá de várias formas: "oficialmente", através do Conselho de Escola,  através de manobras dos diretores de escola, ou de forma "branca".

A expulsão na rede particular é tão ou até mais frequente do que na pública, e isso também já demostramos aqui diversas vezes. Mas na rede particular ela costuma ser melhor disfarçada, através de um "convite" para buscar …

Escola pública ou particular. Qual a sua opção?...

De vez em quando a gente atende uns pais de alunos bem descontrolados, difícil manter a linha. Faço questão de reproduzir aqui toda a troca de mensagens com um cidadão que quase me tirou do sério... rs
Dia 4 de setembro "Por um acaso deparei com seu site. Gostaria de que me informassem se é LÍCITO aluno de escola pública ser agraciado; com merenda substanciosa ; material escolar, transporte, uniforme e até tablets, pelos quais pouco se exige de cuidados e/ou devolução; pelos PODERES PÚBLICOS, enquanto que alunos de escolas particulares, cujo custo é elevado e que foi assumidos pelos pais como opção, para que tenham uma escola  de melhor qualidade; não é fornecida merenda, material, livros, transporte,nem tablets em pé de IGUALDADE? Será que os cursos das escolas particulares são regidos por diretrizes, normas, conteúdos, ou programas de entidades estranhas ao Ministério da Educação do Governo Federal? Será que as crianças das escolas particulares não são Cidadãos Brasileiros? Será…