Nós, os Educochatos


Aproveitando a onda a respeito do recém-divulgado Compromisso Todos pela Educação, resolvemos nos manifestar publicamente, enviando o documento anexo ao Comitê Executivo do movimento. (Ora, mas um blog já é público! – dirão vocês. Pois é, porém a blogosfera é mais um reduto de ETs, não é?...)

ETs da blogosfera, apertem os cintos!!!


E d u c a F ó r u m
Espaço permanente de denúncia, estudo e elaboração de soluções

Ao Comitê Executivo do
Compromisso Todos pela Educação

Prezadas Senhoras, prezados Senhores,

Temos acompanhado o seu movimento e esperamos que alguém desse Comitê já conheça o nosso, pois somos “Educochatos” desde o início dos anos 90. Nosso novo blog
http://educaforum.blogspot.com está no ar desde o ano passado e ainda nos manifestamos nos sites www.webamigos.net/educaforum e www.escoladosaber.xpg.com.br. Mais “Educochatos” podem ser encontrados nos sites www.homestead.com/paisonline, www.geocities.com/coepdeolho e nos blogs http://cremilda.blig.ig.com.br e http://gloria.reis.blog.uol.com.br. Somos uma rede de “Educochatos” que iniciaram juntos e se comunicam entre si há mais de quinze anos, recebendo hoje mensagens do Brasil inteiro, principalmente via Internet. Como diríamos na linguagem popular, é “Educochato prá burro”. E é nessa linguagem popular que vamos nos comunicar com esse Comitê, pois somos porta-vozes de pais e alunos de escolas públicas, que não têm a quem recorrer. Aliás, nós mesmos somos pais de ex-alunos e resolvemos continuar nossa luta pela educação, pois somente conhecendo a rede pública por dentro pode-se entender a extensão da problemática e provocar mudanças efetivas.
Um exemplo muito revelador: recebemos hoje (08/09/06) a seguinte mensagem de uma mãe cujo nome preservamos, inclusive o da escola, por motivos que ficarão claros no decorrer do texto.

Gostaria de pedir a vocês que me auxiliassem, pois não sei a quem recorrer. Minha filha estuda em uma escola estadual que funciona das 7:00 às 16:00 aqui em São Paulo. Desde o começo do ano os alunos não têm atividades prometidas como as oficinas de teatro, dança, música. Até aí estávamos aguardando que as coisas melhorassem, mas há mais ou menos dois meses mudou a direção e a nova diretora entra gritando nas salas, falando que escola não é lugar de aluno almoçar, que cada um deve trazer almoço, lanche de casa, humilhando e desrespeitando os alunos.

A mensagem desta mãe veio sem erros de português. Trata-se portanto de pessoa bem alfabetizada, diferente de outros pais de alunos. Ora, então, como é que esta mãe “não sabe a quem recorrer”? Sabe, sim, nós sempre informamos: é à Diretoria de Ensino que responde pela escola. Na omissão dessa, é à Ouvidoria da Educação. Então, ela sabe a quem recorrer, mas NÃO TEM a quem recorrer. Por que? Porque SEMPRE que os pais pedem ajuda para as autoridades, o “feitiço se volta contra o feiticeiro”. Mais uma expressão popular. Significa que, além de o problema não ser solucionado, os filhos dos “educochatos” (expressão criada pelo Sr. Antonio Jacinto Matias, do Grupo de Trabalho de Comunicação desse Comitê) correm o risco de serem discriminados dentro da escola.

Para ilustrar melhor a questão, anexamos a mensagem de outra mãe, publicada em nosso blog em 19 de agosto último, apresentando uma problemática muito semelhante. A diferença entre as duas mensagens é porém gritante: as queixas da segunda mãe são bastante detalhadas, corajosas e indignadas. Por que será?... Porque essa outra mãe não tem mais nada a temer: conseguiu bolsa para suas filhas numa escola particular e elas já não estão correndo risco de perseguição ou represália por parte de “autoridades educacionais” que costumam atacar quando se sentem “ameaçadas”.

Apenas mais um caso exemplar, entre centenas que podem ser encontrados em nossos sites:
A mãe de um aluno da EE Profª Aracy da Silva Freitas, de Mongaguá, nos procurou em agosto de 2005 com denúncias gravíssimas sobre essa escola, que chamamos de “Escola de Faroeste” em nosso post de 23/09/05. Imediatamente encaminhamos um documento à Ouvidoria da Educação do Estado de São Paulo.
A resposta dada concluiu que a denúncia não procede, com base em... relatório da Supervisão de Ensino. A mãe que nos pediu ajuda não foi procurada POR NINGUÉM da Diretoria de Ensino ou da Supervisão da escola. Portanto, a Ouvidoria deu seu veredicto sem ao menos ouvir o lado dos pais e alunos. Para quem não sabe, a Ouvidoria da Educação do Estado de São Paulo é formada por profissionais da própria rede, o que corresponde a “colocar um lobo para tomar conta do galinheiro”. Todos os documentos mencionados estão publicados em nosso blog.

Senhoras e Senhores membros desse Comitê Executivo, após termos analisado com cuidado as páginas do site Todos pela Educação, chamamos sua atenção para uma grande falha do programa: ele “não deseja intervir diretamente na escola”, como declarou publicamente Milú Villela, também membro do Comitê.

Nós, os “Educochatos” de quase duas décadas, podemos afirmar e provar através dos inúmeros casos publicados em nossos sites e blogs, que

SEM INTERVIR DIRETAMENTE NAS ESCOLAS, NADA MUDARÁ na qualidade do ensino, pois os maiores problemas da educação no Brasil são:

- O autoritarismo da rede de ensino, que se manifesta desde os professores até os Secretários da Educação.
- O descaso com a legislação, em todas as instâncias educacionais.
- A manipulação dos Conselhos de Escola e das APMs pelos diretores, impedindo a efetiva participação dos pais.
- O corporativismo da classe docente e a impunidade, que permitem todo tipo de desvio ou abuso contra o aluno.

Tudo isto se resume a uma única problemática: a falta de interesse pelo aluno e o afastamento dos pais da escola, a não ser para atividades como essa que foi desenvolvida no dia 6 de setembro na EE Mário Lopes Leão, em São Paulo: o “Dia da Faxina”.

O exemplo mais concreto do descaso pelos pais de alunos foi uma reunião pedida ao Ex-Secretário da Educação do Estado de São Paulo, Gabriel Chalita, marcada por seus assessores para o dia 19/07/02, quando tomamos um “chá de cadeira” de duas horas e não fomos atendidos, nem naquele dia, nem posteriormente.
Aliás, nossa presença na SEE já havia sido barrada pela anterior Secretária, Rose Neubauer, quando estivemos acompanhando, na qualidade de membros legítimos da Comissão de Direitos Humanos da OAB, a entrega de Ações Individuais para a matrícula de alunos sem vagas. Barrados, sim, justamente por sermos "Educochatos".

Yes, nós temos memória! E muitos fatos conseguimos registrar em nossos sites, apesar de a nossa informatização ser muito posterior ao nosso envolvimento com a educação.
Nós somos os autênticos “Educochatos”, que batalharam pela educação de seus próprios filhos e somos hoje porta-vozes de milhares de outros pais que temem o autoritarismo da rede pública contra seus filhos. Eles preferem nos procurar a enfrentar aquela que chamamos de VACA SAGRADA da educação: a classe docente pública, formada por profissionais cujos filhos estudam na rede particular e que não têm qualquer compromisso mais sério com os filhos... dos outros.

Se o Compromisso Todos pela Educação quiser realmente cumprir suas metas, ele precisa ajudar a DEFINIR CLARAMENTE A RESPONSABILIDADE E O COMPROMISSO que cada instância educacional tem com a melhoria da educação. Precisa nos ajudar a COBRAR essa responsabilidade das autoridades da educação, pois os pais de alunos da rede pública temem as perseguições e represálias que podem atingir seus filhos. As escolas brasileiras não prestam e até hoje nunca precisaram prestar contas para ninguém. Isto criou o caos educacional, que vai desde a má implantação da progressão continuada até à expulsão ilegal de alunos, feita através de Conselhos de Escola eleitos também de forma ilegal. Para as VACAS SAGRADAS da educação, a melhor escola é aquela SEM ALUNOS.

Em nossa visão, movimentos como Todos pela Educação poderão ajudar, sim, desde que percebam a necessidade de se intervir nas escolas, perfeitamente justificada, aliás, pela participação de membros do Inep e de outras instâncias educacionais públicas, no Grupo de Trabalho Técnico.

Agradecemos a atenção e futuramente comentaremos outros tópicos de seu programa em nosso blog.

Atenciosamente

EducaFórum
Espaço permanente de denúncia, estudo e elaboração de soluções
http://educaforum.blogspot.com
educaforum@hotmail.com

Comentários

Glória disse…
Parabéns ao educaFórum pelo envio do documento esclarecedor e pela competência ao elaborá-lo. Só faria uma correção ou acréscimo de mais um slogam: "Educocidadãos". Chatos são eles que nos dão este trabalho todo para conseguir algo tão simples que é tratar nossos alunos com respeito e dignidade, para fazer da escola um local de acolhimento e não de exclusão, para fazer valer o investimento que o contribuinte brasileiro faz na educação de seus filhos. Na verdade, já está comprovado que o Brasil gasta tanto em educação quanto alguns países desenvolvidos e no entanto não tem o mínimo retorno deste investimento. Não nos faltam recursos, mas sim gerenciamento sério e comprometido dos recursos públicos.
Mauro disse…
Educação -


"O 'Compromisso Todos pela Educação' pode fracassar justamente por não propor uma intervenção direta na escola, a qual atende mais aos interesses das corporações do que aos interesses dos alunos. Lembramos que, em 1993, o Ministério da Educação lançou a campanha 'Todos Pela Educação no Município Um desafio para cidadãos'. Mas, passados 13 anos, a regra geral é a escola pública ainda impedir a participação dos alunos, pais e comunidade na gestão escolar. A melhoria da educação passa por avaliações externas e universais, premiando as escolas com bom rendimento e fazendo uma intervenção nas escolas, inclusive reciclando ou demitindo os maus professores."

MAURO ALVES DA SILVA, coordenador do Movimento Comunidade de Olho na Escola Pública (São Paulo, SP)
Giulia disse…
Mauro, naquela época distribuíram uma apostila em tom humorístico (ou em quadrinhos), onde a última imagem era a comunidade expulsando o prefeito. Você lembra daquilo? Muita coisa eu tive que jogar fora por falta de espaço, mas aquela apostila era bem legal!
Marta Bellini disse…
Giulia,

Parabéns!


Marta
Mauro disse…
Giulia,

Eu ainda tenho o "livrinho"... vou digitalizar e colocar na internet.
Giulia disse…
Muito bom, Mauro!
Serjão disse…
Giulia:
Primeiro meus Parabens por funcionar de ponte entre as "Otoridades" e os pais dos alunos. Vc prova que um blog pode ser algo muito maior do que um elemento de crítica e denúncia. Mas tenho uma sugestão: Aqui no RJ e no resto do Brasil, se considera um dos pontos fracos da candidatura Alckimim a interação estreita com o tal de Chalita. Qual é a desse cara? pelo que vc está me dizendo ele é no mínimo pouco educado de não ter trecebido pessoas com as quais tinha marcado um encontro. mas fico curioso em saber o quanto ele é pior do que isso.

Um abraço e, de novo, parabéns.
Giulia disse…
Hahaha! Olha, morar em Sampa tem essa vantagem: é uma cidade enorme, mas você tá sempre topando com as pessoas onde menos espera. Nós não fomos recebidos pelo Chalita, para uma reunião marcada 15 dias antes por um assessor que tem nome e sobrenome, porém "encontrei" com o Chalita num evento de moda (!) e soube de inúmeros outros eventos sociais onde ele foi "encontrado" por outras pessoas. Mas o pior de tudo foi o Chalita ter ficado com a bunda na cadeira da SEE tantos anos para...escrever seus livritchos, um dos quais, aliás, para decantar os "encantos" da primeira dama do Estado. E depois, aquela "pedagogia do carinho" dele, me poupe. Aliás, a proposta seria excelente, se não fosse tão hipócrita. Quantos e quantos alunos a gente teve que salvar da expulsão, aos gritos de diretoras de escola completamente inadequadas para o cargo! Olha, Serjão, a gente conhece a rede pública por dentro. Antes do Chalitão, a Rose Neubauer já havia deixado claro que o projeto do (então governador) Mário Covas era economizar. Ao todo, eles fecharam 180 escolas em Sampa, uma delas onde meus filhos estudaram. Eu sinto muito te decepcionar, mas...
Santa disse…
Querida
Outro dia perdi o sono e assisti na TV um programa (4 ou 5h da manhã)chamado Salto para o Futuro do MEC. Lembrei imediatamente do seu blog, um dos poucos preocupados com a educação. Estavam lá debatedores do MST, e de conselhos ligados a "terra", repondendo perguntas de professores (no ar) sobre a participação da comunidade na Escola e, principalmente, sobre como os professores trabalharem novos líderes, um horror...Como intervir nos conteúdos colocando idéias desses incendiários, outro horror. Considerei o programa um caso de polícia.

Beijos
Glória disse…
Giulia e Serjão, esses dias, com o controle remoto na mão, deparei com o Chalita dando uma palestra sobre filosofia na TV Canção Nova... Parei, fiquei ouvindo e vendo aquela figura toda adocicada, que eu tinha conhecimento de que fora "secretário de educação"... Por aí se vê a calamidade da educação no Brasil, os cargos são ocupados por pessoas que não têm nada a ver, que não entendem patavina do trabalho que lhes é delegado. O setor da educação é puro cabide de emprego para os governantes colocarem seus apadrinhados. Aqui em Leopoldina, a secretária de educação é a mulher do prefeito. Como mudar isso?
Giulia disse…
Santa, o Salto para o Futuro conheço muito bem: tem um "animador" muito animado e os "professores no ar" são sempre os mesmos, é tudo uma panelinha bem orquestrada. Com o nosso dinheiro, é claro, pois se trata de TV "educativa".
Glória, você gosta de fazer as perguntas difíceis... O Chalita, como secretário de educação do maior estado da união, tinha que ter um mínimo de qualificação. Mas basta folhear um dos livritchos... Isso não é o pior, pois soube de um prefeito semi-analfabeto no Nordeste que deu um impulso na educação, portanto tem aí muito mais a questão da vontade política. Quanto ao merecimento, o Chalita é "amigo íntimo" da ex-primeira família do estado, além de membros do tal compromisso todos pela educação. Como fazer para virar essa mesa? Também quero saber!! Alguém tem um bom palpite?
gugala disse…
importante espaço sobre educação, este aqui. Parabéns. Vou ter que voltar com mais tempo, pois tb acredito em blogs. Prazer