Campanha contra a ojeriza


Hoje é dia de profunda indignação! Não apenas pelo comportamento anti-ético e desaforado dos "nossos" congressistas, mas principalmente pela forma como pessoas simples e humildes são tratadas pelas autoridades deste País.

Sabem por que pessoas como a mãe do aluno expulso da EE Presidente Kennedy no Campo Limpo são ignoradas, destratadas e humilhadas por diretores de escola, supervisores e dirigentes de ensino? Porque essas autoridades têm OJERIZA a pessoas simples e humildes. Essas autoridades torcem o nariz ao receberem mensagens como as que nós recebemos, cheias de erros de ortografia e gramática. Porque essas autoridades têm OJERIZA ao aluno trabalhador, aquele que sua para ajudar sua família pobre e ainda por cima se esforça para terminar os estudos. Essas autoridades pensam dessa forma: "Esse aluno está fazendo o quê na escola, ora bolas!? Dando trabalho para o professor?" E se incomodam MUITO quando nós respondemos: "Sim, dando trabalho para o professor!!!" Porque o professor está lá para ensinar também a esse aluno, não apenas àqueles que têm pais em casa para ajudar nas lições, àqueles que não faltam porque conseguem dormir o suficiente e que entendem imediatamente o que o professor fala em sala de aula.

Chega de preguiça e principalmente de OJERIZA, senhores professores, diretores de escola, supervisores e dirigentes de ensino! Ensinar a LER e ESCREVER é muito FÁCIL e GRATIFICANTE, para quem se dá a esse trabalho, para quem tem um mínimo de autocrítica e procura se atualizar. O que acontece em nossa rede pública de ensino, que forma analfabetos funcionais, é a PREGUIÇA de uns e a OJERIZA de outros, misturadas ao mais eficiente dos ingredientes: o CORPORATIVISMO.

Hoje, finalmente, enviamos uma mensagem para a própria Secretária de Educação do Estado de São Paulo, pedindo uma resposta objetiva à seguinte pergunta: A EXPULSÃO DE ALUNOS ATRAVÉS DA NEGAÇÃO DA REMATRÍCULA OU DA DELIBERAÇÃO DO CONSELHO DE ESCOLA É UMA PRÁTICA QUE RECEBE SEU AVAL? Tomamos essa iniciativa já que a Ouvidoria da Educação nos respondeu que o SEU PAPEL É APENAS ENCAMINHAR AS DENÚNCIAS, NÃO É FISCALIZAR NEM AVERIGUAR FATOS, NÃO LHE CABENDO EMITIR JUÍZOS DE VALOR. Vamos então aguardar o posicionamento da Sra. Secretária Maria Lúcia Vasconcellos.

Mas não vemos uma luz no fim do túnel. Enquanto os profissionais da educação tiverem OJERIZA de ensinar a alunos simples e humildes e se sentirem à vontade para humilhar seus pais, nada mudará.

Comentários

Mauro disse…
Giulia,

A nossa experiência nos recomenda que sempre divulguemos o nome das escolas para a imprensa em geral. Todos os profissionais da escola devem ser co-responsabilizados pelas violações que ali acontecem.

Vamos acabar com a "Conspiração do Silêncio". Quem cala consente. Quem se omite também é criminoso.

Quanto à Ouvidoria da Educação, nós já sabíamos que era um órgão cuja única função e impedir o acesso direto ao titular da Secretaria de Educação e também ao Governador.
Se é só para "encaminhar" as denúncias, melhor seria utilizar os serviços dos Correios. Ficaria muito mais barato do que montar um cabidão de empregos para professores e diretores apaniguados de algum político medíocre qualquer.

SP, 20/12/2006
Mauro A. Silva
Movimento Comunidade de Olho na Escola Pública
Giulia disse…
Mauro, divulgar o nome das escolas públicas para a imprensa é o mesmo que divulgar para o seu vizinho que tem filho estudando na rede particular... Jornalista se lixa para a rede pública! O nome das escolas a gente sempre divulga, mas com o cuidado de fazê-lo depois de garantir a segurança dos pais e alunos, pois sabemos que há no sistema COBRAS CRIADAS que fazem de tudo para atirar lama nesses pais e alunos, inclusive VOLTANDO TODA A COMUNIDADE ESCOLAR CONTRA ELES. Muito cuidado com isso! Você percebe que isso acontece quando os pais "somem" de uma hora para outra. Jogar lama ni nóis isso nóis já tá acostumado, né, não tô nem aí! Mas, infelizmente, na mídia não confio, não! Já na época da Rosa Baptistella, que foi a melhor jornalista a cobrir a educação, ela dizia que não adiantava: a matéria saía do jeito que a editoria mandava. A ponto de ela ter mudado de emprego e passado para a assessoria de imprensa de uma empresa!!!
Anônimo disse…
É lamentável ter de engolir a idéia de que muitos professores realmente detestam seus alunos.
É triste, mas sou forçado a concordar com a idéia de que muitos colegas professores divertem-se debochando dos erros cometidos pelos alunos (nas redações, trabalhos, provas e etc.), no lugar de se perguntarem o porquê desses erros. E o pior é observar verdadeiras antas vestidas rindo-se de seus próprios alunos, como se estes não fossem, em boa medida, resultado de seu trabalho.
A sala dos professores não é um local indicado para os de estômago sensível...
Giulia disse…
Leandro, você já mostrou a que veio! Professores como você enobrecem uma classe corroída pelo corporativismo. Esses que desprezam o aluno com dificuldades, o aluno trabalhador ou o rebelde não têm o mínimo compromisso com a educação. Mas em nosso post esquecemos de falar o mais importante, né, Xipó? É que nós ADORAMOS receber essas mensagens cheias de erros, mas que mostram a vontade de aprender, de mudar, de dar a volta por cima. E ficamos MUITO FELIZES a cada aluno que conseguimos manter na escola e a cada mãe ou pai que conseguem reerguer sua cabeça depois de terem sido humilhados pela classe "docente". Mesmo sabendo que a escola pública é tão falha, que a aula vaga engole 1/4 do ano letivo, que alunos e pais são tratados aos berros, acreditamos que a mudança é possível e que depende de cada um.
Ricardo Rayol disse…
Revoltante. O pior que essa turba é paga com dinheiro público.