Disciplina se ensina!


Não agüento mais aquelas lamúrias de professor, principalmente em final de ano letivo: “Meus alunos são mal-educados, indisciplinados, sem limites!”. Ou então aquela frase carimbada: “A educação vem de casa!”. Famosa ficou a resposta daquele aluno ao desabafo de um professor:
“Não dou mais aula para cavalo!”
“Cavalo? É a mãe!”.

Mas chega de xingamentos! Hoje trouxe uma entrevista bem humorada de Lino de Macedo, psicólogo especializado em Piaget, mostrando que a disciplina é um conteúdo como outro qualquer e pode, sim, ser ensinada na escola, desde que o professor esteja interessado no assunto. Ele precisa ter um mínimo de conhecimentos de psicologia, para entender como abordar a questão da disciplina em cada fase do desenvolvimento infantil. Lino de Macedo deixa também claro que o elemento fundamental para o aprendizado da disciplina é o exemplo. Alguém duvida?

Professor que se limita a repetir frases feitas como acima mostra que não tem interesse no aluno nem em solucionar os problemas de comportamento em sala de aula. A disciplina é uma “disciplina” fundamental para o desenvolvimento de qualquer disciplina, se me permitem a redundância. É uma matéria interdisciplinar, da qual dependem todas as outras. A palavra de ordem é convencer, não obrigar. Construir um conjunto de regras pode ser uma atividade rica e prazerosa para crianças e adolescentes. E essas regras serão mantidas se forem compreendidas e aceitas como necessárias e importantes. Deliciem-se com a entrevista de Lino de Macedo, abrindo o link da página de textos ao lado.

Comentários

Anônimo disse…
Mas, o que é a "disciplina" dos alunos, afinal de contas?
É ficarem sentados imóveis e em absoluto silêncio?
Alunos devem ser vistos para além desse mero papel. Devem ser entendidos como pessoas em formação, respondendo e correspondendo aos estímulos que lhes são destinados e, além disso, como todo jovem saudável, resistindo às imposições, protestando e reivindicando.
Tempos atrás era possível manter-se a "disciplina" em sala de aula através do uso de punições físicas. O aluno mantinha-se "em seu lugar" por medo e não por respeito. Agora cabe ao professor conquistar o respeito. E, mesmo assim, não terá necessariamente uma turma "disciplinada". Mas, para ele, que chegou a esse estágio, isso não é necessário.
Anônimo disse…
Nossa!!!
Não ia, não ia; agora foram três!
Giulia disse…
Relaxa, Leandro! Todo mundo tá reclamando do blogger. Parece que é hoje!
Anônimo disse…
E depois ainda saíram mais dois!
O lado bom, é que está bastante comentado, né?
Giulia disse…
Leandro, disciplina é uma palavra ainda muito mal compreendida, por isso trouxe esse texto arejado do Lino de Macedo. A palavra é uma derivação de discípulo, portanto eu interpreto da seguinte forma (embora minhas interpretações sejam sempre meio estrambólicas): tal mestre, tal discípulo. Se o cara quer um aluno plantado na cadeira feito um pedaço de pau, vai conseguir um poste, "educado" a sua imagem e semelhança. Se ele quer um aluno participativo, vai saber como conseguir e, se não souber, vai buscar os meios. Infelizmente a maioria dos professores ainda prefere o aluno-poste.
Luciano disse…
Giulia, desculpa!
O meu servidor é meio ruim e não avisa que o comentário foi para moderação. Mas já aprovei lá!
Volte sempre!!!
Luciano Queiroz
Giulia disse…
Xiii, acho que todos nós estamos com problema nos blogs. Será um boicote geral? E ainda o blogger tá de gozação, veja as letrinhas que mandou eu copiar: "uaiay"! Aliás, peço desculpas ao Leandro, pois não consegui deletar as trocentas cópias do seu comentário...
Vera Vaz disse…
Calma, Xipó, eu farei isso... mas é só apertar a lixeira ... rs (isso pra vc naum me chamar de magica da internet rs)
Ricardo Rayol disse…
è realmente incrivel que os professores queiram que seus alunos sejam modelos de comportamneto
Mauro disse…
Ricardo,

Hoje em dia, ser criança é muito difícil. Nós lhes exigimos um comportamento ético, mas não lhes apresentamos nenhum modelo a seguir.
Giulia disse…
Mas é bem o que a Cremilda fala: hoje em dia você não pode mais pensar que "a educação só vem de casa". Meus filhos desaprenderam tudo o que a gente tentou orientar (e ainda por cima somos liberais, hehe), por conta das amizades, da mídia, da escola. Só agora, que são adultos, estão começando a valorizar aquilo que a gente deu de exemplo para eles, além dos longos papos, que eles interpretavam como "sermões". O mundo mudou muito: hoje ele é multifacetado, globalizado, e precisa ser visto de diversos ângulos. Mas o que nós exigimos da escola é o mínimo do mínimo: respeito.