Ignorância Global


Ainda sobre o assunto da semana - Rede Globo, a nova assessoria de imprensa do professor - faço questão de copiar na íntegra o texto do amigo Mauro Alves da Silva, pois é de uma objetividade e lógica ímpar (como quase sempre, rsrs).

A Rede Globo, maior rede de televisão do Brasil, parece que foi cooptada pelos sindicatos dos professores...
Na semana em que o Ministério da Educação propôs que os professores sejam avaliados regularmente ("MEC exigirá que professor seja avaliado", Folha Online, 04/04/2007), os meios de comunicação só falam no "coitadinho" do professor... que 80% deles sofrem violências nas escolas públicas... que vivem estressados... que vivem à beira de um ataque de nervos...
Mas não se viu ninguém falando sobre quem sofre as conseqüências do despreparo destes professores: as vítimas são nossas crianças. Por que será que nenhum repórter entrevistou as crianças que frequentemente sofrem violências físicas e morais por parte de seus professores? Será que algum repórter da TV Globo tem filho na escola pública? Será que os repórteres da TV Globo têm parentes fingindo que ensinam nas escolas públicas?
É a velha história: quem não tem filho na escola pública só ouve o lado dos professores... Quem tem filho na escola particular não tem interesse em que os alunos das escolas públicas aprendam... quanto mais analfabeto for o povo, menor a concorrência com os seus filhos que estudam nas escolas particulares...
A elite gananciosa vê as escolas públicas como um mero cabidão de empregos. A mesma escola pública que não serve para educar seus filhos serve para que seus filhos se "encostem" num emprego público que não sofre nenhum tipo de fiscalização nem de cobrança...
Não é raro encontrarmos professores batendo no peito e dizendo que são parentes de delegados de polícia, de promotores e de juízes... e que nada pode lhes acontecer...
A atitude da TV Globo certamente agradou ao corporativismo dos professores que só sabem reclamar do salário e alegar estresse quando alguém fala em cobranças de desempenho e de resultado... A atitude da TV Globo deve ter agradado aos reacionários que chamam os alunos das escolas públicas de marginais... A atitude da TV Globo deve ter agradado aos donos de escolas particulares...
Mas a atitude da TV Globo contribui para manter o Brasil em uma Ignorância Global, pois, neste mundo globalizado, a concorrência não é entre uma elite inculta e os pobres da periferia... No mundo globalizado, a concorrência é contra a China, a Índia e outros países que estão investindo na Educação e na re-avaliação de todo o sistema educacional.

A TV Globo prestaria um grande serviço à nação brasileira se fizesse uma reportagem sobre a citação do professor José Pacheco (fundador da Escola da Ponte, em Portugal):
"Como diria Lorraine Moureau, um terço dos professores é muito bom, um terço pode ficar bom, um terço deve mudar de profissão. Chamemos aos primeiros aquilo que são: professores. Designemos os segundos por quase-professores. Os outros serão... "os outros”. (artigo "Os 'outros'", Revista Educação, nº 117, janeiro de 2006)

PARABÉNS, MAURO, GRANDE LUCIDEZ!
Leia também a excelente análise da Professora Glória Reis, Ufa, até que enfim: professor, diretor e escola serão avaliados, no blog http://gloria.reis.blog.uol.com.br/

Comentários

david disse…
É muito mais fácil optar pelo lado que se faz representar.
Como as crianças não tem quem as represente....
Giulia disse…
Muito triste, pois na "teoria" e na lei elas estariam representadas por todos nós, através do ECA, o instrumento mais odiado pelos professores...
Ricardo Rayol disse…
Chutou bem onde dói...
Glória disse…
Giulia, e eles odeiam sem conhecer (duvido que haja um professor(a) que tenha lido o estatuto), só de saber que trata-se dos direitos das crianças e adolescentes, eles "odeiam"... Eu conto no meu livro de uma colega professora que dava muitas notas baixas e colocava comentários humilhantes no caderno dos alunos e eu lhe sugeri uma forma de que eles errassem menos para evitar aquele arraso que tanto prejudicava a auto-estima e a motivação. Ela deu de ombros e me respondeu que sua intenção era para o aluno "errar mesmo, para errar bastante". Ou seja, prazer em humilhar, em torturar. Alíás, li sobre uma pesquisa recentemente que cientistas descobriram, através de análise em cérebros, que o ato de torturar provoca prazer nos seres humanos. Torturam por prazer. Triste descoberta, mas, como sempre, a ciência aponta caminhos.
Frederico disse…
Giulinha, minha mulher tb é professora e lhe apoio (a ela e a vc) em tudo o que reinvindicar. :-)
Mauro disse…
"Quase sempre"??? (rs)

Só uma retificação: o artigo do professor José Pacheco está na Revista Educação nº 117 de janeiro de 2007 (e não 2006). O erro foi meu...
Vale a pena reproduzir o trecho final do artigo:
"Nos debates públicos, predomina a tendência "politicamente correcta" de ocultar a existência do que Lorraine Moureau designou pelo terço de professores que deve mudar de profissão. Pero que los hay, los hay... E serão, talvez, os maiores responsáveis pela degradação do estatuto da nobre profissão de professor e pela obsolescência da Escola."

É isso.