Comemoração

O blog da Cremilda está "comemorando" três anos desde a denúncia da agressão física e verbal de um aluno por um professor na EE Octacílio de Carvalho Lopes, em São Paulo. O professor chamou o aluno de "bicha" em plena sala de aula, o que deu início a uma investigação curiosíssima que culminou na inocentação do professor, pois os "laudos técnicos" das autoridades "competentes" concluíram que a expressão foi uma manifestação de afeto (!) do professor para com o aluno. Não precisamos dizer que isso foi durante a gestão... de quem mesmo?...

Somente os que não conhecem a rede pública por dentro duvidam da conclusão das autoridades. Eu mesma sou testemunha de uma cena parecida, em que uma professora chamou a classe inteira de "merda" e alegou ter usado a expressão como uma maneira de se aproximar dos adolescentes através de seu próprio linguajar...

O professor que agrediu fisica e verbalmente o aluno na EE Octacílio afastou-se dessa escola e foi promovido a coordenador pedagógico em outra unidade, dentro do princípio que a Cremilda chama de "lei da gravidade ao contrário": profissional da educação que agride aluno não é punido, ele costuma subir na hierarquia. A técnica é simples: o primeiro passo é "sumir" com o professor, coordenador pedagógico ou diretor. Ele sai "de licença médica" ou "de férias" e não aparece mais na escola. Quando ninguém mais lembra dele - pois é, a memória do brasileiro é curta... - ele reaparece em alguma outra unidade ou até numa diretoria ou gabinete, em um cargo quase sempre mais elevado. Este fenômeno também é compreensível: após o "estresse" que ele passou por agredir o aluno, ele recebe o apoio e a solidariedade da corporação, sempre pronta a responsabilizar a criança ou o adolescente por ter "provocado" o professor, tirando-o do sério. A manifestação concreta dessa atitude da classe "docente" está no Orkut Professoras assassinas, que foi proibido e mudou para Professores sofredores. Quem tiver estômago, que se aventure por aquelas bandas...

Parabéns à Cremilda e ao Mauro por acenderem uma velinha todo mês para "comemorar" esse caso típico de violação dos direitos dos alunos e da impunidade dos maus profissionais da educação.

Comentários

Ricardo Rayol disse…
O corporativismo nessa classe é realmente extraordinariamente ordinário. Parabéns a Cremilda.
Rosemeyre disse…
"O professor chamou o aluno de "bicha" em plena sala de aula"
Isso é caso de polícia
discriminação é crime e tem que ser processado.
Que coisa mais indecente, nunca vi nada igual.
si disse…
Ainda pouco estava lendo o Estatuto da Criança e do Adolescente e não sei como caí nesse blog. Perfeito! Meu filho essa semana sofreu ameaças de um professor, apenas pq quis saber o motivo de ter tirado nota zero em comportamento, essa nota varia de 0à 1,5, e o professor respondeu que deu aquela nota pq estava com vontade. Meu filho então questionou que não é faltoso, é cooperativo, participante e outras coisas mais, então o professor disse para que ele não enchesse o saco e o deixasse em paz. Meu filho nervoso, ligou para o pai que imediatamente foi à direção da escola e à coordenação. A cooordenadora chamou o professor na tentativa de uma conversa amigável. Quando o professor viu o meu filho gritou: P, vc outra vez! E na presença do pai e da coordenadora, disse q meu filho era vadio, não prestava atenção na aula, faltoso e por aí vai. Como a coordenadora conhece bem o comportamento do meu filho e sabia q tudo era mentira e não conseguiu convencer o prof., do erro cometido, abriu uma ocorrência, porém não sei até q ponto isso vai gerar uma punição administrativa. Estou resumindo, mas a coisa foi séria e a sorte é que tinha testemunha, caso contrário seria a palavra do tal prof. contra a do meu filho. Agora estou dispota a ir na Vara da Infância e da Adolescência e na Secretaria Estadual de Educação. Com certeza não vai sair barato!!! Meu nome é Simone, sou do RJ capital e meu filho estuda na Escola Técnica Estadual Ferreira Vianna, administrada pela FAETEC. Ah o nome do prof é Monfort e a disciplina é física.
Giulia disse…
Si, você não deixou seu e-mail para poder passar mais orientações. O nosso é educaforum@hotmail.com
Vá sim na Vara e leve a ocorrência para a Secretaria da Educação. Na dúvida, mande e-mail! Boa sorte e abraço.