Elas procuraram a mídia!


Ainda sobre o caso da aluna expulsa em São João da Boa Vista (leia todos os posts desde o dia 20 de abril): nós havíamos declarado que procuraríamos a imprensa se o assunto não fosse resolvido dentro da lei. Mas não o fizemos. Nunca tomamos medidas precipitadas, pois o que nos interessa é o diálogo e a boa convivência. Às vezes esse tipo de ameaça ajuda a agilizar procedimentos burocráticos, mas só apelamos para a mídia externa em casos extremos.

Ficamos então extremamente surpresos ao sabermos que no dia 05/05 o jornal O Município, de São João da Boa Vista, publicou uma matéria em que “educadoras” da EEPSG Padre Josué Silveira de Matos e o Conselho Tutelar declararam que o EducaFórum divulgou “mentiras” a respeito da escola. Ainda não recebemos cópia da matéria, mas pelo que nos foi relatado, as tais “educadoras” e conselheiras tutelares se sentiram “caluniadas” pelo que publicamos e declararam em alto e bom tom que a Lei Complementar 444, de 1985, permite a expulsão de alunos da escola.

O Município não nos procurou para ouvir o “outro lado”, como manda o bom jornalismo. Entretanto, mesmo sem termos em mãos a cópia do jornal, podemos afirmar:

Essas “educadoras” tiveram a coragem de expor a escola e os alunos a um escândalo desnecessário, colocando na mídia um assunto que precisa ser solucionado internamente. Quanto ao EducaFórum, é um site mantido por pais de alunos e visitado pela comunidade escolar, portanto não é um órgão público de imprensa. Essas “educadoras” e conselheiras tutelares não tiveram o mínimo escrúpulo em colocar “areia no ventilador”, apenas para defender seus mesquinhos interesses.

O mais grave é que essas “educadoras” e conselheiras tutelares desconhecem a Constituição Federal e o Estatuto da Criança e do Adolescente, posteriores à lei mencionada, que não permitem a expulsão de alunos da escola. A situação do Conselho Tutelar de São João da Boa Vista é extremamente grave, pois ele se negou a ajudar a família da aluna quando pediu a reintegração da menina à escola, e hoje está apoiando a transferência da mesma para outra unidade, mesmo sem provas de que ela tenha cometido qualquer deslize. Tão logo recebermos o exemplar do jornal, o encaminharemos ao Ministério Público, a fim de que o Conselho Tutelar seja notificado.

Essas “educadoras” e conselheiras tutelares estão agindo fora da lei e responderão por isso.

Comentários

David disse…
Eu tenho graves problemas quando determinadas situações chegam e esse extremo. Sou muito radical. Eu já teria ido até lá e dado um sopapo no cidadão que escreveu isso.
Esse é um dos motivos de muitas vezes preferir ficar de fora. Me conheço e sei que pioraria as coisas, mas nem Tai Chi Chuan me deixaria melhor.
Glória disse…
Conselho Tutelar apoiando expulsão de aluno é o cúmulo da inversão de suas funções, que são zelar pelo cumprimento dos direitos contidos no ECA. Para começar, caberia a eles "encaminhar ao Ministério Público" a expulsão da aluna, (conforme art. 136, IV da lei 8.069)sem esperar que a denúncia partisse do EducaFórum ou de qualquer cidadão. Caberia a eles, conselheiros, agir dentro das escolas, lutando pela permanência dos alunos e tendo a capacidade de "sentir" todas as artimanhas que elas usam para expulsar os "indesejáveis". Professores já têm todos do lado deles, sindicatos, imprensa, autoridades e a própria sociedade desinformada (e enganada), o único órgão que os alunos poderiam contar seria com o Conselho Tutelar, e eles aprontam essa... Sabe o que acontece? Eles também são subservientes às autoridades escolares, também morrem de medo delas, também vêem a instituição escolar como "sagrada"... E eu que ajudei a fundar este conselho em minha cidade, trabalhei nele como voluntária durante alguns anos, cheia de confiança que seria um divisor de águas na vida de nossas crianças excluídas, vejo que eles não sabem a que vieram. Lamentável!!!
Vera Vaz disse…
Calma, David! Tirar do sério é exatamente o jogo de quem não tem razão! Se mexem com adultos como nós dispostos ao diálogo imagine o que não podem manipular adolescentes explodindo em vivacidade!... Vamos pelo diálogo e pela razão pois nós sabemos que a LEI está do nosso lado e que aqui não caluniamos ninguém apenas mostramos e apoiamos crianças e adolescentes e suas famílias para que sejam respeitados, repito, dentro da LEI (já que se eu falar de afeto, de responsabilidade social, pedagogia, etc vão falar que são balelas de educador moderno,,,)Vamos aguardar o minuto de sensatez que há de chegar para essas pessoas, hoje enfurecidas por achar que perderam algum poder... Que bobagem! Quanta besteira pertubando a vida de uma família! Eu faço questão de continuar acreditando que o ser humano é capaz de se superar, reconhecer seus erros e agir com a inteligencia e sabedoria que parece estar faltando por hora a essas educadoras e conselheiras.
Fabiana disse…
Quando eu procurei o educafórum foi com a certeza de que lidava com pessoas integras e sensível ao problema de minha irmã, passei e passo todas as informações que me chegam de São João por telefone e e-mail aqui tem pessoas que estão acostumadas a lidar com essa corja toda e eu nem de longe imagina que fossem capazes de algo parecido...Quando eu pedi a minha mãe para procurar o conselho foi acreditando que iam nos ajudar na volta de minha irmã as aulas enquanto resolvíamos o problema e ela me liga dizendo que eles só ajudam crianças até 12 anos que é melhor tentarmos resolver na secretaria da educação de São João (ela já tinha procurado) que facada, que decepção.
Depois que o jornal o município publicou a matéria sem nos procurar ou ao educafórum para nos ouvir deixando de lado o caráter investigativo que cabe a um jornal sério (ou esse é um jornal de fofoca)?
Dei graças a Deus por estar morando bem longe de São João porque sei que tenho direitos e vou atrás deles, não tenho medo de me expor, vou atrás da verdade e não me submeto à mesquinharia só de pensar que se morasse lá poderia agir assim...Tem pessoas boas, mas que tem medo do que podem acontecer de ir de frente com essas pessoas que não medem força para intimidar.
Bom eu acho que indo de frente vou conseguir mostrar o que são na verdade e vamos conseguir ajudar outros alunos a não passar pela humilhação, a exposição e a perseguição pela qual tem passado minha irmã.
É preciso ter coragem e muita paciência, cuidado com o estado emocional de toda família e firmeza para chegar até o fim posso dizer que estou firme e não vou desistir.
Perder é dificil, saber perder com dignidade muito mais.Não se pode esperar dignidade de pessoas se juntam para violar a lei.Caso da Escola Josué Silveira de Matos em São João da Boa Vista SP. Nâo conseguiram transferir compulsórimente uma aluna.Estão tão acostumadas a desrespeitar a lei que não se conformaram.
Ficamos todos esperançosos com a mudança ocorrida na Secretaria De Educação de São Paulo.Esperamos ainda um mudança radical, uma limpeza.Ter um Chefe de Gabinete, que está empenhado em colocar nos trilhos uma Secretaria que está um frangalhos, mergulhada no fracsso total, é algo para se festejar.
Achamos que a Escola Pública tem jeito, no entanto sabemos que não é uma tarefa fácil.Sabemos que a Secretária não pode contar só com a coragem e a decencia de um Chefe de Gabinete, ela precisa se aliar a quem tem maior interesse que a escola seja de ótima qualidade, que são os pais.
O pessoal da escola se mobilizou e foi se queixar ao jornal O MUNICIPIO em São Joáo da Boa Vista.Não querem obedecer a lei.Estariam amparados pelo Ouvidor da Secretaria de Educação que recorreu até a uma lei anterior a Constituição para legalizar o abuso e a ilegalidade dessa escola.
Para esses pais que somaram com a escola e para o Jornal O MUNICIPIO de São João da Boa Vista a gente lembra o pensamento do grande Dr Paulo Gaudêncio.
"O verdadeiro inimigo nem é o estado opressor, é a faccção do oprimido que está do lado do opressor"
Conselho Tutelar se bandear para o lado da escola,não é novidade para nós.Ficar do lado do poder opressor, do lado do mais forte é mais cõmodo mesmo.Não é porque um Conselho Tutelar trabalha contra a criança e adolescente que vamos desconsiderar a instituição.
Giulia disse…
Cremilda, na declaração feita ao jornal, as "educadoras" citam textualmente a lei 444, portanto esse pessoal desconhece a Constituição e o ECA, independentemente de se apoiar na Ouvidoria. É óbvio que essa é uma pergunta que não quer calar: como tolerar um ouvidor que apóia a expulsão de alunos via Conselho de Escola?... As autoridades são tomadas como exemplo e modelo. Se elas pregam a ilegalidade, tudo desanda. Ainda não recebi o jornal em papel, só em formato eletrônico. Parece que as manchetes são tenebrosas. Tão logo o exemplar chegue, vamos poder entender melhor todos os envolvimentos. Enviamos diversos e-mails ao jornal perguntando porque não nos consultaram para ouvir o "outro lado", mas ninguém nos respondeu. Em cidade pequena (aliás, em qualquer lugar...)os meios de comunicação costumam pertencer aos poderosos. Será que O Município está mancomunado com essa turma?
Ricardo Rayol disse…
Baixa o cacete Giulia. Sem perdão.