Luto na educação


Esta semana estivemos ocupados com uma escola onde alunos estão sendo agredidos física e moralmente por professores, funcionários e diretores. É uma daquelas escolas que chamamos de “faroeste”, onde tudo é ao deus dará: profissionais relapsos e incompetentes, alunos tratados aos gritos e ameaças, clima de terror. A comunidade teme que a situação piore ainda mais, já que um aluno chegou a ser agredido por um profissional que não foi sequer advertido. Os poucos pais que têm a coragem de cobrar providências da direção são ameaçados e temem pela integridade de seus filhos.

Como já dissemos aqui muitas vezes, escolas desse tipo – quantas existem neste Brasil!!! – precisam de intervenção imediata, mas a nossa maior preocupação é preservar os pais e alunos que têm coragem de vir a público denunciar os fatos.

Infelizmente a mídia não dá nenhum apoio às famílias que ousam apontar as falhas da rede pública de ensino. Um exemplo típico é o editorial do jornal Agora São Paulo de 01/09, do qual reproduzimos um trechinho:

O professor, claro, é a vítima do sistema. Desprezado e ofendido, não agüenta o tranco. Os moleques fazem a festa.

Além da linguagem chula, parece que o editor do jornal andou freqüentando as reuniões da APEOESP, o sindicato mais rico do país e campeão em tirar professor da sala de aula. Aliás, ultimamente os meios de comunicação estão se esmerando em mostrar as situações em que professores são agredidos por alunos. Os sindicatos são extremamente rápidos e eficientes em divulgar esses casos. O contrário é muito raro, porque os pais evitam denunciar por medo de represálias...

O que a sociedade –falamos aqui dos formadores de opinião, cujos filhos estudam na rede particular – não sabe é que a verdadeira vítima da escola pública é o aluno. Ele não tem quem o represente, é agredido por adultos desequilibrados e desonestos, que ainda por cima cospem no prato em que comem, como se estivessem nos fazendo um favor ao “trabalhar” pelo salário que lhes pagamos. Para o mau professor e diretor, para aquele que distrata, xinga e agride o aluno, para aquele que não ensina nada além de ignorância e descaso, qualquer salário é muito!

Queremos manifestar nossa solidariedade aos pais que nos procuraram e que têm medo de denunciar fatos escabrosos para a Secretaria da Educação: senhores pais, muito pior do que agressões isoladas para seus filhos, é a MORDAÇA que esses maus funcionários da educação estão usando para taparem suas bocas. Acordem, pois a situação pode piorar e muito, se eles perceberem que vocês se acovardaram a ponto de deixar tudo como está. Com base em nossos quinze anos de experiência podemos afirmar que nenhuma Secretaria da Educação se atreve a ignorar denúncias fundamentadas na legislação. Nenhuma situação ruim perdura anos a fio, se houver uma ação positiva.

Senhores Pais, pensem bem no exemplo que querem dar para seus filhos: é de submissão e covardia? Ou querem que eles se tornem cidadãos conscientes de seus direitos e deveres?
Sabiam que um dos DEVERES do cidadão é não se omitir perante abusos e injustiças?

Coragem, senhores Pais, não se calem, ou será que poderão olhar para seus filhos de cabeça erguida?...

Comentários

Glória disse…
Cara Giulia, sei que a sua intenção é passar cidadania e, principalmente, coragem aos pais. Mas dizer que "Com base em nossos quinze anos de experiência podemos afirmar que nenhuma Secretaria da Educação se atreve a ignorar denúncias fundamentadas na legislação", não entendi,pois você sabe que é ao contrário: nenhuma secretaria de educação se atreve a enfrentar a corporação e, com isso, as denúncias são tratadas com total indiferença e desrespeito com os denunciantes. Vc não vê lá no blog da Cremilda, eles pelejando há quantos anos com o caso daquele professor que chamou o aluno de bicha além de agredi-lo dentro de sala, e a secretaria disse que "isso é normal". Amiga, a escola só vai mudar quando acabar a estabilidade dos professores e como isso não vai acabar nunca, vamos nós enxugando gelo nesta luta por nossos alunos da escola pública.
Giulia disse…
Glória, até alguns anos atrás isso era verdade. Mas, com a Internet, a situação mudou bastante para melhor. Desde 2005, quando este blog entrou no ar, nenhuma denúncia do EducaFórum ficou em branco. Apenas o garoto do ProUni desistiu antes que pudéssemos cobrar providências. Também a mãe de uma aluna tirou a filha da escola antes de ver os resultados. Isto é muito triste, porque a gente se empenha bastante e no fim as pessoas preferem recuar do que lutar. Os demais casos foram resolvidos, mesmo que sejam apenas casos isolados. É necessária uma estratégia muito ágil: enviar documentos à autoridade competente COM CÓPIA para as demais autoridades envolvidas, assim ninguém pode dizer que não sabe de nada. Tem funcionado, pode acreditar! Veja o caso da garota acusada de colocar fogo na lixeira da classe: deu muito trabalho, mas ela foi reintegrada à escola. Hoje já aprendemos a estratégia para que as coisas entrem nos eixos. A Internet é nossa maior aliada: antigamente a gente gastava um tempão batendo pernas e protocolando documentos que acabavam engavetados. Hoje a gente consegue informar, no mesmo dia, a Secretaria da Educação, o gabinete do Governador ou do Prefeito e o Ministério Público. E ainda coloca tudo no "ventilador" do blog. O caso relatado em 24/08 - Mais uma escola fechada, também já está resolvido. A promotoria chamou a mãe da aluna para a escola e hoje ela vai ser rematriculada. É preciso agir rapidamente e com documentos claros e consistentes. É por este motivo que a gente sempre publica o texto integral dos documentos, assim os pais podem copiá-los. Eu acho que vocês, em Leopoldina, precisam se apoiar em alguém de Belo Horizonte para dar mais força às denúncias. Nas capitais tudo fica mais fácil, pois existem muitas instâncias para recorrer. Veja a dica que a Cremilda te deu outro dia. Vá atrás! Grande abraço.
Santa disse…
Giulia querida,

Estou digitando mal ainda devido a cirurgia, mas hoje amanheci animada... Menos dor dor pela primeira vez. Saudades! Quero agradecer as visitas carinhosas que recebo lá no blog. Bjs
Anônimo disse…
Giulia,
Que bom encontrar alguém que possa compreender o tamanho da nossa preocupação, tenho enfrentado varios problemas na escola em que meus filhos estudam e não sei o que fazer,pois, não encontro apoio em lugar algum, recentemente meu filho junto com outros alunos foram constrangidos e interrogados,todos na mesma sala por uma funcionária. escrevi uma carta para a Diretora da Escola é sei que nada será feito com ela. Embora tenha ido conversar com a diretora pessoalmente e ela tenha dito que ja havia conversado com a funcionária. E quanto aos alunos que ao cometerem erros são punidos. É o sistema, se não mudar, nada mudará.
Abraços
Rosangela
Giulia disse…
Olá, Rosangela, me mande um e-mail informando seu endereço. Se você morar em São Paulo Capital, podemos agendar uma reunião na Secretaria da Educação. Não desista jamais da verdade e não deixe ninguém colocar mordaça nos seus filhos! Um abraço.
Giulia disse…
Ops, Rosangela, esqueci de informar o nosso e-mail: educaforum@hotmail.com. Também não fui clara ao pedir o seu endereço, é o e-mail, não o endereço de correio. Acho que hoje não é meu dia, rsrs.
Ricardo Rayol disse…
Uai, deixa eu ver se entendi, em escolas os professores agridem alunos e os pais não se unem e vão lá e os enchem de porrada? Coisa mais bizarra. Queria ver um deles fazer isso com minha filha, ô como eu queria.
David disse…
Eu fico um tempinho de nada fora e o caldo entorna?
Uma mãe em desacordo disse…
Radicalismo nunca resolveu nada!
E quando uma "filhinha do papai" diz pra um professor ou professora barbaridades que com certeza esse mesmo "papai" jamais a ensinou?
Como fica?
Mandar o professor "tomar no cu", falar que a professora "não tem medo de morrer", que ela ou ele (professor) precisa de "um pinto bem grande pra parar de viajar" nos alunos isso não é caso de encher "alguém de porrada" ?
Convenhamos, enquanto existirem pais radicais, existirão professores radicais, escolas radicais e de péssima qualidade, diga-se de passagem. E eu chego a acreditar que é isso que todos querem!
Uma lástima certos depoimentos...uma lástima!
Giulia disse…
"Mãe em desacordo", quanta amargura! Exigir que nossos filhos sejam tratados com respeito dentro da escola é ser radical? Aliás, aqui todos temos nome e sobrenome. Qual é o seu?
Uma mãe em desacordo disse…
Pois é...Giulia!
E o professor não merece ser tratado com respeito dentro da escola não?
Pelo andar da carruagem é que se percebe que vocês têm sim, que estar dentro das escolas, pra saberem exatamente o que se passa. Seja voluntária, trabalhe numa escola como eu faço e se decepcione não só com os professores, mas e também mais com os nossos "filhos queridos".
Sou mãe, mas não estou cega ao que nossos filhos também aprontam dentro da escola; em especial a escola pública, porque na particular eles são convidados a se retirarem.
Isso é amargura? Não. É pé no chão!
Eu, mãe, sou Luciana Hosseini.
São Paulo, Capital.
Giulia disse…
Olá, Luciana, não é bem assim. A escola particular toma muito cuidado antes de expulsar alunos, pois sem eles o negócio acaba...
"Nossos filhos queridos" sempre estudaram na rede pública e aprontaram tudo o que uma criança saudável faz. Mas na rede pública não se admitem crianças, o sistema exige robôs. E o mecanismo de expulsão é infalível.
Quanto a ser voluntária, isto é louvável mas não garante que você saiba o que acontece dentro de uma escola. Somente os pais que se atrevem a burlar a manipulação do conselho de escola e entram nele pela porta da frente é que descobrem o que se passa realmente dentro de uma escola pública. E seus filhos correm o risco de ser perseguidos, como é o caso da situação que nos deixou de luto. Acredite, Luciana, em 90% das escolas públicas a corporação manda e desmanda. Você, como voluntária, deve ser respeitada e adulada pela direção da escola, mas ái dos pais de alunos que se atrevem a apontar as falhas ou a cobrar providências...
Anônimo disse…
Luciana
Como você percebeu, não adianta postar idéias contrárias do blog.
Eles são assim só aceitam o que for crítica sobre escola.
Democracia passa longe.
Não querem resolver nada>>>só malhar.
Continue seu trabalho de voluntária, porque nós mães que realmente participamos da escola pública de nossos filhos é que sabemos a verdade.
Aqui Luciana se for fefender suas ídeias a favor da escola pública você será sempre hostilizada. Percebeu?
Ana Lúcia Buzon
São Paulo
Giulia disse…
Olá, Ana Lúcia, todos nós que fundamos o EducaFórum tivemos nossos filhos estudando na rede pública e nossas idéias são A FAVOR DA ESCOLA PÚBLICA. Somos apenas contra a má gestão, a má vontade e a má fé dos maus profissionais da educação, desde aqueles que se encostam nos gabinetes até aqueles que atiram apagador e sapato nas costas dos nossos filhos. Ou você acha que esse tipo de comportamento é aceitável? Na rede particular esses funcionários são dispensados, na pública chegam a ser promovidos.
"Nós mães que realmente participamos da escola pública de nossos filhos" sabemos a verdade, sim. Quais são as "idéias contrárias ao blog"? Vocês nunca leram aqui os rasgados elogios aos bons educadores e aos modelos de escola pública que dão certo? Ou vocês só gostam de ler notícia ruim? Infelizmente as ruins são muito mais freqüentes e nós não vamos tapar o sol com a peneira. Democracia é exatamente isto que fazemos aqui: discutir assuntos com educação e espírito crítico, sem cair no lugar comum. Pra ficar em "conversa de comadre", basta freqüentar a maioria dos conselhos de escola, manipulados a bel prazer. Luciana e Ana Lúcia, vocês participam do Conselho da escola de seus filhos? A eleição foi bem divulgada, com antecedência? As atas são redigidas com competência e honestidade?
Luciana Hosseini disse…
Pelo que vejo, a democracia aqui é assim... "Professor na berlinda" e salve-se quem puder...
Acredito que a Ana Lúcia tem razão...Muita falácia...pouca mão na massa.
Não serei hostilizada não! Imagine!
Dizer que professor não lê e nem gosta de ler, isso é democrático?
Dizer que professor é protegido pela estabilidade? Coisa de leigo mesmo...
Depois, as mães e pais desse "Educaforum" que vêem de outra forma são tratados de comadres e compadres...
Ah! Que coisa triste!
Será que devo continuar malhando em ferro frio?
Giulia disse…
Luciana, democracia é exatamente isto: liberdade de expressão. Aqui você tem voz, porque se identificou. Anônimos são sumariamente deletados. Mas gostaria que lesse com mais atenção e menos paixão. Eu escrevi que "a maioria dos professores não lê nem gosta de ler". Isso não tem nada a ver com democracia. É fato. Você já deu uma expiada nas comunidades de professores no orkut? A maioria das mensagens são mal escritas e não têm conteúdo, bem coisa de quem não tem o hábito de ler e tem dificuldade em articular seus pensamentos.
Quanto a colocar a mão na massa, isso é outro departamento. Todas as cartas dirigidas às autoridades que você lê aqui no blog são apenas a ponta do iceberg do nosso trabalho. Por trás delas existem horas e horas de comunicação com os pais que nos procuram, estudo da legislação para buscar os instrumentos legais mais adequados e muitas vezes visitas ao Ministério Público. Ufa!
Mas você não respondeu sobre minhas colocações a respeito de Conselho de Escola. Ou você não é mãe de aluno da rede pública?...
Luciana Hosseini disse…
Claro que tenho filhos na rede pública.
E não "espiei" nenhuma comunidade de professores no orkut. Meu objetivo aqui, não é esse!
Esteja certa disso!
Anônimo disse…
Eu, Ana Lúcia não participo somente do Conselho de Escola não, isso para mim é pouco.
Faço parte também do Conselho fiscal da APM.
Tudo muito bem divulgado, com atas, relatórios e publicação no Mural dos pais.
Isso mesmo tem mural dos pais na escola PÚBLICA de meus 2 filhos.
Lá o que nos faz sofrer são "parideiras" , ou seja, mães que só dão a luz e não cuidam de seus filhos,mas são as prinmeiras a reclamar e as últimas a participar
Como nossa sociedade reclama e pouco faz.
ANA LÚCIA BUZON
Luciana Hosseini disse…
Aê Ana Lúcia!!!
Arrebentou!!!!
Fabiana disse…
Eu participo de um conselho de escola que à mais pura faixada. Não nos é mostrado nenhum tipo de balancete,não nos é mostrado notas fiscais.A diretora chega em reunião de conselho diz que chegou uma verba precisa fazer algumas reformas na unidade escolar, fala pra nós aprovarmos,quando vamos ver sem aprovação já está fazendo.
Eu e mais outras mães ajudavamos na limpeza da unidade escolar, quando começamos a ver e questionar coisas erradas fomos convidadas a nos retirar.
Giulia disse…
As últimas mensagens mostram como pode ser diferente a realidade dentro de duas escolas públicas. Por isso mesmo não dá para generalizar. Cada caso é um caso.
Luciana Hosseini disse…
Olha...isso muito me preocupa!
Giulia...Leia, por favor "Cada caso não é um caso".
Depois, quem sabe possamos voltar a argumentar...

Luciana Hosseini
Giulia disse…
Luciana, não entendi. Você quer generalizar? Se vocês ficaram com a impressão de que deixamos o professor "na berlinda", é que não leram com atenção este blog. Nosso objetivo aqui é discutir com educação e argumentos consistentes. Por outro lado, nós do EducaFórum é que ficamos com a impressão de que vocês deixam os pais "na berlinda". Queremos voltar a argumentar, sim, mas com casos concretos e argumentos lógicos.
Vocês leram o comentário da Fabiana? A Fabiana é nossa conhecida e sabemos em que escola os filhos dela estudam. Em qual escola estudam os filhos de vocês? Não é uma provocação, é uma simples pergunta, pois nós aqui temos coragem de nos expor, colocamos nossa cara para bater e não queremos perder tempo com quem gosta de criar tumulto. Vocês poderiam muito bem ser sindicalistas disfarçadas de mães. Isto já ocorreu aqui! Por isto, se quiserem continuar a discutir, por favor, identifiquem-se. Se não quiserem divulgar publicamente o nome da escola de seus filhos, podem informar por e-mail. Só depois vamos continuar a conversar, ok?
Luciana Hosseini disse…
E vocês temem aos sindicalistas? Por quê?
Os sindicatos são formados por pessoas da categoria a qual representam, eleitos por essas mesmas pessoas.
Cada dia é uma surpresa por aqui.
Acho que cansei.
Malhar em ferro frio não dá mesmo!

Luciana Hosseini
Giulia disse…
Luciana, ou você é muito ingênua ou você é mesmo alguém disfarçado de mãe de aluno! Não se trata de temer ou não sindicalistas, embora a minha experiência com essa laia vá muito além dessa definição estilo "wikipedia" que você deu.
Eu escrevi no comentário anterior que já houve casos de sindicalistas tentando tumultuar o blog, fingindo-se de meros leitores. Você é então a favor da falsidade ideológica?
Anônimo disse…
Olá e Adeus
Era para me identificar.... Identifiquei-me.
Agora querem o nome da escola dos meus filhos?
Logo vão querer cpf, rg, cartão de crédito, conta bancária.
Data venia, só valem as opiniões a favor.
ADEUs
Ana Lucia Buzon