Pobre Quintana!


Eu não sou formada em nada, aliás, nem estudei português - minha língua "filial", hehe - mas gosto de ler e tenho aquela "ondinha da dúvida" que os neurolingüistas descobriram (N400?), então de vez em quando me deparo com textos de autoria duvidosa na net. Leia este, atribuído a Mário Quintana, o "campeão" dos textos falsos que circulam por aí: http://reginamilone.blogspot.com/2007/11/mrio-quintana.html A professora Regina Milone foi atrás da verdadeira autoria, descobriu que o texto é da professora Renata Villela e que data de 1990. Agora veja o absurdo: o Senado Federal publicou esse texto no folder de divulgação do Dia Nacional de Valorização da Pessoa com Deficiência. A autora do texto enviou uma mensagem para o senador Flávio Arns, autor do projeto, para esclarecer que o texto não era de Mário Quintana e aliás declarou: "Não entendo como alguém pode atribuir algo tão amador ao grande Mário Quintana." Mesmo assim, o erro não foi corrigido!

Este caso é mais uma prova da ignorância, da falta de confiabilidade da nossa classe política e da piada que se tornou o Senado Federal!

Comentários

Walter Carrilho disse…
o Quintana está colado no Jabor e no Veríssimo, outros que são falsamente responsáveis por um monte de textos. Que mania irritante, não?
Patrícia disse…
Não sei o porquê de tanta surpresa???
Vindo de quem vem...rsrs
Giulia disse…
É verdade, Carrilho! Acabei de receber um Veríssimo "autêntico", rsrs. Mas não é mania, não, é ignorância mesmo, coisa de quem não conhece. Aliás, hoje em dia ninguém lê textos originais e se um livro for adaptado para filme, pronto: a pessoa já vai tomando alhos por bugalhos e contando a história. Começa na escola que manda ler resumos...
Mas você não acha que é um vexame "autoridades" trocarem gato por lebre?
Regina Milone disse…
Giulia,
Às vezes por ingenuidade, outras por ignorância mesmo (não tenho vergonha de admitir isso, já que todos somos ignorantes em algumas coisas), acabo repassando textos, via net, que recebi com a autoria errada.
No caso deste, falsamente atribuido ao Mário Quintana, fui alertada e consertei o erro, no meu blog (obrigada por citá-lo, Giulia!).
Tenho tentado checar primeiro o que recebo, agora, antes de postar algo.
E concordo que foi um vexame autoridades trocarem gato por lebre sim!
Fico agradecida quando me corrigem, pois quero ser justa e melhorar sempre - o que, aliás, tento fazer como educadora também (não é blá blá blá).
Beijos pra vc, Giulia...