Adélia Prado fala da escola

Escola é uma coisa sarnenta... Escuta quem tenha ouvidos: os meninos do Brasil fenecem entre retórica, montanhas de papel e MEDO. Onde é que tem um mestre no Brasil pra que eu lhe beije as mãos?

Esse depoimento da Adélia Prado já foi publicado neste blog N vezes e continuará sendo divulgado sempre que ele fizer sentido, diante das denúncias que recebemos. Hoje acompanhamos novamente as mães de alunos da EMEF Imperatriz Dona Amélia à Secretaria Municipal da Educação, para que elas prestassem depoimento à comissão de apuração "preliminar" das denúncias protocoladas no dia 08/10. A mãe do garoto perseguido pela professora de matemática, que entregou à escola a carta publicada no último post, perguntou à comissão se ela teria o direito de assistir as aulas. Ela recebeu a seguinte resposta: "Direito a Sra. tem, mas se a diretora não permitir, nós da Secretaria não podemos fazer nada". Tentamos falar com o Secretário da Educação, Sr. Alexandre Schneider, para ele nos confirmar essa informação, mas ele estava em reunião com a própria secretária, Sra. Cláudia, que também não pôde nos atender, já que estava em reunião com o próprio Secretário...
Detalhe: a reunião da comissão foi ao lado da sala do Secretário. Nós estávamos lá, mas não fomos atendidos.

Comentários

Aiach disse…
E VOCÊS ACREDITARAM NESSA PATAQUADA DE REUNIÃO? RSRSRSRS
GIULIA, TÁ NA CARA QUE ELES ESTÃO FUGINDO, AFINAL É VERGONHOSO NÃO TER JUSTIFICATIVA PARA DAR, PRINCIPALMENTE, QUANDO SE TEM POR OBRIGAÇÃO DE SE DAR UMA JUSTIFICATIVA.

ELEIÇÃO TÁ AÍ!
Giulia disse…
Aiach, se eles estivessem fugindo seria um bom sinal, de que estariam acuados ou que, no mínimo, teriam um pingo de vergonha na cara. Mas não: é descaso mesmo, falta de caráter! Nenhum dos nossos documentos foi respondido, muito menos esse último, em que pedimos para marcar uma reunião e dissemos que se não houvesse agendamento iríamos aparecer por lá.