Professor não é coitado!


Ainda sobre o artigo de Gustavo Ioschpe publicado na Veja em 07/12/07 e comentado no post http://educaforum.blogspot.com/2007/12/o-coitadismo-do-professor.html, leia as mensagens dos professores Sandra Lúcia Delfim e Anderson Paulino de Souza, publicadas hoje no site da Veja. Professores como esses e muitos outros que temos a honra de receber neste blog dignificam a profissão e mostram uma luz no final do túnel.
A leitora Renata mostra também um viés interessante dessa questão polêmica que finalmente está vindo a público: "O fator mais preocupante que não foi mencionado pelo autor do texto é o seguinte: os profissionais que opinaram são os que ainda buscam um mínimo de leitura e se posicionam.Há ainda os que sequer têm acesso ás informações ou não lhes interessa participar de qualquer debate esclarecedor, por não ter paixão pelas idéias. Sim. Esses "professores " existem. São aqueles que vêem na profissão apenas uma forma de sustento material."

Comentário da professora Sandra Lúcia Delfim:
Caro Gustavo,
Tenho lido e acompanhado seus artigos sobre o assunto. Confesso havia tempo esperava que alguém trouxesse o assunto à baila. Seu artigo foi de uma perfeição sem precedentes. Não havia lido nada tão contundente e verdadeiro. Por ser professora há tantos anos, tenho tentado convencer os meus colegas de que o problema está na formação, postura e condução das atividades que "juramos" seguir. Enquanto não houver uma revolução na preparação dos Professores, não vai adiantar nada avaliar e constatar que estamos sempre nos últimos lugares. O problema sempre foi e vai continuar a ser o Professor que faz de conta que trabalha, que é um pobre coitado mas que, no fundo, não tem nenhum compromisso com a sala de aula e, consequentemente, com os alunos. É óbvio que fatores como salário, segurança e estrutura interferem, mas nada é mais danoso para a Educação do que a má vontade e a falta de interesse pela escola de um profissional sem compromisso com sua responsabilidade. Parabéns!

Comentário do professor Anderson Paulino de Souza:
Considero o texto muito feliz e bastante adequado. No geral, nós professores continuamos insistindo na contradição de criticar os outros e odiar ser criticado por quem quer que seja. Sem falar que nossas críticas estão geralmente baseadas em puro sentimento e raramente fundamentadas e razoavelmente bem argumentadas. Muito obrigado Prof. Ioschpe, espero que continue a "implicar" conosco, a instigar reflexões... a vida numa democracia implica conviver com as idéias diferentes.

Comentários

apoiofraterno disse…
Giulia, eu era adepto da filosofia "professor-coitado", mas depois de frequentar o seu blogue mudei de opinião. Nem todo professor é taõ coitado assim... e to começando a achar que a grande maioria não é mesmo.

UM FELIZ 2008, minha amiga.
Giulia disse…
Mário querido, feliz 2008 para ti também! O coitadismo é uma das pragas que impedem o progresso do país. As pessoas sentam-se para chorar e não enxergam as soluções à sua frente. A mais simples é arregaçar as mangas, agir, trabalhar...
Glória disse…
Giulia, agora temos mais uma tese para o nosso fracasso educacional. Está no O Globo de hoje (sábado, 5/1), do economista Rubem de Freitas Novaes. Ele disse que os nossos estudantes (pobres, é óbvio) sofrem de "deficiência mental" e, por isso, não aprendem. Aliás, não é novidade, os professores já dizem isso há muito tempo (é só dar uma olhada na comunidade deles no Orkut...). O absurdo é um jornal como o Globo publicar uma barbaridade dessa. Os "coitados' vão bater palmas e se sentirem mais coitados ainda.
Maravilha os comentários dos professores que vc publicou. Ah, se pelo menos uma grande parte fosse assim...
Giulia disse…
Quem ainda não conhece a professora Glória Reis, vale a pena visitar seu blog (link ao lado). Ela foi muito feliz ao encontrar uma matéria que mostra o envolvimento do economista Rubem de Freitas Novaes no affair Salvatore Cacciola, vendendo informações financeiras privilegiadas no mercado. Esse mesmo economista vem agora com a teoria nazista da deficiência mental dos nossos jovens, defendida por muitos professores. Gente "esperta" como esse economista precisa ser desmascarada a tempo, antes de emplacar suas teorias com a ajuda da mídia. Adorei a mensgem que a Glória enviou ao economista:
"Realmente, Sr. Rubem de Freitas Novaes, vender informações privilegiadas, lesando a economia do país, acentuando a desigualdade social, que empobrece mais a nossa população causando mais desestruturação familiar, exige muita "capacidade intelectual" com "aprendizados mais complexos" que nossos estudantes empobrecidos, certamente, não têm. Graças a Deus!"

Mais uma vez, Glória, muito obrigado por sua lucidez!
Ah! A Glória foi a primeira professora do país a divulgar a perversidade da "nossa" classe docente, com seu livro "Escola, instituição da tortura".
Anderson Paulino disse…
Fico feliz em encontrar pessoas que pensam e acreditam na escola pública de qualidade PARA TODOS. Sou diretor de uma escola pública no município do RJ. Adorei conhecer o Educaforum e vou tentar divulgá-lo por aqui. Quem sabe um dia, teremos aqui no RJ algo semelhante!
Giulia disse…
Caro Anderson, nós é que ficamos felizes por conhecê-lo! O EducaFórum é hoje um espaço essencialmente virtual e abrange praticamente o país inteiro, pois recebemos mensagens dos quatro cantos do Brasil. Nosso grupo nasceu em São Paulo, é verdade. Antigamente, a gente se reunia na Câmara Municipal ou na Assembléia Legislativa e ficava "pentelhando" as Comissões de Educação. Os resultados eram mínimos, pois vereadores e deputados são MUITO SEM VERGONHA!!! Falo isto de boca cheia, pois até hoje não conheci nenhum que fosse completamente confiável. O sistema partidário está podre nas bases! Depois que começamos a agir na Internet, as coisas foram mudando para melhor, você acredita? A técnica de mandar e-mail para uma autoridade com cópia para todas as demais envolvidas e PUBLICAR O TEXTO NO BLOG funciona! No mínimo, ninguém pode alegar que não recebeu, o que acontecia antigamente. A gente ficava protocolando documentos e mais documentos que caiam no "buraco negro". Hoje a gente percebe um "rebuliço" já no dia seguinte ao envio, principalmente quando reclamamos da expulsão de alunos, da falta de vagas em escolas ou da perseguição de algum aluno. Os próprios pais de alunos nos informam da repercussão dentro das escolas. Muitos casos se resolvem com facilidade e quando as coisas se complicam a gente pede a ajuda da mídia. Hoje, esse primeiro grupo que começou junto há mais de quinze anos continua unido virtualmente e alguns criaram seus próprios blogs e sites. Leia o texto "A escola esquizofrênica" e no final vai encontrar os dados e os links dos componentes deste nosso grupo. Entre nós costumamos nos apelidar de "educochatos", uma expressão que nos cabe como uma luva. Para mim, pessoalmente, é um enorme prazer perceber que o grupo não se desuniu, aliás ganhou forças com a Internet. Finalmente, o nosso trabalho está dando frutos, embora sempre muito menores do que gostaríamos. Afinal, nosso desejo não é "quebrar o pau", mas ver resultados positivos na escola dos nossos filhos. Aliás, você que é do Rio de Janeiro, saiba que valorizamos muito e já publicamos diversos posts sobre o CIEP de Trajano de Morais, exemplo vivo de que uma escola pública de qualidade PARA TODOS é possível com recursos mínimos. Um grande abraço e continue com a gente!
Leandro disse…
Embora críticas muitas vezes machuquem, elas apontam para aqueles nossos erros que costumam passar batidos. Ao menos para aqueles que procuram encontrar os próprios erros.
Elogios também ajudam a demarcar o caminho, é claro, mas isso é fácil de "suportar", né? Duro é ter que admitir o próprio lado escuro...
Rafaela Cursso de Pedagogia UnC 1º fase disse…
A comunidade e muitos professores, fazem do trabalho de um professor um trabalho escravo. Onde ele teria que cumprir horários e aguentar certos desaforos sem ser reconhecido e pago devidamente. E o texto "Professor não é coitado" mostra as qualidades de ser um professor, e que professores hoje em dia são bem compensados e a profissão é um previlégio. No meio de tantas reclamações na mídia sobre o trabalho é importante a todos o conteúdo que o texto contém, pois mostra o verdadeiro dia a dia de um professor.
jenifer e Deysi disse…
devemos fazer a diferença para que nossos filhos possam desfrutar de uma educaçao de qualidadee que para ensinar e aprender so basta se dedicar e se eles estam fazendo o que gostam realmente, o resto nao tem valor nenhum,para que tenhamos bom desempenho nas escolas precisamos trazer as novas geraçoes de educadores que sera eu e as minhas colegas de faculdade da 1 fase de pedagogia da UNc de Canoinhas.
Crislei e Veroni - UnC - Pedagogia 1ª fase disse…
O texto faz com que possamos perceber que o professor não é coitado, pois cada um tem que correr atrás de valorização, respeito, melhor salário, melhores condições,só falta na verdade se impor, capacidade e estudo não lhes falta.
Nenhum lugar, nenhum emprego, nada é bom se não for o que amamos e tivermos dom para exercer a profissão.
Jussimara 1° fase de Pedagogia UnC Canoinhas disse…
No contexto "professor não é coitado" é relatado a realidade do professor...o professor no seu dia-a-dia lutando muitas vezes para uma educação significativa para o futuro e para as novas gerações!
O professor brasileiro é sim um "herói". Pois ensina e batalha por uma educação de qualidade...
Ana Carla,Solange. UnC - Curso Pedagogia 1ª Fase disse…
O Professor brasileiro é um heroi,so pelo simples fato de ter a vontade de passar adiante tudo aquilo de bom que aprendeu,ele procura cada vez mais estar inivando para sempre ser um bom educador...
Todo mundo diz que a carreira de professor é um inferno,porque sera que falam isso?Muitas são as pessoas que não tem noção das coisas,na realidade a carreira de professor é bem difernte da imagem que os outros vêem.
É verdade que o professor brasileiro tem um salário absoluto baixo o que explica pelo fato de ele ser brasileiro,não professor somos um país pobre,com uma massa salárial baixa.
Apesar de todos esses dados estarem amplamente disponíveis,pendura visão de que o PROFESSOR é um "COITADO HEROI"...
ALISSON 1ª FASE CURSO PEDAGAGIA disse…
TODOS BRASIL MAL MUITO PRECISA POR QUE NADA GOVERNO.
ESCOLA TODOS BOM PRECISA TRABALHO SALARIO PAPEL BOM PROFESSOR MAIS DINHEIRO.
IDÉIA TODOS PRECISA BOM ALUNAS.
ALISSON CARVALHO
ALUNO SURDO
UnC - UNIVERSIDADE DO CONTESTADO DE CANOINHAS.
1ªFASE CURSO PEDAGOGIA
ANGELA E SCHEILA 1 FASE PEDAGOGIA-UNC disse…
Os proprios profissionais de educa�ao n�o est�o se valorizando.
Chegou a hora de mostrar que PROFESSOR N�O � COITADO.
Vamos l� somos pe�as fundamentais na educa�o, temos orgulho da profiss�o que escolhemos.
Juliana e Lilian disse…
Professor não é coitado mas sim um batalhador,apesar das dificuldades e obistaculos da vida, onde o professor é muitas vezes criticado e desvalorisado pela sociedade. O professor capacitado e com disposição em renovar seus conhecimentos pode mudar este conceito.
Juliana e Lilian disse…
Professor não é coitado mas sim um batalhador,apesar das dificuldades e obistaculos da vida, onde o professor é muitas vezes criticado e desvalorisado pela sociedade. O professor capacitado e com disposição em renovar seus conhecimentos pode mudar este conceito.
Anônimo disse…
Professor é um coitado sim desvalorizado não tem aumento só fazendo greve que hoje em dia não adianta mais. Sou professora desde 1996, tudo sobe e o salário alguns vinténs, eu sou pós graduada e o que gastei dificilmente terei retorno com esse salário. E mais não me incomodo muito nas aulas que ministro. mas o que dá para notar que os alunos no geral vão a aula para socializar e não para estudar e aprender. O professor tenta ensinar mas a maioria dos alunos não se interessam em aprender.

Postagens mais visitadas deste blog

A expulsão é legal?

Escola pública ou particular. Qual a sua opção?...

Respeito ao aluno, 3ª Parte. A expulsão da escola