Falando em Pegar Pesado: Que tal dona Eliandra jogar seu diploma de jornalista no lixo e tocar fogo?


Esta foi a matéria da jornalista Eliandra Barbosa, publicada no Jornal O Município de São João da Boa Vista, no dia 5 de maio de 2007
*Os grifos em marrom são nossos



Escola Padre Josué é exposta na internet

05/05/07

ELIANDRA BARBOSA
eliandra@omunicipio.jor.br

Esta semana pais de estudantes, alunos, professores e funcionários da Escola Estadual Padre Josué Silveira de Mattos, juntamente com o Conselho Tutelar, procuraram a redação do jornal O MUNICÍPIO para prestar esclarecimentos diante de falsas acusações publicadas on line, por meio da rede digital, nos sites http://educaforum.blogspot.com e www.webamigos.net/educaforum.

Segundo a coordenadora da escola, Geisa Peral Gimenes, e as professoras Vaneska Blaschk e Eloísa Helena Ribeiro, diante de um ato indisciplinar de natureza grave, praticado por um aluno daquela escola de atear fogo na sala de aula, a Unidade Escolar, por meio do seu Conselho de Escola, tomou algumas providências necessárias. “Não medimos esforços para averiguar, apurar, esclarecer e tomar as medidas disciplinares cabíveis, de acordo com a lei, sem perder o profissionalismo e o respeito a todos os envolvidos”, relata Geisa. (*quem não conhece a lei não poderia estar no comando de uma escola tratando com adolescentes)

Depois desse episódio, a escola passou a sofrer “calúnias” pela internet. (* as calunias a que se refere é a nossa defesa dos direitos da aluna de se defender!) E, segundo elas, os fatos citados pelos referidos sites não correspondem à realidade. “Os episódios foram baseados apenas sob a perspectiva e depoimento de pessoas que desconhecem os trâmites operacionais que regem a instituição escolar, bem como a legislação vigente, mais especificamente a do Conselho de Escola, através da Lei Complementar 444/85 - artigo 95, Comunicado SE de 31/03/86, Comunicado SE de 10/03/93, Parecer CEE n° 67/98 - Normas Regimentais Básicas, artigos 16 a 19 e Resolução SE n° 41 de 18/03/02”.

Ela acrescenta que, para os funcionários daquele colégio, os referidos sites ainda caluniam a diretora da instituição e, não bastasse, o ataque à Unidade Escolar e Diretoria de Ensino. “Outras publicações nos referidos sites vêm afrontar de forma mais direta o Governo do Estado de São Paulo, através de sua Ouvidoria Pública, bem como, o Conselho Tutelar de São João, no caso em questão”.

DISTORÇÕES

Os profissionais (profissionais???...rs) da escola esclarecem que estas são apenas algumas das distorções, calúnias e difamações que não só o colégio vem sendo indevidamente acusado nos últimos dias. “Poderíamos continuar enumerando todos os outros registros de acusações e, com certeza, defendendo-nos de todos eles, pois em nenhum momento estivemos em desacordo com a legislação vigente, dentro dos princípios da legalidade, da impessoalidade, da moralidade, da publicidade, da eficiência e de outros princípios que regem e orientam as escolas públicas do Estado de São Paulo”, comenta Vaneska.

Conforme ela disse, tais procedimentos fazem-se desnecessários, pois as próprias leituras das acusações já apontam para pessoas que certamente desconhecem a legislação que rege o Conselho de Escola, os trâmites legais de uma instituição escolar pública e outras instituições da administração estadual. “Além da seriedade e requisitos necessários para investidura de cargo público, fazendo com que os profissionais que nela atuam sejam pessoas que atendam às exigências legais para ocupar profissionalmente e competentemente os espaços a que foram destinados”.

INDIGNAÇÃO
A profissional destaca que convém, ainda, que inviabilizados de seguir os procedimentos legais para impedir a reunião do Conselho de Escola pela simples falta de argumentos, provas ou legislação que os ampare, foram utilizados meios sensacionalistas e irresponsáveis. “Eles utilizaram os meios midiáticos, imediatistas e de massa, no caso em questão a internet, para tentar inverter os acontecimentos e distorcer os fatos”, revela Eloísa.

Ela acrescenta que se acredita, porém, que quando amparados pela legislação, devidamente documentados, visando à ação educativa preferencialmente em relação ao ato de simplesmente punir nada se pode temer. “Mesmo estando diante de situações nunca vivenciadas anteriormente”.
“Assim sendo, sentimos a necessidade de tornar público nosso sentimento de indignação diante de tal situação, com a única finalidade de somar esforços visando mudanças positivas na sociedade, na qualidade de ensino e no futuro promissor de nossos jovens”, finaliza Eloísa.
__________________________Fim____________________________________________________

(*indignados estávamos nós! E continuamos indignados com a cara de pau desse povo de ainda se manter na direção de uma escola e de jornalistas como esta ainda terem coragem de escrever uma linha em um jornal!)

__________________________________________________________

Cansamos de pedir à jornalista em questão um simples direito: o de expor a nossa versão dos fatos o que nos foi sempre negado!!!!!!!!!!!

E agora, Dona Eliandra Barbosa??????????????? Quem fazia falsas acusações??????? Porque se negou a nos ouvir e a ouvir a versão da menina? Porque deixou que pessoas que lutam sem interesse e com responsabilidade pela melhoria das escolas (são poucas as que se dispõe a isso, sabia?) ficassem sem voz no seu jornal ????

Quantos e-mails nossos encaminhou para a lixeira? Pois é lá que devia jogar seu diploma!

Vai finalmente publicar a verdade sobre este fato ou vai levar pra toda vida ligada ao seu nome e ao seu jornal essa vergonhosa falta de profissionalismo e de espírito de imparcialidade que todo bom jornalismo deve ter perante fatos como estes que envolvem:

- a vida de uma adolescente,

- um blog determinado e responsável, que visa melhorar a Educação no meu ,no seu, no nosso país,

- toda uma família e uma mãe doente com sérios problemas agravados pelas denúncias,

- muitas crianças e adolescentes que estão sob a guarda dessas pessoas incautas que se dizem "Educadoras" que você fez questão de defender e preservar a imagem

Se tiver um pingo de vergonha na cara escreva um artigo maior e mais chamativo para negar as afirmações que publicou para dizer o que realmente este blog aqui busca, que é respeito, dignidade e profissionalismo no cuidar de nossas crianças e adolescentes dentro da instituição escola ou pode jogar no lixo o seu diploma de jornalista juntamente com a matéria e o jornal que a publicou!

Contem até onde foi a "falta de limites" da diretora do colégio (já que elas adoram falar disso), de sua cooordenadora Geisa Peral Gimenes, e as professoras Vaneska Blaschk e Eloísa Helena Ribeiro e no que transformaram o Conselho de Escola - que foi criado para melhorar as condições dos alunos e não para ser um Tribunal de Exceção para julgá-los e prejudicá-los!!!!!!!!

Estamos esperando a retratação! Vamos ansiosamente contar os dias que isso vai demorar para acontecer!

Resta o consolo de termos como meio de propagação da verdade a Internet. Aqui se pode fazer a defesa de pessoas sem voz pela imprensa ligada sabe-se lá a qual interesses ou se puramente ignorante inclusive de seu papel e de seu compromisso com a verdade e com a cidadania.
E assim cada vez que seu nome "Eliandra Barbosa" e o de seu jornal "O Município" de São João da Boa Vista forem colocados para serem pesquisados nas páginas de busca do Google aparecerá uma parte de sua história e de seu desempenho enquanto jornalista e meio de comunicação para constar no seu "belo" currículo!
Mas o que interessa mesmo é que mais pessoas se conscientizem que papel de EDUCADOR é EDUCAR, que a escola tem que ser PEDAGOGICA E ETICAMENTE CORRETA com TODOS os seus alunos, que expulsão é ILEGAL, que Conselho de Escola não é Tribunal de Exceção, que os alunos devem ser ouvidos, que a imprensa tem que ouvir todos os lados de uma história!!!!
E que fique como exemplo a coragem dessa menina (vocês já pensaram que força ela teve que ter pra enfrentar essas feras todos esses meses diariamente?) de não se curvar perante incompetência e à injustiça dos mais fortes que caiu sobre ela! Vale sempre a pena denunciar e resistir pois só assim vamos poder ter ñossa cidadania garantida!


Viu, xipó, como eu também posso bater bem forte quando vale a pena? Chega de "rainhas da cocada preta" queremos verdadeiros educadores cuidando das escolas e bons jornalistas escrevendo a verdade e defendendo a escola pública como nós do Educafórum!!!!

Comentários

Giulia disse…
Aê,xipó! Foi ótimo você relembrar o "causo" do jornal de São João da Boa Vista. Na verdade, a maior responsável é a editora DANIELA BERTOLDO, que nos mandou a seguinte mensagem: "Olá. O jornal costuma pegar endereço e RG das pessoas que enviam as cartas, mesmo sem publicarmos esses dados. Isso serve como garantia, pois já tivemos problemas de publicar cartas assinadas e, quando íamos ver, os nomes eram falsos e não tínhamos como provar quem havia escrito tal informação. Assim que vcs encaminharem, publicaremos a carta sem problemas."
Enviei os dados e liguei uma vez por semana durante dois meses para saber quando a carta seria publicada. A resposta era sempre que faltara espaço "naquela edição". Um belo dia a Daniela resolveu abrir e jogo e disse que "o advogado do jornal havia recomendado para não publicar a carta" e mandou falar com ele. É claro que não liguei. Pra que? Ouvir abobrinhas? Então estou contigo e não abro: a Daniela Bertoldo também pode colocar fogo no seu diploma!
E adorei você pegar pesado também!!! Que pena não poder falar de flores...
Anônimo disse…
NAO ADIANTA,no meio da corrupção eles sempre sao solidarios uns com os outros, pois quando precisarem e sabem que vao precisar, querem o apoio da banda suja.
O que esse jornal fez foi so deixar influenciar. Sobre o diploma desta editora, sera que ela tem? se tiver com certeza foi comprado, nem sabe o que é jornalismo serio.
Giulia disse…
Anônimo, agora você falou uma coisa bem interessante. Dê uma olhada no jornaleco, pra você ter uma idéia, rsrs!

Postagens mais visitadas deste blog

A expulsão é legal?

Escola pública ou particular. Qual a sua opção?...

Respeito ao aluno, 3ª Parte. A expulsão da escola