É a Glória!


A melhor professora que eu coheço é a nossa amiga Glória Reis. A mais bonita! Como disse Vinícius,

As muito feias que me perdoem
Mas beleza é fundamental.
É preciso que haja qualquer coisa
de flor em tudo isso...

A Glória foi educadora a vida inteira. Suas lembranças do magistério estão reunidas no livro Escola, instituição da tortura. Hoje, aposentada, leva as pétalas da sua competência, carinho, dedicação e coragem para crianças e adolescentes necessitados e muitas vezes abandonados pela escola. Ao contrário dessas professoras que fazem de tudo para se aposentar precocemente e dão graças a Deus por poderem "gozar a vida" ou fazer a viagem "dos seus sonhos", Glória dedica seus dias para crianças carentes e para adultos que já foram excluídos na infância e povoam a cadeia de Leopoldina, Minas Gerais. A beleza da Glória foi "premiada" por uma condenação que a tornou notícia nacional. Leia a última reportagem e prestigie sempre o blog da Glória:

A professora que incomodou a Justiça

Coluna Ruth de Aquino
Revista Época - Edição 513
17 de Março de 2008

O crime de uma professora aposentada foi escrever contra as péssimas condições de uma cadeia pública mineira.

Poucos a conheciam até que ela foi condenada a quatro meses de prisão por difamar um juiz. Maria da Glória Costa Reis é uma daquelas pessoas melhores que nós. Professora estadual aposentada, Glória se dedica a atender, como voluntária, "adolescentes em situação de risco social". E edita desde 2001 um pequeno jornal em que os presos de Leopoldina, Minas Gerais, escrevem artigos. O crime de Glória foi escrever um editorial contra as péssimas condições da cadeia pública da cidade e a negligência de juízes e advogados.

A professora, de 63 anos, magra, 1,65 metro e pouco vaidosa, com óculos de aro grande e forte senso de justiça, nunca imaginou que os 200 exemplares do jornal Recomeço pudessem incomodar tanto. Ela ganhou súbita fama, por obra de dois juízes. O juiz José Alfredo Jünger de Souza Vieira a processou, sentindo-se caluniado.O detalhe é que Glória não acusou ninguém no editorial, publicado em 2005. O doutor Vieira vestiu a carapuça. A professora escreveu: "Não é aceitável a conivência de magistrados, fiscais da lei, advogados, enfim, operadores do Direito, com tamanha barbárie". Ela denunciava a violação, em Leopoldina, de direitos fundamentais dos detentos. Como a falta de banho de sol.

O juiz Vieira, ex-titular da Vara Criminal e de Execução Penal em Leopoldina, abriu inquérito contra Glória. Há dois meses, a juíza Tânia Maria Elias Chain condenou a professora criminalmente por difamação, com base na Lei de Imprensa. Como Glória é ré primária, a pena foi convertida em prestação em dinheiro. Ela não irá para uma cela, mas se sente num labirinto. Já chorou de indignação e impotência. Como pode uma defensora de direitos humanos ser condenada pelo crime de denunciar violações de direitos humanos? O certo e urgente, num país civilizado, não seria investigar se a cadeia de Leopoldina desrespeita a Constituição? Só mesmo citando Kafka, como faz a professora em seu blog:
(http://jornalrecomeco.blogspot.com/):

"O que aconteceu comigo é apenas um caso isolado e não teria grande importância se não resumisse a maneira como se procede com muitos outros além de mim. É por eles que falo aqui, e não por mim" (trecho do livro O Processo, do escritor tcheco que viveu de 1883 a 1924).

O caso de Glória Reis já atravessou as fronteiras do país como exemplo de repressão à liberdade de expressão e abuso do Poder Judiciário. A sociedade, de maneira geral, está pouco se lixando para o que acontece nas prisões. Motins costumam emocionar apenas as famílias dos detentos. É como se nós, do lado de fora, nada tivéssemos a ver com o inferno da superlotação e dos abusos. É um raciocínio equivocado. Todos pagamos essa conta.

Em agosto do ano passado, 25 presos morreram num incêndio na cadeia de Ponte Nova, em Minas, após uma rebelião. Morreram abraçados. Vários estavam ali irregularmente. Deputados da CPI Carcerária pediram, no mês passado, a interdição da cadeia de Contagem, também em Minas. Prevista para receber 18 presos, ampliada para 40, tem hoje 122 detentos. O deputado Domingos Dutra (PT-MA) resumiu o caos: "Eles dormem no chão e precisam fazer revezamento. Alguns dormem no banheiro. Não há banho de sol. O inferno parece suave diante disso". O presidente Lula admitiu em discurso recente o descalabro dos presídios. "Se porrada educasse as pessoas, bandido saía da cadeia santo", disse.

Isso quer dizer exatamente o quê, excelentíssimos juízes doutores José Alfredo Vieira e Tânia Chain? Que nossas cadeias estão bem e devemos encarcerar a professora? Se eu fosse o governador Aécio Neves, convidaria Glória Reis para uma audiência, com direito a cafezinho e pão-de-queijo, e a trataria como bem merece. Como cidadã acima de qualquer suspeita.
Veja também o vídeo da matéria veiculada no Jornal Nacional:

Comentários

Ricardo Rayol disse…
Kafkaniano, ela deveria levar isso para a humans right direto.
cremilda disse…
É A GLORIA!
É A GLORIA!
EU TAMBÉM AMO A GLORIA...
ELA É UMA GLÓRIA
QUE GLÓRIA
OH! GLÓRIA

QUE BOM SER CONTEMPORÂNEA DE TÃO NOBRE FIGURA.
cremilda
Anônimo disse…
O QUE FALAR DE UMA MULHER COMO ESSA, SIMPLEMENTE ELA É A CARA DA MULHER BRASILEIRA QUE NAO DESISTI NUNCA, APESAR DA DIFICULDADE.
SO POSSO ELOGIAR E APOIAR.
O BRASIL PRECISA DE MAIS GENTE ASSIM.

PROFESSOR
Sonia disse…
Giulia,

Acho que sou ignorante demais. Vc pode me dizer onde a Profa. Glória cometeu algum crime?????????

Li várias vezes e não consegui entender em nenhum momento onde está o crime pela qual ela está sendo punida (INJUSTAMENTE, É CLARO!).

Profa. Glória, a senhora tem toda a minha ADMIRAÇÃO!

Abraços
Giulia disse…
Sônia,é um fenômeno tipicamente brasileiro e latino-americano, que ocorre em países onde a liberdade de expressão ainda não é suficientemente valorizada e onde a população gooooosta de autoritarismo. Só assim dois juízes resolvem acusar e condenar alguém por simplesmente criticar as condições das cadeias públicas, SEM AO MENOS NOMEAR ALGUMA PESSOA EM PARTICULAR. Imagine se na França, no Canada ou até mesmo nos EUA algum juiz tomaria uma atitude CRETINA dessas! O que eles queriam era tapar a boca da Glória e TINHAM CERTEZA DE QUE CONSEGUIRIAM, pois a comunidade local (Leopoldina, MG) é pequena e provinciana. Certamente lá essas "ôtoridades" mesquinhas são consideradas "deuses"... (No interior deste país, basta ter um canudo de "dotô" para receber rapapés).
Mas eles não contavam com o prestígio da Glória na Internet! Em sua pequenez, eles não perceberam que essa "professorinha" é uma figura intelectualmente e humanamente muito mais expressiva do que eles, que goza da admiração de muitas pessoas influentes, como por exemplo o juiz João Baptista Herkenhoff, esse sim, um Juiz com J maiúsculo!
Bem feito para eles!!! Tomara que amarguem essa derrota até o fim!!!
Sonia disse…
Professora Glória,


O que está faltando pra toda essa gente, é o que a senhora tem de sobra: AMOR AO PRÓXIMO.

PARABÉNS!

ABraços
Glória disse…
Gente, hoje é que vi esta homenagem tão bonita aqui no EducaFórum... Obrigada a todos, às "meninas" do blog e aos leitores. Fiquei emocionada!!!

Postagens mais visitadas deste blog

A expulsão é legal?

Escola pública ou particular. Qual a sua opção?...

Respeito ao aluno, 3ª Parte. A expulsão da escola