Onze perguntas sem resposta


A Folha de São Paulo realizou ontem um debate com a Secretária de Educação do Estado de São Paulo, Maria Helena de Castro. O mediador foi um cada vez mais deslumbrado Gilberto Dimenstein, que chegou a chamá-la de “estrela da educação”.

É óbvio que as perguntas foram “light” e que os pais de alunos vão continuar sem respostas.

Nosso amigo Mauro, do Coep, elaborou dez perguntinhas básicas que não teriam chance alguma de serem colocadas para a Secretária. Faço questão de reproduzi-las aqui, para mostrar como estamos longe de obter alguma transparência na educação:

  1. O PSDB está governando São Paulo há treze anos. Sendo você do PSDB, também se sente responsável pelo baixo nível educacional em São Paulo?
  2. Um ex-secretário, conhecido como “Alice no país das maravilhas”, que é seu colega no PSDB, chegou a confessar que havia cerca de duas mil denúncias anuais contra escolas que praticavam violências contra alunos, pais e comunidade. Mas ele acredita no mito de que professorinha é santa e abnegada, não merecendo nenhuma crítica. Você também acredita no mito da professorinha abnegada? Qual é o medo que você tem em divulgar dados sobre a violência das escolas e a solução de cada caso denunciado?
  3. Você concorda com o Relatório da SEE dizendo que “É normal professor chamar aluno de bicha”? Isso garante a promoção automática do professor a coordenador pedagógico? Quem vai, de fato, indicar os novos 12 mil coordenadores pedagógicos?
  4. Por que as escolas não estão sendo punidas por descumprir a Resolução SE nº80/2002, que determina a elaboração do registro mensal de violências?
  5. Por que você tem medo de que os alunos, pais e comunidade conheçam as notas individuais de cada escola? A nota do aluno não deveria ser a nota do professor?
  6. Existe um mito de que diretor de escola em SP é concursado. Como é possível, então, termos escolas em que passam 2, 3 ou mais diretores em um único ano? Quem indica esses diretores? Quem tem medo de eleição direta para diretor de escola?
  7. Qual é o seu medo em divulgar diariamente as faltas de cada professor por unidade escolar? Os alunos não têm direitos a 800 horas de aulas em 200 dias letivos?
  8. Em junho de 2007, várias escolas foram flagradas cobrando taxas ilegais dos alunos (prova, xerox, carteirinha, uniforme etc). O governador Serra falou em crime e chantagem. A Secretaria enviou questionários a todas as escolas pedindo informações sobre essas cobranças ilegais. Por que você não divulga as respostas dos questionários e nem pune as escolas que praticam estes atos criminosos e de chantagem contra nossas crianças?
  9. Nestes seus mais de 30 anos na área da educação, você sabe de algum professor que tenha sido demitido por baixo desempenho na educação básica?
  10. Não é falta de vergonha na cara dar bônus para professor que não ensina, para diretor que não cumpre a lei ou para supervisor de ensino que protege maus diretores, maus professores e maus funcionários das escolas públicas paulistas?

    Mauro Alves da Silva
    http://cremilda.blig.ig.com.br/

Para terminar e não perder o costume, a perguntinha básica que todo ano o Educafórum costuma fazer à SEE, à SME e ao MEC:

11. Por que a eleição dos Conselhos de Escola não é amplamente divulgada na rede e na comunidade? Por que seu site oficial não dá ao menos uma chamada sobre o assunto? Seu site é privativo da corporação, que quer a comunidade fora da escola?

Comentários

Ricardo Rayol disse…
isso que eu chamo de light ahahahah
Regina Milone disse…
Essas perguntas têm que ser feitas sim!
E eu já cansei de ver iniciativas de trazer a comunidade pra escola falirem pela falta de vontade dos próprios profissionais da escola de participar, embora o discurso seja outro... Mas para chamar os pais em busca de punição para os "alunos-problema", muitos deles se mobilizam.
Na escola onde trabalho isso tem melhorado, mas ainda acontece, infelizmente.
É preciso que vejamos os dois (ou mais) lados da história, em cada situação difícil que acontece nas escolas e, por isso, mais uma vez dou os parabéns a Giulia & Cia pelo excelente blog!!
Beijos...
Sônia disse…
De fato, não há interesse e nem boa vontade das escolas em divulgar o CE.

Mas, quando é para massacrar alunos e pais de alunos denunciantes, é feita uma convocação em massa e aí, sim, até a coordenadora de S. Mateus aparece.

Mas, para falar de Conselho...pra quê? Não precisam de nós!