Suspensão coletiva


Infelizmente, os símbolos da juventude são malvistos nas escolas. A família só é chamada para ouvir sobre o boné do filho. Além disso, quando se fala em violência e Educação, é difícil escapar da constatação de que o ensino no Brasil conserva hábitos autoritários.
O que falta na escola é diálogo. Não existe interação, e as instituições não são nem um pouco democráticas. Por mais que a escola fale em cidadania, voluntariado, etc., ela é um espaço muito autoritário. A escola será um agente de transformação quando ela for mais democrática.

Miriam Abramovay

A suspensão é de longe o instrumento “pedagógico” mais utilizado nas escolas públicas brasileiras. Mesmo assim, o assunto é tabu. O último post a esse respeito, http://educaforum.blogspot.com/2008/03/quem-serve-suspenso-de-alunos.html, passou em brancas nuvens. Nem um comentariozinho... Isto significa que o assunto incomoda, e muito!...

Para não perder o antigo vício de colocar o dedo na ferida, vou desta vez abordar a questão da suspensão coletiva. Trata-se de um “corretivo” aplicado a um grupo de alunos ou a uma classe inteira, com o objetivo confesso de restabelecer a ordem abalada por um motivo qualquer. A última “moda”, a fim de descaracterizar a suspensão como coletiva, é suspender metade da classe e, numa outra etapa, a segunda metade. Mesmo condenada por diversos instrumentos legais, a suspensão (que dirá a coletiva?...) continua sendo praticada diariamente na quase totalidade das escolas brasileiras e é um dos maiores símbolos do autoritarismo do sistema.

É exemplar o caso recente da EE Padre Josué S. de Mattos, em São João da Boa Vista, SP, onde “alguém” colocou fogo na lixeira de uma sala de aula e a primeira medida tomada pela direção da escola foi suspender a classe inteira por dois dias. Durante a suspensão coletiva dos alunos, denúncias anônimas apontaram uma suposta culpada, que nove meses após foi finalmente inocentada – não pelo Conselho de Escola, que a condenara, mas por um juiz de carne e osso!... (Deus proteja essa escola e todos os seus alunos, entregues a uma direção incompetente e perversa!!!)

A suspensão coletiva resolveu... o quê?...

Numa outra escola estadual, um grupo de alunos revoltados pela crônica falta de professores e pelas constantes aulas vagas criou um tumulto que acabou atrapalhando os demais alunos em aula. A direção da escola classificou o ato como motim e instituiu um tribunal interno que se encarregou de atribuir suspensão coletiva “individualizada”, de acordo com a participação de cada “rebelde”. Réus e testemunhas menores de idade foram interrogados exaustivamente, contrariando o ECA... éééééca!
Suspensão coletiva "individualizada": que tal lançar essa nova moda?...

Numa escola de ensino médio, uma classe de primeiro ano levou vários dias de suspensão, devido a repetidas brincadeiras dos alunos com relação a uma professora. Ao questionar, junto à diretora, que a suspensão coletiva, além de ilegal, havia sido aplicada sem advertência prévia, ela respondeu que isso era o de menos, pois os alunos vinham de escolas onde estavam acostumados a fazer “o que queriam” e precisavam de uma lição para assimilar o código disciplinar. Mas, atenção! O tal código disciplinar determinava três advertências escritas antes de uma suspensão...
Me diga se a “educação”, neste país, não parece um samba do crioulo doido?! Por um lado, sobrepõe-se um simples regimento escolar a uma lei federal, mas, se for “de interesse”, nem mesmo o tal regimento é respeitado...

Palavras de Luiz Gonzaga de Oliveira Pinto, presidente da Udemo, associação dos diretores de Escola: "Não me interessa o que a lei diz, na MINHA escola... (mando eu...)".

Está mais do que na hora de se refletir sobre a validade desse “corretivo” nos Conselhos de Escola, nas Diretorias de Ensino dos Estados e Municípios e nas próprias Secretarias da Educação. Mesmo porque – apesar da hipocrisia que nega o fato – repetidas suspensões levam à expulsão do aluno. Expulsão, sim! Camuflada de “transferência para outra unidade escolar”, a expulsão é uma prática constante na maioria das escolas, preocupadas em desovar os assim chamados alunos-problema, as “laranjas podres” que contaminam as outras...

Comentários

Mauro disse…
Giulia,

Tantas safadezas na escola que até ia esquecendo de comentar o caso da aluna que ateou fogo na colega.

Detalhe interessante: um dos alunos culpou a famigerada "aula vaga"...

s. paulo, 26/03/2008
Mauro
Anônimo disse…
ESSES COMENTÁRIOS QUE VOCÊ COLOCA NO BLOG SEMPRE EXISTIRAM, A DIFERENÇA É QUE AS PESSOAS ESTÃO BOTANDO A BOCA NO TROMBONE.
MAS TUDO EM VÃO,PORQUE TEMOS A MÍDIA PARA NOS DERRUBAR. E AS SECRETÁRIAS DE EDUCAÇÃO DO ESTADO E DO MUNICÍPIO SEMPRE SÃO A FAVOR DOS PROFESSORES E DAS DIREÇÕES DE ESCOLA, GOSTARIA QUE ALGUÉM ME FALASSE QUANTOS CASOS DE ESCOLAS O EDUCAFORUM CONSEGUIU RESOLVER.ISSO SERVE TAMBÉM PARA A CREMILDA, FAZ 100 ANOS QUE É COMEMORADO A DERROTA DE VOCÊS EM UMA ESCOLA COM MUITAS INJUSTIÇAS. OTAC... NÉ !

LUIZ DONIZETE MARCHIOLI

IPIRANGA - S.P
Anônimo disse…
ESSE ASSUNTO DE SJBVISTA DENOVO NÃO!!!!!!!!!!!!!!! PELO AMOR DE DEUS!!!!!!!!! TODO MUNDO SABE QUE ELA FOI INOCENTADA... KKKKKKKKK!!!!RSRSRSRS!!!!!! AH! POR QUE NÃO DEFENDEM A ALUNA QUE ATEOU FOGO NA COLEGA! AFINAL, ELA É SÓ UMA CRIANÇA EM DESENVOLVIMENTO E APENAS ESTAVA BRINCANDO DE COLOCAR FOGO! IGUALZINHO O CASO DAQUELA QUE ATEOU FOGO NA LIXEIRA DE apenas 1 REAL!!! AMIGOS NÃO É O VALOR FINANCEIRO QUE VALE NA EDUCAÇÃO DE UM SER HUMANO, O QUE VALE É O VALOR DA ATITUDE!
Anônimo disse…
Luiz Donizete

Vc nos deixou muito triste com o seu comentário e sabe pq, pq infelizmente é a mais pura verdade...E a verdade DÓI
Giulia disse…
Anônimo, você está cansado do assunto de SJBV? Problema seu! Nós vamos continuar comemorando o fato de a aluna ter sido inocentada pelo juiz, sabe até quando?
Quando a diretora dessa escola receber a punição que merece!!!!!
É brincadeira levar o Conselho de Escola a expulsar a aluna, sem ter checado se existiam provas? E não venha falar da soberania do CE! Na rede estadual de São Paulo, O PRESIDENTE DO CONSELHO É SEMPRE O DIRETOR DA ESCOLA: ELE FAZ O QUE QUER E MANIPULA TODOS OS MEMBROS!
É brincadeira ter arrastado CINCO ADOLESCENTES para o tribunal, apenas para se vingar porque a aluna foi reintegrada?
É brincadeira??????????????????
Te digo mais: se a aluna REALMENTE TIVESSE COLOCADO FOGO NA LIXEIRA, ela estaria hoje provavelmente na Febem. São dois pesos e duas medidas! O profissional da educação pode cometer à vontade crimes contra o aluno, aliás, ele fica TÃO À VONTADE que consegue armar planos de vingança, porque qualquer "apuração preliminar" dura o tempo suficiente para virar o ano e o assunto cair no esquecimento!
Mas nós não esquecemos!!!!!!!!!!!!Nós somos aquilo que se chama de CALO NO PÉ da SEE e da SME.
É uma tremenda inversão de valores: como querem que a criança e o adolescente aprendam a respeitar o próximo, se são tratados dessa forma????
Então, me aguarde, anônimo! Esse caso de São João da Boa Vista vai ser comemorado com bolinho e tudo sempre que quisermos, até a diretora ser punida. Quanto ao caso da aluna que ateou fogo na colega, também me aguarde, comentarei em breve.
Professor disse…
Giulia,

Nos Conselhos de Escola da rede municipal não é nada diferente, pois o Presidente de Conselho é só pra constar. Porque na realidade quem manda e desmanda é a direção. Os CE não tem nenhuma autonomia.
Por exemplo: EMEF IMPERATRIZ o presidente do Conselho, só serve pra ler a pauta da reunião, ele não manda nada, pelo contrário se "borra" de medo da diretora e da Assistente dela. É um pau mandado, que nem sabe pra que lado correr...ora puxa o saco das mães...ora, puxa o saco da direção... PALHAÇADA

O cara fica em cima do muro.
Tá faltando vergonha na cara.
Mauro disse…
Luiz,

Poderíamos comentar vários casos de sucesso, mas temos 6 milhões de alunos sofrendo diarimanete nas escolas públicas de SP...

Um dos casos mais escandalosos foi o da EE Andronico de Mello (zona oeste da capital de SP). Em 2005, reprovaram ou deoxaram em "dependência" cerca de 500 alunos... teve um aluno que a escola queria "reprovar" a todo custo, mesmo ele tendo sido aprovado na PUC-SP... conseguimos reverter todos os casos...

Outro caso "histórico" é a matrícula unificada entre Estado e Capital... Isso é vitória do Fórum Municipal de Educação, né Giulia?

Os professores ignoram que foi um trabalho voluntário das pessoas ligadas ao Fórum Municipal de Educação que fez valer os gastos com manutenção e desenvolvimento do ensino em S. Paulo. Depois disso é que começou a "sobrar" dinheiro, o qual teve de ser destinado ao aumento da remuneração dos professores...

Isso é pouco???

S.Paulo, 28/03/2008
Mauro A. Silva
Movimento Comunidade de Olho na Escola Pública
Anônimo disse…
INOCENTADA........ KKKKKKKKKKKK! IR PRA FEBEM POR ATEAR FOGO NA LIXEIRA........ KKKKKKKKKKK! RIDÍCULA SUAS PALAVRAS!!!! RIDÍCULAS!!!!!! FEBEM!!!! KKKKKKKKK!
Giulia disse…
Anônimo (o de cima), se você for suficientemente alfabetizado, leia o comentário que a irmã da aluna "inocentada" fez no post "Troféu Anta"...
William disse…
Oi galera. Seguinte, uma turma de alunos resolveu fazer uma festa de confraternização, e como não havia opção foi num dia de aula. Todos faltaram. Agora a direção está querendo suspender a classe toda por ter feito isso.
A meu ver, é um direito do aluno escolher se quer ir ou não à escola. Se todos queriam faltar, o fizeram e pronto.
A direção da escola pode dar suspensão assim por falta coletiva?
Obrigado!
Anônimo disse…
Por favor, gostaria da resposta da pergunta acima ^^
Anônimo disse…
Meu nome é Humberto, estou conselheiro tutelar e gostaria de saber se a escola pode suspender os alunos cujos pais não comparecem nas reuniões para entrega dos boletins e se for correto, baseado em que??? OBS: os pais moram na zona rural e é dificil a vinda para a cidade pois a prefeitura não admite carona nas vans escolares.....
Anônimo disse…
é na minha escola ia ter um passeio e os alunos do ensino medio (3 ano) não ia por falta de dinheiro outros fazem curso outros trabalham e nessa pq a professora de português ia nesse passeio deidiram não ir fando a falta coletiva e depois a direção começou a ligar para todos os pais e tudo mais flanado que iria ter suspenção para todos. é certo fazer isso ja que uma das professoras que ia no passeio e ia dar aula para o 3 ano no dia foi ao passeio é certo ele darem essa suspenção ou adivertecia a todos os alunos ?
Roberto Morales disse…
Bom dia.
Estive procurando na internet sobre o assunto de suspensão coletiva de alunos e encontrei este espaço.
Tenho um filho com 14 anos, que atualmente está cursando o 1º ano do ensino médio, na Escola Estadual Ataulpho Alves em São Miguel Paulista, São Paulo, SP.
Na semana passada, a sala toda foi suspensa por 2 (dois) dias, dividindo-se da seguinte forma : 2 dias somente as meninas e os outros dias somente os meninos.
A razão da suspensão foi que alguém atirou uma caneta na professora enquanto ela estava de costas, e não se sabe quem foi.
Portanto, a solução encontrada pela coordenação da escola foi a suspensão coletiva, para que os alunos viessem a denunciar o aluno que havia procedido de forma incorreta.
Acho um absurdo agirem dessa forma.
Não podemos admitir que tentem forçar nossos filhos a serem delatores dos próprios amigos de sala, correndo o risco de serem agredidos na saída da escola.
Pretendo buscar o auxílio do Conselho Tutelar, porque acho que esta atitude está ferindo o ECA, e buscar também a Coordenadoria de Ensino.
O que acham ?
Será que está correta a minha forma de encarar o problema ?
Vocês já tiveram experiências desse tipo ?
Apreciaria muito se me respondessem essas dúvidas.
Segue abaixo meu e-mail.

rob.morales@ig.com.br

Muito obrigado pelo espaço.

Roberto Morales
Stefany disse…
eu etudo numa escola publica no 1°ano so ensino medio,alguns alunos esconderam repedidamente alguns cadernos de alguns colegas,a diretora como nao consegui nenhuma confissao decidiu dar suspensao pra todo mundo eu nao tinha nada a ver com a historia e nem sabia onde estavam os cadernos mesmo assin levei suspensao,oq ela fez foi legal ou nao
Anônimo disse…
Oi.. estudo na E.E.Deputado José Storopoli, e vim falar nessa questão de suspensao coletiva é correto o diretor da escola suspender a sala toda por uma grande parte da sala ter faltado numa vesperá de feriado?
Olha a situação , fomos segunda-feira e varios professores nao foram dar aula , ficamos com aula vaga, fomos na terça-feira e aconteceu a mesma coisa entao a sala se juntou para faltar quarta-feira vespera do feriado de corpo de Deus e ficamos sabendo que dezessete alunos foram a escola, e a diretora disse a eles que iria dar suspensão a quem faltou! Isso é correto?