Sindicalista é imexível???


Eu ia comentar a notícia dada pela Veja sobre a queima de livros em praça pública, mas a Cremilda já o fez de forma brilhante. Essa fogueira ideológica da Apeoesp envergonha mais uma vez a classe docente com uma prática medieval e criminosa. E ainda por cima os sindicalistas argumentaram que os livros foram queimados porque não ajudam a "formar cidadãos"...

Do blog da Cremilda

Os sindicalistas são corporativistas. Eles rejeitam qualquer instrumento que permita a prestação de contas da escola à sociedade.
Maria Helena Guimarães de Castro, Secretária da Educação do Estado de São Paulo

Um grupo de professores levou milhares de livros e apostilas e os queimou em praça pública. Eram apostilas para orientar professores. Tinha também livros didáticos, contendo informações que deveriam ser repassadas aos alunos da escola estadual de forma didática. Custaram milhares de reais aos cofres públicos. Custaram verbas do imposto suado do trabalhador. Os professores queimaram o que não era deles. Não queriam usar esse material didático, acham fraco. Então que usassem o que precisassem e reforçassem do jeito que quisessem, nunca foi proibido ensinar a mais.O que se reclama é que o professor não ensina nada...

Só a revista VEJA teve coragem de divulgar, mas não teve coragem de fotografar as caras enfurecidas dos professores gritando palavras de ordem. Nem eram muitos, representavam a APEOESP, segundo a revista, que classificou o ato como prática nazista. Sem dúvida é, mas destruir patrimônio público também é crime. Vemos alunos superlotando as cadeias com nome de CASA, ex FEBEM, por muito menos. O rigor das rondas escolares, as autoridades judiciárias e policiais não se fazem presentes quando o crime é cometido por professores, mesmo quando é cometido em praça pública. Se um aluno queimasse um livro desse, um só, dentro da escola, seria preso como incendiário e criminoso. Seria responsabilizado por danificar patrimônio público. Seria cana dura, na certa.

Os professores queimaram uma montanha de livros e nenhum policial para dar voz de prisão? A Secretária de Educação alegou que a APEOESP é corporativista. Está certo, senhora Secretária, a gente sabe que o presidente da Apeoesp é do PT e suplente do Senador Suplicy. Sabemos também que é o sindicato mais rico do Brasil. Por isso a senhora não vai punir esses professores? Falta coragem? Deve faltar coragem, vontade política, boa vontade, capacidade....

Um poeta disse que é bendito quem semeia livros a mancheias. Como a gente pode chamar quem queima livros em praça pública, com motivo torpe? Será maldito?

Cremilda Estella Teixeira

Leia a matéria da Veja aqui http://veja.abril.com.br/160408/p_092.shtml

Comentários

Anônimo disse…
Olá amiga

Lembra o caso da aluna que foi indevidamente acusada de colocar fogo num cestinho de lixo?
Se não fosse a interferencia de voces ela ia para a Febem agora com nome novo.
Star disse…
Boa tarde Giulia, vi seu comentário no blog da Santa e vim conferir, qualquer dia eu surto!
Só não concordo que se use o título de professor para essa espécie. Denigre a palavra, denigre o cargo, denigre os que realmente são professores. Isso é corja!
fabiana disse…
Olá Star.
Não se preocupe, o excelente profissional sabe que isso não serve para ele.
Ricardo Rayol disse…
essa eu perdi de sacanaear
Jussara Gehrke disse…
indignante, vi a noticia apenas na Veja e nada mais... coloquei uma referencia no ultimo post do meu blog,
se isso não tem punição, nem mesmo uma "chamada de atenção", onde vamos parar?
não tem como não pensar na ficção que tanto nos amedronta...
Giulia disse…
Pois é, Jussara, neste país professor sindicalista é mesmo imexível!
Anônimo disse…
NA EMEF IMPERATRIZ ESTÁ CHEIO DE PROFESSORES SINDICALISTAS
Aprendiz disse…
Giulia

A coisa vai ficar muito poir se a "república sindicaleira" continuar mandando no país.
Marcelo Botelho disse…
Parabéns, Giulia. É verdade: temos de mudar este corporativismo, que só valoriza quem é sindicalizado. Vamos valorizar os bons professores.
Gabriel disse…
Bom eu como aluno da rede publica tambem achei um absurdo queimar o material didatico,(que tambem não era lá essas coisas)Porem...!

O objetivo desse "jornal" era uma revisão de conteudo, que era meio descabida e confusa, e até em alguns pontos induzia o aluno ao erro!(tipo como ensinar potenciação com dois ao quadrado) Provavelmente foi feita por pessoas que não estão acostumandas a realidade da sala de aula!

Eu poderia até diser que esse material mais atrapalhou do que ajudou o aluno!
Claro que uma revisão é sempre uma boa, mas nós infelizmente não temos tempo pra isso!
Esse material acabou atrazando o conteudo, o primeiro bimestre se alongou e o segundo encolheu!
E depois no final o governo estadual ainda teve a cara de pal de passar uma "prova" absurda com questões muito faceis, (alias o gabarito da prova ja estava na internet, um montão de gente colou!) pra depois poder falar que o sistema de encino é "eficiente"!

E é por isso que eu acho que os professores tem que se revoltar sim (mas não dessa forma) e fazer algo pra chamar a atenção pra o que está acontecendo com a educação hoje!!!