Ilha da fantasia global


Do blog da professora Glória Reis, sem dúvida a cabeça mais lúcida pensando a educação nesta terra tupiniquim-piniquim. A Glória é uma pessoa humana demais e classificou a campanha Criança Esperança como ridícula e patética. Na minha opinião pessoal, essa campanha é perversa.

A imagem-slogan da campanha Criança Esperança deste ano (leia) demonstra mais uma vez a desinformação nacional sobre a escola pública. Vejam acima, a figura da campanha com uma menina se prostituindo na rua e outra figura transmutando a garota para uma sala de aula, onde estará salva e feliz para sempre como nos contos de fada.

O leitor é levado a se iludir de que poderá salvar as crianças da prostituição através da escola.
Ora, vejam o quanto isso é grave. Demonstra que a nossa mais influente rede de comunicação não sabe que criança miserável não pode frequentar escola. Aliás, desconhecimento que não é novidade nem quanto à rede Globo, nem quanto à sociedade como um todo.

Então, vamos esclarecer (quem quiser comprovar, tente colocar uma criança pobre na escola), como eu já fiz inúmeras vezes. Você vai deparar com as seguintes exigências incompatíveis com essas crianças se prostituindo nas ruas e em outras situações de risco:
- documento
- material escolar
- uniforme
- comportamento "exemplar"
- horário
- acompanhamento dos pais (sendo que a maioria nem pais tem ou, se tem, são famílias miseráveis lutando por um mínimo de sobrevivência)

Além das exigências, vêm as humilhações e os castigos (as crianças concluem que para sofrer violência e maus-tratos, é preferível a rua) no ambiente autoritário da escola, que não aceita esses "maus elementos" convivendo com os "anjinhos" selecionados por seus padrões de comportamento.

Enfim, essa campanha chega a ser ridícula e patética. Só mesmo na ilha da fantasia da rede Globo.

Maria da Glória Costa Reis

Comentários

Glória disse…
Giulia, quase dei um tique-tique nervoso quando vi essa propaganda do Criança Esperança.Independente de outras estranhezas desse programa, a cegueira sobre a violência que atinge a população carente na escola pública é abominável.
Giulia disse…
Pois é, eu fico tão revoltada com essas coisas que não consigo nem comentar. Se não fosse você...
Anônimo disse…
Giulia, já me comuniquei com você via veja,mas estava meio sem tempo.
Entrei no seu blog e gostei muito.
Trabalho numa escola que tem um posto de saúde.Conversando com a colega que trabalha lá,ela me contou uma história que contraria um pouco do que você escreveu.A colega que trabalha no posto(não é professora)foi procurada por uma mãe, que queria desfazer a laqueadura pois queria ter mais filhos para poder receber mais dinheiro do bolsa-escola, ou seja, ela quer uma criança como fonte de renda.Aqui,praticamente todas as criãnças são que tem necessidades
reais são assistidas pela bolsa-escola, além de ganhar o material escolar,e em alguns casos o uniforme.Quanto ao horário e ao comportamento exemplar,isso é um desejo,mas não uma obrigação,e um pai mesmo que miserável acompanha o filho na escola a não ser que esteja entregue às grogas ou ao alcool.Nesse caso,passa a ser um caso para o conselho tutelar ou promotoria da infância, mas estes etão preocupados é com aquela família que e rebelou contra o sistema e dão, com sucesso a educação de seus filhos em casa.
Para finalizar meu comentário,eu sei que existem bons e maus professores,mas que a tendencia de se ter mais maus professores é cada vez maior,porque é praticamente a última opção de emprego para quem cursa uma faculdade,então ou os governos melhoram as condições de trabalho ou a tendência é só piorar.Falo isso não por corporativismo,mas por uma simples questão de mercado de trabalho.Outra questão é que outros"atores" da sociedade,como conselho tutelar,polícia e promotoria tem de dar um suporte no entorno das escolas, fiscalizando bares, boates,shows, lanchonetes,etc, pois em uma sala de aula que eu trabalho tem pelo menos cinco alunos que dormem o tempo inteiro e não(só) porque a aula é chata,mas porque ficaram acordados a noite inteira.Para finalizar, parabéns pelo seu blog e me perdoe por usar anõnimo,mas na remota possibilidade de algum colega acessar o blog,ele pode ficar triste comigo e eu sou muito sensível.Parabéns também pelo seu conto "O Estuprador",muito bom.
Anônimo disse…
Maurinho o habeas corpus n esqueça.

Postagens mais visitadas deste blog

A expulsão é legal?

Escola pública ou particular. Qual a sua opção?...

Respeito ao aluno, 3ª Parte. A expulsão da escola