Mais uma do InepT


Está havendo uma polêmica sobre os números do IDEB da rede municipal de São Paulo, aquela que não atende os pais, que permite a seus funcionários atirarem sapatos nas costas dos alunos, que deixa seus professores exibirem o filme Tropa de Elite para classes de 6ª Série, que acoberta diretores e supervisores relapsos etc. etc.
Segundo a Folha de São Paulo,

"equivocadamente, o Inep (instituto de pesquisas e avaliações do MEC) computou como reprovados os alunos que foram transferidos de escola, os que abandonaram os estudos e até os que morreram no ano letivo".

O IDEB é um índice que considera não apenas a qualidade do ensino das escolas, mas também o fluxo (índices de inclusão). Eu gostaria muito que alguém me respondesse (e não vou perguntar para o próprio Inep, que passei a chamar de InepT depois que se recusou a fazer o levantamento das aulas vagas e das bibliotecas ativas na rede pública): ora bolas, será que essas "autoridades" ainda não entenderam que a maioria das transferências de escola são EXPULSÕES disfarçadas? Quantos alunos "transferidos" continuam seus estudos?... E os alunos que abandonam a escola, será que a maioria o faz por livre e espontânea vontade?
O único caso em que vou dar o benefício da dúvida é o dos alunos que morreram no ano letivo. A não ser que seu número for exorbitante, aí tem coisa, rsrs!

Ah, eu tinha esquecido uma antiga perguntinha pro InepT: e o levantamento dos "alunos-fantasmas", quando sai?...

Comentários

Mauro disse…
Giulia,

Veja a hipocrisia do secretário Alexandre Schneider:
"Não tenho motivo para desconfiar de qualquer tipo de manipulação dos dados pelo Inep. Mas divulgar dados errados é muito ruim para a imagem de São Paulo"

Por que o secretário não divula as notas das escolas na Prova São Paulo?
O que é ruim deve ser escondido???
Giulia disse…
Como é que você chamou mesmo essa figura? Bela adormecida? rsrs