Professor José Benedito, veja o esquema!!!


Retirei da caixa de comentários o depoimento da professora Suely Valente, uma das poucas que tiveram a coragem de denunciar as falhas e falcatruas cometidas na rede pública (e pagou um preço alto por isso!).
Esse depoimento é no mínimo inquietante, pois mostra claramente a conivência das Diretorias de Ensino com as irregularidades cometidas pelos diretores de escola. Professor José Benedito, como podemos assim confiar em sindicâncias conduzidas por Dirigentes de Ensino?
As escolas públicas necessitam com urgência de intervenções efetuadas por auditorias externas!!!

O depoimento da professora Suely:
Quando uma diretora começa a chamar os pais para participarem da APM (inclusive quando ela insiste muito com determinados pais) logo após as denúncias, pode ter certeza que ela já teve tempo para ARRUMAR todas as falcatruas cometidas. É fácil para elas, pois estão com a documentação na mão, é só completar os balancetes trimestrais com notas fiscais adquiridas ilegalmente (compradas) e tudo parecerá normal e dentro da lei. ( Existe uma quadrilha para isso ).

Para vocês pais que querem participar da APM é o momento certo para se ter certeza disso que estou narrando. Eu mesma verifiquei em um desses balancetes a facilidade de se manipular notas, como por exemplo:
- limpeza de caixa d'agua a cada 6 meses
- produtos de limpeza (cloro, detegentes, desinfetantes) etc.
- papel sulfite e outros para a secretária
- material básico para alunos carentes (de péssima qualidade ou duvidoso)
- consertos de computadores da secretária
- pequenos consertos (esgoto e encanamento)
- troca de torneiras dos bebedouros
- lâmpadas

E assim vai , se eu for citar tudo que vi de errado a lista será extensa e percebam que são produtos e consertos que você não consegue provar que não foram feitos, já que muitos deles somem pelos ralos ou ficam debaixo da terra. Numa verificação de notas fiscais observei que a caixa d'água havia sido limpa 3 vezes no mesmo ano , só que nínguem viu isso acontecer e o gasto com isso foi bem alto, com isso dá para darem conta do $$ que usaram (se é que usaram mesmo).

Toda a rede funciona assim, uma diretora passa o serviço de enganação para a outra e as notas acabam sendo do mesmo fornecedor. Incrível como os dirigentes fazem de conta que não enxergam isso! É só fazer uma sindicância nas APMs das escolas, que a sujeira aparece. Por tudo isso aí e muito mais fui tirada da APM (manipulada pela diretora) e taxada de louca , assim perdia a credibilidade e a escola atuaria com mais liberdade, sem nínguem de olho nas contas.

Muitos pais são simples e até por medo não verificam ou questionam os gastos, se calam e agem como se não estivesse acontecendo nada (acham que o $$ é do governo). Se nessas reuniões a diretora gritar e te intimidar, não tenha medo, dê respostas à altura . O que ela quer com esse ato é dizer que quem manda ali é ela. Se todos ficarem com medo, ela se dará por satisfeita para continuar agindo. Não tenham medo, entrem para a APM e participem, verifiquem e falem bem alto nas reuniões sobre os gastos e suas dúvidas. Agora é a hora, já que as escolas fizeram festas juninas e arrecadaram muitooooooooo $$. Para se ter uma idéia, a EE David Eugênio dos Santos teve um lucro líquido de R$ 7.400,00 em um dia de festa.

ABAIXO O CORONELISMO. LUTEM E NAO DESANIMEM.

Comentários

Pais Online disse…
Giulia,

A situação relatada pela Suely é a regra nas escolas de São Paulo, onde a grande maioria dos diretores não tem a capacidade nem de dirigir um ônibus, muito menos uma escola. Apenas nas escolas com diretores verdadeiramente democráticos você vai achar uma APM que funciona de fato. Nas outras escolas, quando se consegue eleger uma APM independente, firme e forte, a pressão da má direção (geralmente apóiada por aquela parte do corpo docente que está de rabo preso) é muito forte e os pais acabam desistindo por falta de conhecimento da lei e da importância do papel da APM dentro da escola. Uma vez, como membro do CE, presenciei uma reunião antológica, onde a diretora e os maus professores fizeram de tudo para tentar extinguir a APM eleita (porque os diretores executivo e financeiro se recusavam a assinar cheques em branco, ou a dar qualquer valor em dinheiro sem verificar a real necessidade do gasto), mas felizmente conhecíamos a lei muito bem, e mesmo com a presença ameaçadora da supervisora de ensino (que, aliás, por coincidência é a única dirigente de ensino exonerada 2 vezes no Estado de SP) e uma gritaria geral que durou no mínimo 3 horas, impedimos (segmentos pais e alunos do conselho) que a moção fosse colocada em votação. Se os governos realmente quisessem a participação dos pais na escola, dariam cursos específicos para os pais candidatos aos Conselhos e APMs, fornecendo as informações que os pais precisam para ter uma atuação efetiva, mas obviamente, para essas autoridades, e os maus diretores e professores, não interessa nem um pouco a formação de pais fiscalizadores.
Grande abraço
Anônimo disse…
Realmente o que a professora Suely falara não tem uma virgula que não seja verdadeira,conheço bem essa situação , fui professora em uma escola pública , trabalhei muito tempo em escritório contábil e quando pedi para ver as contas da APM o diretor me mandou ir a merda,dai começou uma perserguição era o rato caçando o gato.....
Anônimo disse…
A maioria dos professores não se envolve na APM por isso, em geral, os profs envolvidos são os amiguinhos do diretor(a)...
Eu, por exemplo, prefiro não saber destas coisas e não participar de nada, dou minhas aulas, toca o sinal e eu vou para a minha casa..
O pessoal que se envolve com isso ou é cúmplice da roubalheira ou então é perseguido e logo logo se transfere de escola p/ não perder o emprego...
Eu sou professora, sou contra tudo isso aí também..., mas o único jeito de manter meu emprego é não me envolvendo...
Sempre desconfiei destas coisas... Já trabalhei numa escola toda depredada, e eu ficava imaginando, oras todas escolas estaduais não recebem uma verba p/ as reformas? porque a escola tal está bonita, pintada, arrumada e limpa enquanto a outra escola está caindo aos pedaços?
A melhor coisa é não arrumar problema pois com a nova lei do Serra, está difícil trocar de escola em caso de perseguição de diretor, que é acobertado por supervisor... é melhor nem pensar nestas coisas
Anônimo disse…
Concordo,mas alguém tem que tomar providencias,não podemos continuar assim,tem que separar o joio do trigo.Vou contar o que aconteceu numa escola: O diretor cobrava RS3,00
por uma carteirinha que era o passaporte do aluno, falou em HTPC que tinha pago RS 1,00 pela mesma em uma gráfica ,mas por ironia do destino dele ,fui tabalhar em outra escola , e conversando com uma aluna fiquei sabendo que a mesma era filha do dono da gráfica onde o diretor comprou as malditas carteirinhas e pagou apenas 0,60
fui questionar com a ratazana e ele me deu várias rabadas.
PS: A escola tinha na epoca mais de 1500 alunos quatro períodos
Fabiana disse…
Eu fui tesoureira na escola estadual Walter Belian no ano de 2002.O diretor da época me chamava e na inocência eu assinava cheques em branco e nunca via notas fiscais nem balancetes, uma professora da escola me alertou para não assinar os cheques em branco que era proibido.
Fui adquirindo experiência com o passar do tempo através da diretora na época da Emei Elis Regina as vezes eu entrava as 07:00 horas da manhã e saia as 18:00 horas conferindo notas fiscais e fazendo balancetes, quando não fazíamos os balancetes a diretora me chamava para ir com ela ao banco para fazer deposito de dinheiro que entrava da festa junina,ou comprar lembrancinhas para as crianças na semana da criança com esse dinheiro arrecadado.
Quando fui participar da APM da Emef Imperatriz D. Amélia em 2005 era o mesmo esquema da escola Walter Belian em 2002 e o presidente da APM era o diretor da escola Walter Belian que na Emef era professor, eu sai fora rapidinho.
Fabiana disse…
Em todas as escolas acontece essas coisas e muitos sabem só que escondem e quando denunciam não colocam seu nome, não querem ter problemas com esse bando.
Até porque eles tam apoio de muita gente importantee sempre sai impune de qualquer denúncia e quem sai perdendo são os estudantes.
Anônimo disse…
Passei a noite sonhando com essa laranja , foi engraçado, no sonho eu via a laranja e por trás eu via a cara de uma diretora mentirosa, safada e covarde.Trabalha em equipe.
E ela parece mesmo com a laranja , advinha?
Fabiana disse…
Oi Fabiana!
Você tem toda a razão e muitos pais fecham os olhos pra esse tipo de situação.
Anônimo disse…
então....
acho que a Giulia está esperando o caso Lucas Roschel se resolver para atualizar o site...
outro anônimo disse…
idem imperatriz dona amélia.
Anônimo disse…
Essa laranja podre é comparada ao
Dirigente da Sul III e a diretora do Lucas Rasquinho , é a banda podre da educação, que deve ser banida,assim como, as encarnações de Joaquim Silveiro dos Reis , Brutus,
Judas, e outros.
Anônimo disse…
Estou no momento denunciando uma diretora por não cumprir a legislação e o triste e que todos os professores não manifestam indiguinação pelos fatos e leis que deixaram de serem obedecidos.Mas eu vou até o fim e se justiça não for feita pelo menos saberei que eu não sou conivente com todo o autoritarismo e cara de pau desta direção.A consciência e o que somos no fim das contas!!