A escola-problema


Não deixe a escola atrapalhar a sua educação
Mark Twain

É voz corrente que a escola não ensina. Engano! É muito pior: a escola impede a aprendizagem. Não ensinar seria problema menor. Se a escola não impedisse, as crianças aprenderiam da forma que a humanidade aprendeu em seus primórdios, quando não havia essa "coisa sarnenta", como Adélia Prado define a escola em seu livro Solte os cachorros (Siciliano, 1991, pág.10).

A tragédia da escola na vida de nossas crianças é que ela impede de aprender. Ela bloqueia, anula a inteligência inata das crianças. A escola emburrece.
Através do autoritarismo, da rabugice, da incompetência, da mesquinhez, da estreiteza, ela aniquila, destroça, arrasa o desejo de aprender, a sede de conhecimento, a curiosidade inerente às crianças.

Albert Einstein disse "É um milagre que a curiosidade sobreviva diante do ensino convencional das escolas".
Einstein ainda foi benevolente. Poucos sobrevivem. A maioria não resiste à cerebrotomia praticada por essa pseudo-educação em nosso país.

Glória Reis, professora http://gloria.reis.blog.uol.com.br/

Comentários

Mário disse…
Pois é. Há muito caminho a ser percorrido até chegarmos ao ponto de equilibrio entre ensino, aprendizagem, desenvolvimento pessoal e motivação.
Giulia disse…
Eu sempre trago esses textos da Glória porque ela é a única pessoa no pais que consegue enxergar de fato e se dispõe a divulgar o que acontece na rede pública de ensino. Quando ela fala que a maioria dos alunos não resiste à cerebrotomia, ela está coberta de razão: a maioria dos alunos não concluem o ensino médio, seja por serem expulsos, seja por perceberem que seu esforço de ficarem sentados em um banco escolar durante 75% do ano letivo (25% são aulas vagas) ouvindo professor ralhar e/ou vomitar sua ignorância, não vale a pena. Ninguém enxerga isso! O último artigo de Gustavo Ioschpe na Veja foi uma decepção http://veja.abril.com.br/gustavo_ioschpe/index_290808.shtml. Ele afirma que o Brasil valoriza as minorias deficientes e incompetentes, em detrimento dos "superdotados". Em primeiro lugar, essa história de proteger as minorias no Brasil é a maior hipocrisia, pois, quanto mais pobre, carente e deficiente, pior é tratado! Além disso, quem seria capaz de detectar a presença de superdotados na educação brasileira? Os professores analfabetos funcionais que pululam na rede de ensino?... Que decepção, Gustavo Ioschpe!