Por que, diabos, a sociedade não reclama?


Esta pergunta foi colocada no portal Luis Nassif no Fórum Propostas para a Educação, em que alguns debatedores não entendiam porque a sociedade se cala diante do sucatamento do ensino público. Segue a mensagem que postei lá, para discussão aqui no nosso espaço.

Quando se pergunta por que a sociedade não reclama, entende-se os pais de alunos da rede pública. Esse é o problema! Se a sociedade como um todo entendesse que o problema é grave e prejudica todo o país, isso poderia ser o início de uma verdadeira mudança. Mas não é esse o caso. Os filhos dos formadores de opinião estudam na rede particular e isso causa um certo desinteresse pelo ensino público. Uma pena! Eles não fazem idéia de quanto seus próprios filhos poderão vir a ser prejudicados mais tarde...

Por outro lado, certos pais de alunos da rede pública, como eu, reclamam em todas as instâncias possíveis, mas não recebem apoio da mídia, sem o qual nenhuma questão consegue tomar proporções consideráveis. E a mídia só se interessa por assuntos que envolvem grande número de pessoas. Parece um contrasenso, pois a grande maioria da população brasileira tem seus filhos na rede pública, mas não reclama. Nem na escola e muito menos publicamente.
Na escola, os pais que reclamam costumam ser tratados por diretores e demais profissionais como arruaceiros e baderneiros. Na melhor das hipóteses, como desocupados. Recebi de meus próprios filhos alguns "recados" de professores e diretores de escola, no sentido de eu "arrumar algumas roupas ou panelas para lavar". Esses "profissionais" nunca tiveram coragem de me dizer isso pessoalmente, pois sabiam que eu responderia à altura e que tinha algum contato com a mídia, o que poderia "expor" a escola. Os pais mais humildes, porém, ao reclamar, não recebem recados: eles costumam ser tratados aos gritos ou ameaçados, além de terem seus filhos marcados e perseguidos, manobra que funciona em 99% dos casos, já que os pais da rede pública não têm outra opção a não ser a escola do bairro. Mudar os filhos para outra escola do mesmo bairro significa levar para lá o histórico de "aluno problema", "laranja podre que contamina as outras".

Reclamar publicamente pode ser extremamente estressante, como no caso de duas mães da rede municipal de São Paulo, que fizeram sérias denúncias e tiveram seus filhos perseguidos de forma vergonhosa. Levei essas mães pessoalmente para a SME, elas foram "submetidas" a uma ridícula investigação que concluiu pela "inconsistência" das denúncias e isso incentivou a diretora da escola a vingar-se das mães abrindo inquérito policial contra elas. Vou dar apenas uma idéia de algumas das denúncias, mais do que comprovadas nos livros de ocorrências e de atas do Conselho de Escola:

- exibição da fita pirata Tropa de Elite para alunos de 6ª Série;
- funcionária tira sapato do pé de uma criança e o atira nas costas de outra, deixando marcas testemunhadas pelo próprio presidente do Conselho de Escola, que não foi interrogado durante a investigação;
- reforma irregular do prédio, realizada durante horário de aulas, com crianças passando embaixo de andaimes;
- compra de copiadora adquirida de parente da diretora, sem aprovação do Conselho nem coleta de orçamentos.

Ao receberem a intimação da delegacia, levei essas mães novamente à SME e desta vez fomos atendidos pelo próprio secretário Alexandre Schneider, que foi tão "charmoso" e amável quanto costuma ser, negou-se porém a interferir no assunto junto à diretora da escola... Moral da história: as mães continuaram a ser as "baderneiras" da escola, já que a diretora fez a cabeça de toda a comunidade escolar contra elas, e seus filhos continuaram sendo as "crianças-problema".

Comentários

victorzazuela disse…
"Os filhos dos formadores de opinião estudam na rede particular e isso causa um certo desinteresse pelo ensino público."

Já acordei do sonho.

Acreditar, de hoje em diante, significa PRA MIM, delirar - não mais sonhar.
Cremilda disse…
Qual pedaço desse texto você colocou no portal no Nassif.
Colocou no Forum ou no seu blog..
Sei não, pode ser implicância minha, mas parece que seu blog ficou muito mansinho depois de sua entrada no Portal do Nassif.
Cremilda disse…
Ah...já ví.
Mas não deu nome da escola, fica na base do faz de conta....
Se tivesse dado o nome da escola aí sim, eu ia sentir firmeza, mas assim meio no ar...
Bem, que se pode fazer....
Assim você não vai nunca cutucar ninguém e portanto não corre o risco de ser expulsa...
Giulia disse…
Cremilda, como assim implicância? Nunca fui para o seu blog para implicar... Por favor faça o mesmo.
CREMILDA disse…
Claro que pode ir no meu blog para implicar...
Pode e deve.
Se eu não puder implicar, não volto mesmo.


MAS QUE GIRA, GIRA...
Giulia disse…
Cremilda, para com essa arrogância!... Tudo o que não precisamos é de fogo amigo e esse tipo de atitude apequena a nossa causa. Eu me dei um trabalho imenso no portal do Nassif para recuperar a imagem do Mauro, tem um tópico meu lá só sobre isso, onde tive que debater com uma série de cobras criadas. Depois de ler um comentário como esse que você fez aqui, me pergunto para que eu fiz isso. Meu intuito foi e continua sendo divulgar a nossa causa, mas nessas horas me pergunto se é a mesma. Eu não acredito em milagres, nem em gritaria, nem em srrogância. Respeito sua posição e peço que respeite a minha, aqui no meu espaço. Tem pessoas que não conseguem ou não querem entender o óbvio, então não adianta dar murro em ponta de faca. Se continuo no portal do Nassif é porque muita gente vem de lá para visitar o EducaFórum e pode mudar sua forma de pensar. Se você acha que meu blog é "mansinho" considero como elogio, pois não acredito na imposição de idéias, mas no debate sério e sem agressões.
Victorzazuela disse…
Concordo em gênero, número e grau contigo, Giulia. Toda luta não deve se pautar por ressentimento e brutalidade.
Eu desisti justamente porque batia de frente muitas vezes. Isso me cansou e, além de me destruir fisicamente, acabou com meus sonhos de uma educação melhor.
Continuem a lutar, mas com a suavidade da inteligência!!!!
agasol disse…
Giulia
Sou professor da rede pública e acompanho o seu blog pq ele me dá subsídios para fazer a reflexão com meus colegas.É bom vê esse lado dos pais numa rede q costuma ser pouco cobrada pl família.Queria ver mais pais como vc aqui em Alagoas.
Acho q 98% do q vc publica tem razão de ser.
E antes q vc presuma eu não tenho filhos,mas acredito na rede pública e pretendo colocá-los nela pq é essa educação q é a cara do Brasil, portanto dessa forma me faz preocupar mais com ela.
agasol disse…
Eu queria mandar esse link pra vc.É uma iniciativa do próprio governo federal.Talvez até vc já o conheça,mas ele é importante pra ser divulgado.Pq a gente precisa da família na escola.Aqui eu já conversei com alguns amigos pra averiguar a possibilidade.Queria q vc divulgasse no seu blog já q não vi nenhum comentário sobre.

http://mse.mec.gov.br/
Giulia disse…
Olá, Agasol, é um prazer ter você aqui! Achei interessante o link, mas gostaria que você contasse sua experiência na prática. Temos tido notícias pouco confortadoras de todo o Brasil, por isso precisamos que os projetos bem sucedidos sejam relatados com detalhes. Um abraço e volte sempre!
Giulia disse…
Gente, recebi uma notícia muito interessante: no dia anterior ao que acompanhei as mães na SME para a reunião com o Alexandre Schneider, o inquérito policial instaurado pela diretora da escola contra essas mães foi... arquivado! Por que será? rsrsrs Que bom que de vez em quando a gente pode dar uma gargalhada! rsrs
Mãe da escola disse…
Eu não me arrependo de nada do que eu fiz.
agasol disse…
VC fala de projetos como professor ou desse projeto q eu te passei aí???
Giulia disse…
Oi, Agasol, falo das duas coisas: sua experiência como professor e sua experiência no projeto. Por exemplo: os vídeos do programa Mais Educação, que postei aqui, são lindos e os projetos parecem muito bem realizados. Mas sem o depoimento de gente "de carne e osso" pode se tratar de... propaganda eleitoral.
Giulia disse…
Mãe da escola, que bom que você não se arrependeu! Infelizmente, porém, você é a exceção que confirma a regra...
Cara Giulia,

Muito bom artigo, eu e minha esposa já sentimos exatamente isso na pele.

Hoje, após ter desistido de dar murro em ponta de faca, desdobro-me para pagar uma escola particular.

Gostaria muito que os demais pais também tomassem uma atitude contra toda essa irregularidade.

[]’s
Cacilhας, La Batalema

Postagens mais visitadas deste blog

A expulsão é legal?

Escola pública ou particular. Qual a sua opção?...

Respeito ao aluno, 3ª Parte. A expulsão da escola