A múmia vestiu a carapuça, rsrs...


Divirta-se com a discussão sobre a "bula" que o CNE quer aplicar à obra de Monteiro Lobato, taxada de racista. No vídeo do link copiado abaixo, o douto mestre do Conselho Nacional da Educação acabou vestindo a carapuça, ao fazer um paralelo entre o CNE e a a Santa Inquisição, rsrsrsrs...


Aliás, esse possível (possível, sim! pois as múmias estão soltas!) veto à obra de Monteiro Lobato é apenas a cereja de um bolo podre que está sendo servido às crianças e adolescentes brasileiros pelo mercado editorial, há anos. Devido às recomendações oficiais, de que as obras editadas para a infância e a juventude sigam os critérios do politicamente correto, os autores já vão "ajeitando" seus textos para não serem sumariamente rejeitados pelas editoras, que querem vender livros e sabem que eles não serão adotados pelas escolas e muito menos pelos milionários projetos governamentais, caso contenham palavras, frases ou atos "não recomendáveis". Ao chegar às editoras, mesmo já "ajeitados" pelos autores, os textos passam por novos "remendos" e chegam às prateleiras "pasteurizados".

Alguns exemplos: um livro destinado a uma criança de dez anos, por exemplo, não pode contar a história de uma criança cujo pai ou tio fume ou tome bebida alcoólica; não pode haver no livro palavra chula ou xingação; de preferência, que a criança retratada no livro não seja mal-educada, que não chute um cachorro, que não puxe rabo de gato... A cada "falha" desse tipo no texto, as chances de publicação são cada vez mais reduzidas. A quem serve uma literatura manipulada ideologicamente?...

Talvez essa polêmica sobre a obra de Monteiro Lobato sirva para expor a CENSURA velada já em curso na literatura infanto-juvenil no Brasil. CENSURA, essa, que tenta varrer debaixo do tapete os reais preconceitos que assolam a sociedade brasileira. Preconceitos que promovem o apartheid da infância já na idade escolar - quando o "filho da patroa" vai para a escola particular e o "filho da empregada" para a pública. Preconceitos que permitem à classe "docente" tratar o aluno da rede pública por "anta, pivete, estrupício" e convocar um tribunal ilegal para sua expulsão da escola.

Nenhuma "bula" vai diminuir qualquer preconceito no país. Preconceitos têm a ver com valores adquiridos geralmente na infância e adolescência, através do EXEMPLO, principalmente dos adultos. Nenhuma sociedade, em todo o planeta, está totalmente livre de preconceitos. Entretanto, em países onde a democracia não está consolidada, são mais fortes e abafados pela censura e pela manipulação ideológica. Alguma semelhança?...

Comentários

Giulia disse…
Os doutos mestres desculpem a expressão "múmia", mas me pareceu que seria esse mesmo o termo usado por Monteiro Lobato, se estivesse assistindo a esse debate sobre sua própria obra, rs...

Postagens mais visitadas deste blog

A expulsão é legal?

Escola pública ou particular. Qual a sua opção?...

Respeito ao aluno, 3ª Parte. A expulsão da escola