Pular para o conteúdo principal

A escola tabu nº 36 - Por que os alunos não aprendem


Na mídia, a capacitação dos professores é mais um assunto tabu, mantido a sete chaves para que a corporação possa continuar responsabilizando o aluno e a família pelo fracasso da escola.

Finalmente, o depoimento de duas grandes educadoras brasileiras demonstra por que os alunos não aprendem. Em debate realizado durante seminário internacional organizado pelo Instituto Singularidades, no dia 8 de novembro, Bernadete Gatti, da Fundação Carlos Chagas, e Eunice Durham, professora da USP, se posicionaram clara e corajosamente sobre esse assunto tabu.

A educadora Bernadete Gatti foi professora de crianças e adolescentes durante anos, antes de se voltar para a área acadêmica, onde é reconhecida por sua clareza de pensamento e de expressão. Alguns dos seus textos podem ser lidos no site da UNESCO.

Bernadete aponta as exacerbadas diferenças sociais no Brasil, onde 50% dos jovens que deveriam frequentar o ensino médio estão fora da escola, o que alimenta a segregação social, através da segregação educacional. As deficiências no ensino e a falta de resultados provocam a evasão de enorme contingente de jovens. Pedindo desculpas por usar uma expressão muito forte, ela descreve a formação de professores no Brasil como desqualificada, por faltar a prática de ensino em praticamente todas as disciplinas e nos métodos de alfabetização, com estágios inexistentes ou realizados sem supervisão. Segundo ela, os cursos de pedagogia nas universidades brasileiras são arcaicos, teóricos e desvinculados das salas de aula. É necessária uma urgente reformulação desses cursos, bem como uma supervisão dos cursos à distância, cada vez mais frequentes e de qualidade duvidosa.

Bernadete lembra que a elaboraçao da LDB - Lei de Diretrizes e Bases da Educação, sancionada em 1996, foi acompanhada do compromisso de saldar uma dívida histórica com a sociedade, proporcionando educação de qualidade à população excluída. O pagamento dessa dívida está sendo feito de forma muito lenta e é gritante a desproporção entre o enorme contingente de recursos aplicados e os resultados pífios. O sistema educacional está "afogado" em avaliações, sem foco nas soluções.

A educadora Eunice Durham não teve tanta vivência em escolas quanto Bernadete Gatti, mas nasceu em família de professores e pautou toda a sua carreira acadêmica no estudo e pesquisa da escola. Com estilo alegre e irreverente, ela caracteriza o professor de forma sucinta e objetiva:
- O mau professor é aquele de quem os alunos não aprendem.
- O bom professor é aquele de quem os alunos aprendem.
- O professor excelente é aquele de quem os alunos aprendem com prazer.

Na opinião de Eunice, bons professores são uma raridade no Brasil. E pela primeira vez, em um seminário educacional, alguém menciona a questão da aula vaga no ensino público, assunto proibido nas secretarias da educação. Eunice Durham, sem papas na língua, declara que 1/3 das aulas devidas deixam de ser dadas na rede pública, fenômeno tipicamente brasileiro que deve ter deixado perplexos os convidados internacionais ao seminários, vindos da Espanha, Chile, Canadá e Austrália.

Eunice lamenta a destruição do Curso Normal, voltado para a prática do ensino e, como Bernadete, critica as universidades, voltadas para a formação de doutores e não de professores. Entre as causas que impedem o avanço da educação, ela também aponta a atuação dos sindicatos, que têm resistência a quaisquer mudanças.

Nada do que foi falado por essas duas educadoras é novidade aqui e, infelizmente, a repercussão desse seminário é restrita ao ambiente universitário, pois a mídia nacional não se interessa por educação. Para nós, porém, foi muito importante esse reconhecimento da incompetência docente, feito por quem está no topo da pirâmide educacional. Finalmente, os alunos e as famílias foram publicamente isentados de culpa pelo fracasso da escola. Como sempre dizemos aqui, a suposta "satisfação" da população brasileira pela qualidade da educação ocorre por dois motivos: a real incapacidade de famílias mal alfabetizadas perceberem a incompetência dos professores e, por outro lado, o medo de tecer qualquer crítica à escola, o que sempre acarreta perseguição e muitas vezes até expulsão dos filhos. Disso, provavelmente, as duas educadoras e os convidados internacionais ao seminário nem desconfiam...

Comentários

Anônimo disse…
Por que os alunos não aprendem?

Simples. Porque existem aqueles que ficam mimando eles. Passando mão na cabeça e fazendo vista gosta para tudo que eles fazem (tipo xingar professor, ficar batucando e ouvindo funk bem alto no celular, ficar de costas para o professor quando este está tentando explicar algo... e por aí vai). Quando existem alunos interessados em estudar estes são criticados, chamados de "bonzinhos" e "otários", enquanto se comportar como maloqueiro e marginal virou virtude.
Durma-se com um barulho desses!

Olegário
Giulia disse…
Olegário, é isso mesmo, continue dormindo!
Anônimo disse…
Estou bem acordado e atento, dona madame! A senhora é que vive num mundo de fantasias, enganando os outros (enganar a si mesma a senhora não está, pois é espertíssima e se aproveita bem dessa situação, assim como a sua colega truculenta, a Cremilda) Em que partido a senhora vai se candidatar nas próximas eleições? Quais os figurões que apóiam vossas senhorias?

Olegário
Giulia disse…
Caro Olegário, sua própria truculência o trai. Pode ficar acordado até à próxima eleição, ou então se candidatar no meu lugar, se for essa a sua vocação, pois não é a minha.
cremilda disse…
Mas é isso mesmo
Esse tipo de psor não escreve no meu blog.
Ponto. Saudações.
Quando escreve e passa eu revejo e deleto.
Simples assim.
cremilda disse…
Olegário, não sou nem filiada a nenhum partido politico, mas se quisesse seria um direito meu líquido e certo.
Não tenho intenção de me candidatar acho que nem a Giullia.
Acho que educação deveria ser de interesse de todos, independente de partido político, que partidarizar a luta é apequenar a causa...
Em toda eleição tem cem pessoas em cada partido candidata para defender as "coitadinhas" das professoras, se sair alguém para defender os alunos é legitimo e se eu sentir que é sério,apoio, com certeza.
Vamos aguardar.
Anônimo disse…
Os alunos não aprendem porque os professores não ensinam, muitos deles (professores) nem sequer dominam o conteúdo de suas disciplinas! Não existe aluno burro, existe aluno fraco e se é fraco é porque não tem como aprender sozinho! Simples assim.
Anônimo disse…
Nossa quanto carnaval. Realmente este é o pais do carnaval. Tudo isso é tão sério! Tenho estado calada, pensado e recolhida com todos os absurdos que eu vivi e que estou vendo meu filho viver. Se eu tivesse todo o dinheiro do mundo para fazer justiça eu não conseguiria fazer a justiça do mal que foi feito ao meu filho no que diz respeito ao ensino.

O Brasil anda de marcha ré !

Espero que todos acordem logo porque só o ensino pode fazer brilhar um pais!
Giulia disse…
Senhores e senhoras anônimos(as):fique claro que seus comentários só serão publicados se tiverem um mínimo de urbanidade, caso contrário são imediatamente deletados.

Postagens mais visitadas deste blog

A expulsão é legal?

Recebemos a seguinte mensagem de Manaus e a respondemos no comentário. Dê também sua opinião!
Sou ex-Conselheiro Tutelar e hoje trabalho como consultor de projetos sociais na Prefeitura. No entanto, estou sempre envolvido com o problema de atitudes arbitrárias em escolas públicas onde alunos são expulsos ou suspensos sem qualquer critério legal. Por este motivo gostaria de estar recebendo informações mais detalhadas sobre a legalidade desse procedimento adotado pelas escolas. Até que ponto a escola teria poderes para expulsar alunos, ou trata-se de um ato totalmente ilegal? Favor encaminhar informações jurídicas sobre o caso.

Respeito ao aluno, 3ª Parte. A expulsão da escola

Este é certamente o problema mais grave da escola brasileira: a expulsão de alunos. Além de não ser inclusiva, ela é inóspita para os alunos já matriculados e, na primeira oportunidade, eles são "convidados" a sair da escola, ou então, sumariamente expulsos. E aqui sempre fazemos o mesmo apelo aos pais: não permita que seu filho seja expulso, procure entender o que está por trás dessa atitude da escola! Tenha a coragem de enfrentar essa questão de cabeça erguida, não seja mais uma vítima de um sistema de exclusão.
Já falamos aqui exaustivamente sobre a expulsão na rede pública de ensino, que se dá de várias formas: "oficialmente", através do Conselho de Escola,  através de manobras dos diretores de escola, ou de forma "branca".

A expulsão na rede particular é tão ou até mais frequente do que na pública, e isso também já demostramos aqui diversas vezes. Mas na rede particular ela costuma ser melhor disfarçada, através de um "convite" para buscar …

Escola pública ou particular. Qual a sua opção?...

De vez em quando a gente atende uns pais de alunos bem descontrolados, difícil manter a linha. Faço questão de reproduzir aqui toda a troca de mensagens com um cidadão que quase me tirou do sério... rs
Dia 4 de setembro "Por um acaso deparei com seu site. Gostaria de que me informassem se é LÍCITO aluno de escola pública ser agraciado; com merenda substanciosa ; material escolar, transporte, uniforme e até tablets, pelos quais pouco se exige de cuidados e/ou devolução; pelos PODERES PÚBLICOS, enquanto que alunos de escolas particulares, cujo custo é elevado e que foi assumidos pelos pais como opção, para que tenham uma escola  de melhor qualidade; não é fornecida merenda, material, livros, transporte,nem tablets em pé de IGUALDADE? Será que os cursos das escolas particulares são regidos por diretrizes, normas, conteúdos, ou programas de entidades estranhas ao Ministério da Educação do Governo Federal? Será que as crianças das escolas particulares não são Cidadãos Brasileiros? Será…