Pular para o conteúdo principal

A escola tabu nº 46 - Perseguições e represálias




Muitos pedidos de ajuda que recebemos são extremamente difíceis de atender. Trata-se das famosas perseguições e represálias de profissionais do ensino contra alunos, frutos do rancor, da intolerância e, às vezes, até do ódio que certos "educadores" sentem por aqueles que deveriam conduzir.

O final do ano letivo é sempre a época em que recebemos o maior número desses pedidos, pois é quando esses profissionais expressam seus sentimentos através da reprovação de alunos. E ai dos pais que se atrevem a questionar a repetência dos filhos, caso eles permaneçam na mesma escola no ano seguinte: a represália não tardará e possivelmente levará à expulsão dos alunos.

Já falamos bastante aqui da repetência, esse atestado de incompetência da escola, cujo único objetivo é livrar o professor do aluno indesejado, largando-o com outro professor no ano seguinte. Apenas isso.

As maiores vítimas da repetência são os alunos mais inteligentes, aqueles que percebem o imenso tédio da escola tradicional, onde são condenados à eterna cópia & decoreba de conhecimentos geralmente sem nexo com a vida, o que lhes impede de desenvolver seu potencial. A vingança de seus "educadores" se realiza, principalmente, quando esses se sentem provocados pela inteligência dos alunos. E dá-lhe reprovação!

Recebemos este mês dois casos bastante típicos e não soubemos como ajudar, pois nada é mais difícil de provar do que  a perseguição do "santo" professor contra o aluno.

O primeiro caso é de um aluno de escola particular de São Paulo, que ficou de recuperação em cinco disciplinas, mas resolveu se esforçar e realmente teve resultados surpreendentes, com notas excelentes em algumas matérias, faltando apenas alguns décimos para fechar a média final. Foi reprovado, não pela falta dos tais décimos, pois o regimento da escola reza que a nota deveria ser arredondada para cima, mas porque o conselho de classe considerou que o aluno "teria se esforçado apenas para passar de ano". Os pais entraram com um recurso inteligente demais, o que nos faz pensar que o resultado será... o indeferimento, rsrs. Eles alegaram que: 
  •  De acordo com o regimento, o aluno deveria ser promovido, já que o arredondamento não foi respeitado.
  • A somatória das notas de uma disciplina não batia (!!!), subtraindo ao aluno alguns décimos da média final.
  • Em uma das provas dadas - PASME! - foram "corrigidas" 3 palavras grafadas corretamente pelo aluno!
  • Outros colegas do aluno, que estavam com pontuação menor que a dele, foram promovidos.
Duvidamos que esse recurso resulte na promoção do aluno, pois todos os pontos levantados pelos pais comprovam a incompetência da escola e demonstram que se trata de um caso de perseguição. Para qualquer escola, isso é uma afronta.

O segundo caso é de uma escola pública tradicional do Rio de Janeiro, famosa por suas intermináveis greves, sendo que a do ano passado durou mais de 2 meses. O aluno em questão tem o enorme "defeito" de facilidade na aprendizagem e costuma se acomodar, garantindo-se no final, o que irrita os professores. Apesar de outros alunos estarem com pontuação menor que a dele, foi o único reprovado da classe. Ele foi para a prova final em 8 disciplinas e obteve êxito em 6. 
  • Em matemática, mesmo tendo tirado 65, a professora o reprovou por 0,1 na média final.
  • Em química, ele foi reprovado por 2 pontos, mas o professor havia lhe falado que, se fosse reprovado só em sua matéria, ele lhe daria os pontos necessários.
  • Um funcionário responsável pela disciplina, ao ver o aluno com o cabelo raspado, lhe disse: "Você está parecendo maluco estuprador de velhinhas". O apelido pegou.
Está bem claro que o aluno foi objeto de perseguição, mas dificilmente a escola admitirá sua parcialidade e voltará atrás em sua decisão. Uma escola que merece, sim, ser REPROVADA POR FALTAS, pois solapou 2 meses de aulas aos seus alunos, o que aliás já é uma tradição.

Esses casos de perseguição, na realidade, são "light". Já trouxemos aqui situações muito mais graves, que deixaram marcas profundas na personalidade dos alunos. Mas não vamos relembrá-las: afinal, estamos em tempo de férias, rs...

Comentários

Lilicris disse…
É.. e a vida continua e tenho a certeza de que casos como estes, não estão isolados, mas fazem parte de uma minoria que se manifesta e indigna-se por tanta indiferença, incompetência e frustração...
Lilicris disse…
Aguardemos páginas dos próximos capítulos... na esperança que dias melhores virão e que "erros" serão reparados e que vigorará o bom senso e claro o regimento interno, do qual as escolas tanto se orgulham, mas que diversos professores e coordenadores não se dão ao trabalho mínimo de lê- los, para não cometar tamanhos erros e injustiças...
Giulia disse…
É isso mesmo, Lilicris, apenas uma minoria se indigna e se manifesta, até por falta de informação e de coragem. São poucos os pais que pedem a revisão das provas, menos ainda são aqueles que conseguem obter as próprias provas para checar se a nota é justa. Mesmo assim, quantos pais entendem a questão da média final, dos décimos etc. etc.? Muitos não saberiam revisar os cálculos dos professores... Por isso, os pais do primeiro caso relatado no post estão de parabéns!!! Que isso sirva de exemplo para todos os demais.
Sou professor de filosofia e sociologia, da rede estadual, na cidade de Campo Largo - PR. Desde que assumi meus padrões venho sofrendo perseguição da direção e de um grupo de professores "nazistas". Essas pessoas que estão no poder há mais de dez anos fazem todo o tipo de irregularidade e nenhuma denúncia é feita nos órgãos competentes. Eu fiz uma denúncia em 2006, na ouvidoria do núcleo de educação e da SEED, mas nada foi feito. Espero que através desse blog e da minha página no facebook (http://www.facebook.com/contraimpunidadedenuncie?notif_t=page_new_likes) possamos unir forças para conscientizar o maior número de pessoas a tomar atitudes e dar um grito de basta à impunidade. Chega de sofrimento. Todos temos direitos e deveres, mas não podemos comungar com o assédio moral, sexual, perseguição e opressão. Parabéns pelos organizadores desse blog e contem comigo. Abraço fraterno.

Postagens mais visitadas deste blog

A expulsão é legal?

Recebemos a seguinte mensagem de Manaus e a respondemos no comentário. Dê também sua opinião!
Sou ex-Conselheiro Tutelar e hoje trabalho como consultor de projetos sociais na Prefeitura. No entanto, estou sempre envolvido com o problema de atitudes arbitrárias em escolas públicas onde alunos são expulsos ou suspensos sem qualquer critério legal. Por este motivo gostaria de estar recebendo informações mais detalhadas sobre a legalidade desse procedimento adotado pelas escolas. Até que ponto a escola teria poderes para expulsar alunos, ou trata-se de um ato totalmente ilegal? Favor encaminhar informações jurídicas sobre o caso.

Respeito ao aluno, 3ª Parte. A expulsão da escola

Este é certamente o problema mais grave da escola brasileira: a expulsão de alunos. Além de não ser inclusiva, ela é inóspita para os alunos já matriculados e, na primeira oportunidade, eles são "convidados" a sair da escola, ou então, sumariamente expulsos. E aqui sempre fazemos o mesmo apelo aos pais: não permita que seu filho seja expulso, procure entender o que está por trás dessa atitude da escola! Tenha a coragem de enfrentar essa questão de cabeça erguida, não seja mais uma vítima de um sistema de exclusão.
Já falamos aqui exaustivamente sobre a expulsão na rede pública de ensino, que se dá de várias formas: "oficialmente", através do Conselho de Escola,  através de manobras dos diretores de escola, ou de forma "branca".

A expulsão na rede particular é tão ou até mais frequente do que na pública, e isso também já demostramos aqui diversas vezes. Mas na rede particular ela costuma ser melhor disfarçada, através de um "convite" para buscar …

Escola pública ou particular. Qual a sua opção?...

De vez em quando a gente atende uns pais de alunos bem descontrolados, difícil manter a linha. Faço questão de reproduzir aqui toda a troca de mensagens com um cidadão que quase me tirou do sério... rs
Dia 4 de setembro "Por um acaso deparei com seu site. Gostaria de que me informassem se é LÍCITO aluno de escola pública ser agraciado; com merenda substanciosa ; material escolar, transporte, uniforme e até tablets, pelos quais pouco se exige de cuidados e/ou devolução; pelos PODERES PÚBLICOS, enquanto que alunos de escolas particulares, cujo custo é elevado e que foi assumidos pelos pais como opção, para que tenham uma escola  de melhor qualidade; não é fornecida merenda, material, livros, transporte,nem tablets em pé de IGUALDADE? Será que os cursos das escolas particulares são regidos por diretrizes, normas, conteúdos, ou programas de entidades estranhas ao Ministério da Educação do Governo Federal? Será que as crianças das escolas particulares não são Cidadãos Brasileiros? Será…