Pular para o conteúdo principal

Realfabetização - Compromisso com o aluno


Já elogiamos aqui a Secretária Municipal do Rio de Janeiro, Cláudia Costin (que é paulista), pela sua gestão voltada para o aluno. Atualmente, é um exemplo único em todo o Brasil, não apenas pela competência educacional, mas principalmente pelo compromisso com o aluno, esse ignorado ou esquecido pelas autoridades, em todo o Brasil.


Como costuma dizer o educador Rubem Alves, a maioria dos professores não-educadores nunca fala de seus alunos, apenas de salários, condições de trabalho, carreira, aposentadoria... Vemos esse modelo em praticamente todo o país, menos no Rio de Janeiro, onde os professores não demonstram apenas respeito, mas interesse, dedicação e amor pelos seus alunos. O exemplo vem de cima! Diferente dos demais Secretários da Educação, Cláudia Costin costuma falar entusiasticamente de seus alunos e demonstra seu interesse através dos projetos que implanta em sua Secretaria, desde a fascinante Educopédia, que leva a tecnologia para a educação, até o programa de Realfabetização, que se preocupa com os alunos analfabetos funcionais, esses que costumam ser culpados pelo fracasso escolar, junto com a própria família. São os alunos com baixa auto-estima, considerados incapazes de aprender e que muitas vezes abandonam a escola.

Enquanto a maioria das autoridades educacionais se preocupa em resolver a questão da alfabetização "daqui para frente", a prefeitura do Rio de Janeiro arregaça as mangas e assume a recuperação dos alunos que aos 9, 10 ou 11 anos ainda não entendem o que lêem, nem sabem redigir um pequeno texto. Um programa necessário para todo o Brasil e que merece ser estudado por todas as Secretarias da Educação.

As aulas de realfabetização são diferentes, não se trata da repeteba inconsequente à qual são sujeitos os alunos repetentes. O programa é concentrado e foca no essencial que o aluno perdeu em português e matemática, abordando temas das demais disciplinas e, principalmente, fazendo ligação direta com o cotidiano das crianças. Nas palavras da própria Cláudia Costin: "É como em paciente na UTI. Você praticamente para tudo e concentra no que é essencial".

Mas a adesão e o compromisso do professor são fundamentais para dar certo. Não adianta um programa bem elaborado sem a participação da classe docente. E é nesse quesito que a Secretaria da Educação do Rio de Janeiro faz toda a diferença. Basta acompanhar o Twitter @ClaudiaCostin para ver quantos educadores falam do sucesso dos próprios alunos, enquanto no Twitter das demais autoridades educacionais o tema costuma ser o salário, os concursos, a remoção, o bônus, enfim, os direitos do profissional da escola. Tem mais: aqui no EducaFórum recebemos denúncias de pais e alunos das redes públicas de ensino de todo o Brasil e podemos afirmar que praticamente o Rio de Janeiro é uma exceção.

Aqui em São Paulo, a única comparação que podemos fazer é com a gestão de Mário Sérgio Cortella, no início dos anos 90: uma rede de ensino focada no aluno e fervilhante de qualidade. Essa comparação mostra que partido político não garante competência na educação, já que o viés partidário da gestão Cláudia Costin é diferente daquele de Mário Sérgio Cortella. O único partido que funciona na educação é o "partido do aluno"!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A expulsão é legal?

Recebemos a seguinte mensagem de Manaus e a respondemos no comentário. Dê também sua opinião!
Sou ex-Conselheiro Tutelar e hoje trabalho como consultor de projetos sociais na Prefeitura. No entanto, estou sempre envolvido com o problema de atitudes arbitrárias em escolas públicas onde alunos são expulsos ou suspensos sem qualquer critério legal. Por este motivo gostaria de estar recebendo informações mais detalhadas sobre a legalidade desse procedimento adotado pelas escolas. Até que ponto a escola teria poderes para expulsar alunos, ou trata-se de um ato totalmente ilegal? Favor encaminhar informações jurídicas sobre o caso.

Respeito ao aluno, 3ª Parte. A expulsão da escola

Este é certamente o problema mais grave da escola brasileira: a expulsão de alunos. Além de não ser inclusiva, ela é inóspita para os alunos já matriculados e, na primeira oportunidade, eles são "convidados" a sair da escola, ou então, sumariamente expulsos. E aqui sempre fazemos o mesmo apelo aos pais: não permita que seu filho seja expulso, procure entender o que está por trás dessa atitude da escola! Tenha a coragem de enfrentar essa questão de cabeça erguida, não seja mais uma vítima de um sistema de exclusão.
Já falamos aqui exaustivamente sobre a expulsão na rede pública de ensino, que se dá de várias formas: "oficialmente", através do Conselho de Escola,  através de manobras dos diretores de escola, ou de forma "branca".

A expulsão na rede particular é tão ou até mais frequente do que na pública, e isso também já demostramos aqui diversas vezes. Mas na rede particular ela costuma ser melhor disfarçada, através de um "convite" para buscar …

Escola pública ou particular. Qual a sua opção?...

De vez em quando a gente atende uns pais de alunos bem descontrolados, difícil manter a linha. Faço questão de reproduzir aqui toda a troca de mensagens com um cidadão que quase me tirou do sério... rs
Dia 4 de setembro "Por um acaso deparei com seu site. Gostaria de que me informassem se é LÍCITO aluno de escola pública ser agraciado; com merenda substanciosa ; material escolar, transporte, uniforme e até tablets, pelos quais pouco se exige de cuidados e/ou devolução; pelos PODERES PÚBLICOS, enquanto que alunos de escolas particulares, cujo custo é elevado e que foi assumidos pelos pais como opção, para que tenham uma escola  de melhor qualidade; não é fornecida merenda, material, livros, transporte,nem tablets em pé de IGUALDADE? Será que os cursos das escolas particulares são regidos por diretrizes, normas, conteúdos, ou programas de entidades estranhas ao Ministério da Educação do Governo Federal? Será que as crianças das escolas particulares não são Cidadãos Brasileiros? Será…