Pular para o conteúdo principal

A escola tabu nº 50 - Apuração vai acabar em pizza?


Com este 50º número da série A escola tabu "comemoramos" a impunidade na rede paulista de ensino, apresentando uma denúncia muito grave. O assunto foi tratado na última reunião com o Prof. José Benedito e mais 6 Dirigentes de Ensino, que negaram a ineficiência das apurações preliminares e dos processos administrativos na rede. É que a visão deles é muito diferente da nossa, usuários da rede! Eles manipulam papéis, enquanto nós sentimos na pele os resultados pífios ou até nefastos dessas investigações.

O campeão da impunidade, desde que começamos a encaminhar denúncias para a SEE, é certamente o caso Araraquara, que foi por nós esmiuçado em dezenas de posts e até hoje resultou na punição dos menos culpados - ou mais inocentes... Montes de notas fiscais frias foram aqui publicadas, um dossiê foi entregue em mãos para a ex-secretária Maria Helena de Castro, sem que ninguém se pronunciasse a respeito, muito menos a FDE, que está claramente envolvida no assunto.

A denúncia que recebemos este mês é bastante grave e quando chegou às nossas mãos já estava correndo uma apuração preliminar. As pessoas da comunidade que entraram em contato conosco o fizeram porque sentiram que a investigação não iria dar em nada e estão com medo das inevitáveis represálias da direção da escola, caso  tudo acabe em pizza. 

A denúncia refere-se à EE Afiz Gebara, que pertence à DE Sul 2. Durante a reunião na SEE, dia 11 de abril, a dirigente da Sul 2 confirmou que o receio da comunidade tem fundamento, já que os depoentes não estariam confirmando as denúncias. Após a reunião contatamos a comunidade e pudemos confirmar o que sempre suspeitamos: mais uma vez uma apuração foi manipulada e esperamos que desta vez a SEE compreenda o nosso argumento, de que é perigoso deixar a investigação referente a uma escola sob a responsabilidade da diretoria de ensino responsável pela mesma...

Bem, esta semana reunimos a comunidade da escola e soubemos que a maioria das pessoas CHAMADAS A TESTEMUNHAR... adivinha?... é a favor da direção, portanto... não confirmou as denúncias!

Por este motivo estamos encaminhando hoje ao Prof. José Benedito uma lista de nomes de testemunhas que não foram chamadas: vice-diretores, professores e ex-professores, funcionários e ex-funcionários. Essas pessoas têm muito a dizer, mas certamente por isso mesmo não foram convidadas!! Assim é muito fácil abortar uma apuração...

Pelo mesmo motivo estamos solicitando à SEE extremo rigor na apuração, pois as denúncias são muito sérias, algumas nem vamos mencionar, pois são extremamente graves e dependem de depoimentos para serem confirmadas, PORÉM OUTRAS APENAS DEPENDEM DE INVESTIGAÇÃO:
  • A cantina da escola pertenceria à diretora, que desloca funcionários para buscar e vender os lanches.
  • A procedência das comidas servidas na cantina da escola seria desconhecida e duvidosa, bem como a higiene do local.
  • A diretora da escola falta demais, é praticamente ausente. É claro que essas faltas não devem estar registradas, pois os diretores de escola costumam dar-se presença, PORÉM existem na escola câmeras de vídeo que podem comprovar as faltas dela.
  • A diretora também não comparece ao projeto Escola da Família, pelo qual recebe e é responsável, aos domingos.
  • A vice-diretora escolhida pela atual diretora não teve aprovação do Conselho de Escola.
  • A escola teria adquirido, de parente da atual diretora, equipamentos sem nota: piscina de bolinhas, máquina de algodão doce, cama elástica etc.
Pelo menos essas denúncias podem ser apuradas por uma simples investigação e vamos cobrar isso com muito rigor. As demais dependem da coragem, da ética e da isenção das testemunhas. Vamos ver...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A expulsão é legal?

Recebemos a seguinte mensagem de Manaus e a respondemos no comentário. Dê também sua opinião!
Sou ex-Conselheiro Tutelar e hoje trabalho como consultor de projetos sociais na Prefeitura. No entanto, estou sempre envolvido com o problema de atitudes arbitrárias em escolas públicas onde alunos são expulsos ou suspensos sem qualquer critério legal. Por este motivo gostaria de estar recebendo informações mais detalhadas sobre a legalidade desse procedimento adotado pelas escolas. Até que ponto a escola teria poderes para expulsar alunos, ou trata-se de um ato totalmente ilegal? Favor encaminhar informações jurídicas sobre o caso.

Respeito ao aluno, 3ª Parte. A expulsão da escola

Este é certamente o problema mais grave da escola brasileira: a expulsão de alunos. Além de não ser inclusiva, ela é inóspita para os alunos já matriculados e, na primeira oportunidade, eles são "convidados" a sair da escola, ou então, sumariamente expulsos. E aqui sempre fazemos o mesmo apelo aos pais: não permita que seu filho seja expulso, procure entender o que está por trás dessa atitude da escola! Tenha a coragem de enfrentar essa questão de cabeça erguida, não seja mais uma vítima de um sistema de exclusão.
Já falamos aqui exaustivamente sobre a expulsão na rede pública de ensino, que se dá de várias formas: "oficialmente", através do Conselho de Escola,  através de manobras dos diretores de escola, ou de forma "branca".

A expulsão na rede particular é tão ou até mais frequente do que na pública, e isso também já demostramos aqui diversas vezes. Mas na rede particular ela costuma ser melhor disfarçada, através de um "convite" para buscar …

Escola pública ou particular. Qual a sua opção?...

De vez em quando a gente atende uns pais de alunos bem descontrolados, difícil manter a linha. Faço questão de reproduzir aqui toda a troca de mensagens com um cidadão que quase me tirou do sério... rs
Dia 4 de setembro "Por um acaso deparei com seu site. Gostaria de que me informassem se é LÍCITO aluno de escola pública ser agraciado; com merenda substanciosa ; material escolar, transporte, uniforme e até tablets, pelos quais pouco se exige de cuidados e/ou devolução; pelos PODERES PÚBLICOS, enquanto que alunos de escolas particulares, cujo custo é elevado e que foi assumidos pelos pais como opção, para que tenham uma escola  de melhor qualidade; não é fornecida merenda, material, livros, transporte,nem tablets em pé de IGUALDADE? Será que os cursos das escolas particulares são regidos por diretrizes, normas, conteúdos, ou programas de entidades estranhas ao Ministério da Educação do Governo Federal? Será que as crianças das escolas particulares não são Cidadãos Brasileiros? Será…