A escola tabu nº 50 - Apuração vai acabar em pizza?


Com este 50º número da série A escola tabu "comemoramos" a impunidade na rede paulista de ensino, apresentando uma denúncia muito grave. O assunto foi tratado na última reunião com o Prof. José Benedito e mais 6 Dirigentes de Ensino, que negaram a ineficiência das apurações preliminares e dos processos administrativos na rede. É que a visão deles é muito diferente da nossa, usuários da rede! Eles manipulam papéis, enquanto nós sentimos na pele os resultados pífios ou até nefastos dessas investigações.

O campeão da impunidade, desde que começamos a encaminhar denúncias para a SEE, é certamente o caso Araraquara, que foi por nós esmiuçado em dezenas de posts e até hoje resultou na punição dos menos culpados - ou mais inocentes... Montes de notas fiscais frias foram aqui publicadas, um dossiê foi entregue em mãos para a ex-secretária Maria Helena de Castro, sem que ninguém se pronunciasse a respeito, muito menos a FDE, que está claramente envolvida no assunto.

A denúncia que recebemos este mês é bastante grave e quando chegou às nossas mãos já estava correndo uma apuração preliminar. As pessoas da comunidade que entraram em contato conosco o fizeram porque sentiram que a investigação não iria dar em nada e estão com medo das inevitáveis represálias da direção da escola, caso  tudo acabe em pizza. 

A denúncia refere-se à EE Afiz Gebara, que pertence à DE Sul 2. Durante a reunião na SEE, dia 11 de abril, a dirigente da Sul 2 confirmou que o receio da comunidade tem fundamento, já que os depoentes não estariam confirmando as denúncias. Após a reunião contatamos a comunidade e pudemos confirmar o que sempre suspeitamos: mais uma vez uma apuração foi manipulada e esperamos que desta vez a SEE compreenda o nosso argumento, de que é perigoso deixar a investigação referente a uma escola sob a responsabilidade da diretoria de ensino responsável pela mesma...

Bem, esta semana reunimos a comunidade da escola e soubemos que a maioria das pessoas CHAMADAS A TESTEMUNHAR... adivinha?... é a favor da direção, portanto... não confirmou as denúncias!

Por este motivo estamos encaminhando hoje ao Prof. José Benedito uma lista de nomes de testemunhas que não foram chamadas: vice-diretores, professores e ex-professores, funcionários e ex-funcionários. Essas pessoas têm muito a dizer, mas certamente por isso mesmo não foram convidadas!! Assim é muito fácil abortar uma apuração...

Pelo mesmo motivo estamos solicitando à SEE extremo rigor na apuração, pois as denúncias são muito sérias, algumas nem vamos mencionar, pois são extremamente graves e dependem de depoimentos para serem confirmadas, PORÉM OUTRAS APENAS DEPENDEM DE INVESTIGAÇÃO:
  • A cantina da escola pertenceria à diretora, que desloca funcionários para buscar e vender os lanches.
  • A procedência das comidas servidas na cantina da escola seria desconhecida e duvidosa, bem como a higiene do local.
  • A diretora da escola falta demais, é praticamente ausente. É claro que essas faltas não devem estar registradas, pois os diretores de escola costumam dar-se presença, PORÉM existem na escola câmeras de vídeo que podem comprovar as faltas dela.
  • A diretora também não comparece ao projeto Escola da Família, pelo qual recebe e é responsável, aos domingos.
  • A vice-diretora escolhida pela atual diretora não teve aprovação do Conselho de Escola.
  • A escola teria adquirido, de parente da atual diretora, equipamentos sem nota: piscina de bolinhas, máquina de algodão doce, cama elástica etc.
Pelo menos essas denúncias podem ser apuradas por uma simples investigação e vamos cobrar isso com muito rigor. As demais dependem da coragem, da ética e da isenção das testemunhas. Vamos ver...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A expulsão é legal?

Escola pública ou particular. Qual a sua opção?...

Respeito ao aluno, 3ª Parte. A expulsão da escola