Pular para o conteúdo principal

O ex-ministro Márcio Thomaz Bastos e a moral nacional


Como se não bastasse o ex-Ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos, aceitar defender Carlinhos "quibunitinho" Cachoeira pelos módicos honorários de 15 milhões de reais, o modesto advogado "se esqueceu" de checar a origem do dinheiro, já que os "bens" do bicheiro estão bloqueados e, de qualquer forma, a renda por ele declarada é absolutamente incompatível com os honorários pagos.

Todavia, seus colegas da OAB não acham nada demais, pois não caberia ao advogado se preocupar com a origem dos recursos. O advogado não pode ser confundido com o cliente...

Assista a este bloco do Jornal da Cultura de ontem e repare no HILÁRIO depoimento do advogado que entenderia necessário verificar a origem do pagamento, caso fosse efetuado através de  algum bem, MAS NÃO, se for em dinheiro vivo!





Trocando em miúdos (RIA BASTANTE): se Márcio Thomas Bastos tivesse aceitado defender o bicheiro em troca de uma motocicleta, aí sim, seria necessário investigar a origem desse bem, mas se os honorários forem pagos através de uma mala ou de uma cueca  cheia de dinheiro, tudo bem!!! 15 milhões em notas de R$ 100 cabem dentro de uma única cueca?... E quem vai entregar esse "bem" incontestável ao dedicado advogado?...

Parabéns, Dra. Maristela Basso (também advogada), parabéns, Dra. Arlene Clemesha, parabéns Cristina Poli, parabéns a todas nós, mulheres do Brasil que não nos deixamos enrolar por argumentos ridículos que procuram justificar a imoralidade. 

É por essas e outras que continuo repudiando o ensino de "filosofia" e "sociologia" nas escolas públicas de Ensino Médio. A não ser que os tais professores de filosofia e sociologia se dessem ao trabalho de comentar com os alunos a imoralidade de uma atitude como a do ex-ministro e a apatia de uma sociedade que assiste passivamente a tal descalabro. Será???

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A expulsão é legal?

Recebemos a seguinte mensagem de Manaus e a respondemos no comentário. Dê também sua opinião!
Sou ex-Conselheiro Tutelar e hoje trabalho como consultor de projetos sociais na Prefeitura. No entanto, estou sempre envolvido com o problema de atitudes arbitrárias em escolas públicas onde alunos são expulsos ou suspensos sem qualquer critério legal. Por este motivo gostaria de estar recebendo informações mais detalhadas sobre a legalidade desse procedimento adotado pelas escolas. Até que ponto a escola teria poderes para expulsar alunos, ou trata-se de um ato totalmente ilegal? Favor encaminhar informações jurídicas sobre o caso.

Respeito ao aluno, 3ª Parte. A expulsão da escola

Este é certamente o problema mais grave da escola brasileira: a expulsão de alunos. Além de não ser inclusiva, ela é inóspita para os alunos já matriculados e, na primeira oportunidade, eles são "convidados" a sair da escola, ou então, sumariamente expulsos. E aqui sempre fazemos o mesmo apelo aos pais: não permita que seu filho seja expulso, procure entender o que está por trás dessa atitude da escola! Tenha a coragem de enfrentar essa questão de cabeça erguida, não seja mais uma vítima de um sistema de exclusão.
Já falamos aqui exaustivamente sobre a expulsão na rede pública de ensino, que se dá de várias formas: "oficialmente", através do Conselho de Escola,  através de manobras dos diretores de escola, ou de forma "branca".

A expulsão na rede particular é tão ou até mais frequente do que na pública, e isso também já demostramos aqui diversas vezes. Mas na rede particular ela costuma ser melhor disfarçada, através de um "convite" para buscar …

Escola pública ou particular. Qual a sua opção?...

De vez em quando a gente atende uns pais de alunos bem descontrolados, difícil manter a linha. Faço questão de reproduzir aqui toda a troca de mensagens com um cidadão que quase me tirou do sério... rs
Dia 4 de setembro "Por um acaso deparei com seu site. Gostaria de que me informassem se é LÍCITO aluno de escola pública ser agraciado; com merenda substanciosa ; material escolar, transporte, uniforme e até tablets, pelos quais pouco se exige de cuidados e/ou devolução; pelos PODERES PÚBLICOS, enquanto que alunos de escolas particulares, cujo custo é elevado e que foi assumidos pelos pais como opção, para que tenham uma escola  de melhor qualidade; não é fornecida merenda, material, livros, transporte,nem tablets em pé de IGUALDADE? Será que os cursos das escolas particulares são regidos por diretrizes, normas, conteúdos, ou programas de entidades estranhas ao Ministério da Educação do Governo Federal? Será que as crianças das escolas particulares não são Cidadãos Brasileiros? Será…