Pular para o conteúdo principal

A escola tabu nº 56 - Mergulhar as mãos na lama


Gustavo Ioschpe sugere a leitura do artigo Como melhorar a educação?, do ilustre catedrático Naércio Menezes Filho. Lemos com atenção e vamos comentá-lo dentro da nossa ótica de pais de alunos da rede pública de ensino:

Mesmo acreditando que o professor brasileiro se disponha a aceitar um feedback do seu trabalho (99% se recusam...), os diretores de escola, na maioria indicados e cuja função principal é "esperar a aposentadoria", dificilmente se indispõem com ele, sob pena de serem vítimas de manobras como a que rendeu a injusta demissão das excelentes e dedicadas diretoras das escolas estaduais Lucas Roschel Rasquinho e Joaquim Álvares Cruz, ambas localizadas na extrema periferia sul de São Paulo: leia clicando aqui essa história sórdida.

Aliás, este assunto está fervilhando, pois os mesmos "docentes" que conseguiram afastar as diretoras acima acabam de fazer a terceira vítima: a diretora da escola Prisciliana Duarte de Almeida, localizada na mesma região. Já em julho do ano passado alertamos a Secretaria da Educação sobre essa possibilidade, já que a "banda podre" da região, formada por profissionais relapsos e politiqueiros, tornara a reinar nas duas escolas vizinhas e ficara totalmente à vontade para boicotar o trabalho da diretora da EE Prisciliana, competente e principalmente compromissada com os alunos da escola. Leia o post que publicamos no dia 17/07/2011: A corja ataca novamente na DE Sul 3

O recado foi dado, mas a Secretaria da Educação desconsiderou o nosso alerta e então aconteceu o pior: sentindo dificuldade em derrubar a diretora, que até o fim ficou firme em suas cobranças de assiduidade, pontualidade e qualidade no trabalho, os profissionais e a vice-diretora instigaram os alunos ao vandalismo, até a escola ficar quase destruída. Sobrou para a diretora, que foi afastada por "má gestão"!

Então, hoje, essas três escolas da DE Sul 3 estão nas mãos da banda podre da "educação"! O problema não é a periferia nem a falta de verbas, mas o mau corporativismo de uma corja que não admite ser cobrada por diretores competentes e compromissados com o aluno. Mas a questão não é tão simples assim. Tamanha degradação só foi possível graças ao descaso e à conivência do dirigente da DE Sul 3, por nós alertado desde maio de 2008 sobre a gravidade da situação dessas escolas!!! 

Como não poderia ser diferente, a nota IDESP (de 1 a 10) das três escolas para o ensino médio é a seguinte:

EE Lucas Roschel Rasquinho                      IDESP 2011: 1,16                     
EE Joaquim Álvares Cruz                           IDESP 2011: 1,56
EE Prisciliana Duarte de Almeida               IDESP 2011: 1,10

Infelizmente, os formadores de opinião deste país têm seus filhos estudando na rede particular (que não é grande coisa melhor, porém, no mínimo, costuma dispensar os maus profissionais!), assim não fazem ideia da perversidade do sistema. Não será uma política educacional mais eficiente e com mais verbas a resolver a problemática do ensino público. A sociedade precisa ter a vontade e a coragem de   mergulhar as mãos nessa lama!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A expulsão é legal?

Recebemos a seguinte mensagem de Manaus e a respondemos no comentário. Dê também sua opinião!
Sou ex-Conselheiro Tutelar e hoje trabalho como consultor de projetos sociais na Prefeitura. No entanto, estou sempre envolvido com o problema de atitudes arbitrárias em escolas públicas onde alunos são expulsos ou suspensos sem qualquer critério legal. Por este motivo gostaria de estar recebendo informações mais detalhadas sobre a legalidade desse procedimento adotado pelas escolas. Até que ponto a escola teria poderes para expulsar alunos, ou trata-se de um ato totalmente ilegal? Favor encaminhar informações jurídicas sobre o caso.

Respeito ao aluno, 3ª Parte. A expulsão da escola

Este é certamente o problema mais grave da escola brasileira: a expulsão de alunos. Além de não ser inclusiva, ela é inóspita para os alunos já matriculados e, na primeira oportunidade, eles são "convidados" a sair da escola, ou então, sumariamente expulsos. E aqui sempre fazemos o mesmo apelo aos pais: não permita que seu filho seja expulso, procure entender o que está por trás dessa atitude da escola! Tenha a coragem de enfrentar essa questão de cabeça erguida, não seja mais uma vítima de um sistema de exclusão.
Já falamos aqui exaustivamente sobre a expulsão na rede pública de ensino, que se dá de várias formas: "oficialmente", através do Conselho de Escola,  através de manobras dos diretores de escola, ou de forma "branca".

A expulsão na rede particular é tão ou até mais frequente do que na pública, e isso também já demostramos aqui diversas vezes. Mas na rede particular ela costuma ser melhor disfarçada, através de um "convite" para buscar …

Escola pública ou particular. Qual a sua opção?...

De vez em quando a gente atende uns pais de alunos bem descontrolados, difícil manter a linha. Faço questão de reproduzir aqui toda a troca de mensagens com um cidadão que quase me tirou do sério... rs
Dia 4 de setembro "Por um acaso deparei com seu site. Gostaria de que me informassem se é LÍCITO aluno de escola pública ser agraciado; com merenda substanciosa ; material escolar, transporte, uniforme e até tablets, pelos quais pouco se exige de cuidados e/ou devolução; pelos PODERES PÚBLICOS, enquanto que alunos de escolas particulares, cujo custo é elevado e que foi assumidos pelos pais como opção, para que tenham uma escola  de melhor qualidade; não é fornecida merenda, material, livros, transporte,nem tablets em pé de IGUALDADE? Será que os cursos das escolas particulares são regidos por diretrizes, normas, conteúdos, ou programas de entidades estranhas ao Ministério da Educação do Governo Federal? Será que as crianças das escolas particulares não são Cidadãos Brasileiros? Será…