Pular para o conteúdo principal

Educação ou adestramento?

Fala-se muito que a nossa escola é retrógrada e ancorada ao passado, como se isso nos isentasse, a nós que vivemos o presente, de resgatá-la para o hoje e o amanhã. Ficamos com a impressão de que "alguém" a largou lá atrás, numa época em que crianças e jovens "não precisavam" nem deviam ousar pensar, mas apenas engolir, copiar e decorar informações.

As pedagogias contemporâneas costumam pregar a liberdade de expressão, a construção do conhecimento, o estímulo da criatividade, mas, na prática escolar, tudo não passa mesmo de pregação. Lembro-me quando resolvi tirar meus filhos da escola "construtivista" em que estavam matriculados na primeira série. Logo na primeira semana de aula, comecei a receber bilhetes informando que conversavam, que atrapalhavam a professora. A lição de casa, então, era um suplício: ao topo da página, a criança tinha que escrever seu nome, a data do dia em extenso, o nome completo da escola (que era formado por 5 palavras) e o enunciado. Na hora de fazer a própria lição, a mão já não conseguia acompanhar. Pedimos uma reunião com a equipe pedagógica e fomos recebidos por um batalhão de profissionais (direção da escola, coordenação, conselho etc.) que se mostraram absolutamente surpresos: éramos o único casal que se queixava da "competência" da escola! Todos os outros pais cobravam eficiência, disciplina, trabalho e cadernos, muitos cadernos.

Isso ocorreu há um quarto de século, mas nada sinaliza alguma melhora. Releia clicando aqui o caso da criança de 4 anos convidada a se retirar de uma escola "de elite" por gostar de conversar e correr!

No fundo, a escola brasileira não avança porque a sociedade gosta desse atraso, valoriza o autoritarismo, quer que seus filhos sejam treinados, moldados e não educados: que recebam injeções de conhecimentos úteis apenas para o vestibular, esse instrumento que pretende realizar o grande sonho da classe mérdia: entrar numa faculdade e receber o canudo que possibilite o sucesso profissional. Poucos pais se preocupam com a vocação dos filhos, com o desenvolvimento de suas potencialidades, com a real contribuição que poderiam dar para o país, ao se tornarem seres pensantes, livres e capazes de trilhar o próprio caminho.

Os assim chamados formadores de opinião da nossa sociedade, no fundo, querem seus filhos iguaizinhos, uniformizados e treinados para virarem engravatados "bem sucedidos", seja lá o que isso signifique, em um mercado de trabalho que cospe para fora seus profissionais antes dos 40 anos de idade.

É isso que os pais exigem e as escolas particulares prometem: muita disciplina, muito conteúdo, muita cobrança em cima dos alunos. Aqueles que não correspondem aos níveis exigidos pela escola são encaminhados para aulas particulares ou convidados a se retirar, pois o que mais interessa aos gestores é atingir um certo nível no ranking das escolas, que lhes garanta a clientela.

Quanto à rede pública de ensino, ela é intencionalmente abandonada à sua própria sorte, por ser fruto do apartheid educacional que oferece ao filho das classes privilegiadas, não uma boa educação, mas uma melhor colocação no vestibular, que é o objetivo real.

Os elementos que diferenciam a rede pública da particular são, principalmente, a aula vaga, o absenteísmo dos professores e diretores de escola, o despreparo dos profissionais e, principalmente, o autoritarismo impingido aos alunos e a seus pais: que não se atrevam a criticar ou a reivindicar algo, pois serão perseguidos até à expulsão da escola.

Enfim, a escola pública, em quase todos os estados e municípios do país, é propriedade de uma corporação descompromissada, relapsa e deixada totalmente à vontade para olhar apenas para seu próprio umbigo. Paradoxalmente, porém, é dela que pode vir a solução para a educação nacional. Contrariamente à rede particular, onde o que se entende por competência está vinculado a altas mensalidades e se resume ao treino para o vestibular, na rede pública de quase todos os estados pipocam exemplos não apenas de excelência no ensino, mas de respeito à inteligência e à sensibilidade da criança. Se você ainda tiver dúvidas, leia clicando aqui, aqui e aqui.

Então fica a pergunta: por que esses bons exemplos não conseguem contagiar toda a rede  pública de ensino? A resposta está no início deste texto: sem vontade política nada se resolve. Não se trata aqui da vontade da classe política, mas da vontade política da própria sociedade, pois os políticos seguem os anseios da população, eles vão atrás e não na frente, a não ser numa ditadura. O problema, no Brasil, é que a sociedade parece ainda estar acostumada e até gostar do autoritarismo e de um cala-a-boca. Como então querer que as crianças e os jovens aprendam a pensar com liberdade? Millôr Fernandes vivia dizendo que "livre pensar é só pensar". Como esperar que isso se desenvolva numa escola que visa principalmente a uniformizar e treinar seus alunos?

Comentários

Sempre torco muito pela escola publica, pois ela ainda da algum espaco para que o aluno seja ele. Na escola particular,como voce disse Giulia, o que importa eh so performance para o caminho do vestibular. A competicao eh tao grande que amizades nao se formam mais.
Na escola publica, tive alguns professores muito inovadores, criativos, mas que tambem expressavam a frustracao de ter que seguir materiais didaticos que nao gostavam e cumprir programas numa velocidade que nao concordavam. Nao importa o quanto a mais queriam transmitir para os alunos, ensinar um jeito diferente de aprender, nao havia espaco. A direcao da escola imediatamente aniquilava a "audacia" do professor. E aquela coisa de ensino em massa perdura.
Como aluno, tem tanta coisa que a gente aprende sem saber para o que vai servir... tambem eh frustrante! Eh dificil manter a motivacao quando nao se ve o lado pratico do que se aprende para a vida!
A educacao acaba sendo assim: o professor faz de conta que ensina e o aluno faz de conta que aprende. Acho que as politicas educacionais sufocam a criatividade. O professor so ensina bem e o aluno so aprende de fato quando existe espaco para criatividade para o despertar da paixao por ensinar e aprender.
Acreditasse tao pouco que o ensino pode ser melhor, porque o professor que ousa eh ainda rotulado de idealista, como se voce um desacato almejar algo alem do basal. Este preconceito eh triste e injusta!
Vou contar uma historia que ouvi ha um tempo atras: havia um aluno que foi rotulado pelos professores de intelectualmente deficiente. Diziam que ele nao tinha capacidade para aprender so para atrapalhar, entao o mandaram para uma instituicao de criancas com "deficiencia mental". La ele disse que pela primeira vez sentiu-se livre para ser ele. Um dia uma professora pediu para que a classe escrevesse uma redacao. Ele escreveu uma poesia e falou para a professora que ela nao iria conseguir entender o que ele escreveu porque a escrita a mao dele era ilegivel. Entao ela falou assim:
"Entao por que voce nao le pra mim?"
Leu e ela gostou tanto que colocou o poema dele num mural para que todos vissem.
Ele disse que aquele gesto da professora foi o momento magico, quando a percepcao de tudo mudou pra ele, especialmente a percepcao dele para ele mesmo. Depois disto, percebeu-se que ele, na verdade, era um menino super-dotado. Foi transferido para uma escola de criancas consideradas diferenciadas intelectualmente.
Enfim, foi por conta daquele simples gesto da professora que o menino "nasceu" de novo para o aprender e o entender.
A grande maioria dos bons professores, nao tem idea do poder que tem de transformar a vida de um aluno, especialmente emocionalmente. Isto eh maravilhoso! Professores sao figuras fundamentais nas nossas vidas e a verdade eh os que fazem uma escola sao professores e alunos, nao a politica. Politica so atrapalha a capacidade criadora e transformadora de ambos. Quem atrapalha na escola eh a politica!
Giulia, não consegui encontrar o texto a que vc se referiu no comentário que fez pra mim. Lembra? Se for este, adorei. Penso mesmo que o problema da educação é, exclusivamente, de fundo ideológico, o que vc chama de vontade política, claro, a mesma coisa. Educação formal e escolas existem para emburrecer, aniquilar, amortecer a crítica do cidadão para que poucos continuem no poder e abocanhando tudo: bens,matérias, espírito. Agora seria uma cilada, um tiro no pé se a educação saísse apregoando isto por aí, daí, a imensidão de metodologias, de concepçõs filosóficas, pra nada. Vamos estreitar os contatos e fazer algo juntos: antoniocneto@terra.com.br
Giulia disse…
Simone, é a politi...cagem que atrapalha, venha ela dos políticos ou dos maus profissionais. Mas ainda torço pela conscientização da sociedade a respeito da importância de se mudar o modelo de ensino.
Antonio, vou te enviar por e-mail o link para o texto. Vamos continuar tricotando, rs...
Giulia disse…
Oba! Claudia Costin colocando este post entre seus favoritos no Twitter.
Edson Ribeiro disse…
Em março, eu disse a uma mãe de aluno que o conhecimento científico sobre determinado assunto tinha evoluído, e aquilo que ela aprendera já não era mais considerado verdade. Ela simplesmente me respondeu que, na hora de fazer vestibular ou concurso, o que caía era aquilo que ela tinha estudado. E que não importava o que era verdade. Hoje, existe uma ditadura de pais, que abominam o conhecimento científico. Se o filho não aparecer, na semana santa, com um coelhinho pintado com lápis de cor, eles vão à escola reclamar. Se o professor seguir uma proposta científica e processual, eles fecham a escola.
Giulia disse…
Edson, muitas vezes os pais só repetem o que se entende por "certo" nesta sociedade que só valoriza o vestibular e não o conhecimento. Aliás, você é um educador muito fora do padrão, pode ter certeza de que a maioria dos pais ouve dos professores de seus filhos o contrário do que você e eu acreditamos. Acho que a ditadura vem de cima, rsrs.

Postagens mais visitadas deste blog

A expulsão é legal?

Recebemos a seguinte mensagem de Manaus e a respondemos no comentário. Dê também sua opinião!
Sou ex-Conselheiro Tutelar e hoje trabalho como consultor de projetos sociais na Prefeitura. No entanto, estou sempre envolvido com o problema de atitudes arbitrárias em escolas públicas onde alunos são expulsos ou suspensos sem qualquer critério legal. Por este motivo gostaria de estar recebendo informações mais detalhadas sobre a legalidade desse procedimento adotado pelas escolas. Até que ponto a escola teria poderes para expulsar alunos, ou trata-se de um ato totalmente ilegal? Favor encaminhar informações jurídicas sobre o caso.

Respeito ao aluno, 3ª Parte. A expulsão da escola

Este é certamente o problema mais grave da escola brasileira: a expulsão de alunos. Além de não ser inclusiva, ela é inóspita para os alunos já matriculados e, na primeira oportunidade, eles são "convidados" a sair da escola, ou então, sumariamente expulsos. E aqui sempre fazemos o mesmo apelo aos pais: não permita que seu filho seja expulso, procure entender o que está por trás dessa atitude da escola! Tenha a coragem de enfrentar essa questão de cabeça erguida, não seja mais uma vítima de um sistema de exclusão.
Já falamos aqui exaustivamente sobre a expulsão na rede pública de ensino, que se dá de várias formas: "oficialmente", através do Conselho de Escola,  através de manobras dos diretores de escola, ou de forma "branca".

A expulsão na rede particular é tão ou até mais frequente do que na pública, e isso também já demostramos aqui diversas vezes. Mas na rede particular ela costuma ser melhor disfarçada, através de um "convite" para buscar …

Escola pública ou particular. Qual a sua opção?...

De vez em quando a gente atende uns pais de alunos bem descontrolados, difícil manter a linha. Faço questão de reproduzir aqui toda a troca de mensagens com um cidadão que quase me tirou do sério... rs
Dia 4 de setembro "Por um acaso deparei com seu site. Gostaria de que me informassem se é LÍCITO aluno de escola pública ser agraciado; com merenda substanciosa ; material escolar, transporte, uniforme e até tablets, pelos quais pouco se exige de cuidados e/ou devolução; pelos PODERES PÚBLICOS, enquanto que alunos de escolas particulares, cujo custo é elevado e que foi assumidos pelos pais como opção, para que tenham uma escola  de melhor qualidade; não é fornecida merenda, material, livros, transporte,nem tablets em pé de IGUALDADE? Será que os cursos das escolas particulares são regidos por diretrizes, normas, conteúdos, ou programas de entidades estranhas ao Ministério da Educação do Governo Federal? Será que as crianças das escolas particulares não são Cidadãos Brasileiros? Será…