Pular para o conteúdo principal

A voz do educador 1 - Contra a expulsão de alunos


Estamos inaugurando uma nova seção, dando voz aos educadores que nos escrevem apoiando os alunos. Infelizmente são poucos e essa é a diferença entre o professor e o educador. Segue o depoimento de Marina, diretora de uma escola pública de Minas Gerais, que se indignou com o caso de expulsão da aluna de Biguaçu:

Estou Diretora de uma Unidade de Ensino onde somos eleitos pela comunidade escolar....e minha prática é de conquista dos estudantes, é de atitudes inclusivas...  não entendo como essa diretora consegue agir dessa forma. Olha que enfrento situações delicadas com alunos... mas jamais passa pela minha mente a exclusão... não meço esforços para ajudá-los... conquistá-los... motivá-los.... e sei que não há respaldo em lei para expulsão.... e depois a função da escola não é essa... eu realmente não entendo nem aceito. Se marginalizarmos nossos adolescentes, quem estenderá a mão a eles?

A mídia só tem publicado casos de aluno agredindo professor, sem levar em conta que esses casos são a exceção e não a regra. Infelizmente a escola pública é uma instituição blindada e o profissional da educação é por princípio considerado um mártir. Se  houvesse transparência a respeito do que ocorre dentro das salas de aula, seria possível medir a proporção de alunos que realmente tumultuam o ambiente. Quantos seriam? 2 por cento? 5 por cento? Então por que generalizar, Sra. Maria Cristina Poli? Tem mais: muitos alunos são provocados a fim de justificar sua expulsão e, muitas vezes, diretores e professores irresponsáveis incitam os jovens uns contra os outros. Essas manobras são extremamente comuns e os alunos não sabem identificá-las nem se defender delas, como por exemplo quando um professor ou diretor chama  uma mãe em particular e a "alerta" sobre o perigo da amizade de seu filho com o aluno "tal", chamado de "laranja podre", "da pá virada", "delinquente", "vagabundo" etc. Pronto! Essa mãe vai falar com outra, que também vai falar com outra e está armado o tumulto. Se você não acredita que um diretor de escola possa usar esse tipo de expressão, leia clicando aqui e veja como, além do linguajar chulo, uma diretora pode ser também mentirosa e perversa.

Para a diretora Marina, nosso obrigado e muitas flores, mesmo virtuais!

Comentários

Merece todo nosso respeito e admiração a Diretora Marina. São de pessoas corajosas e que realmente fazem a diferença que precisamos para mudar esse nosso mundo.

Postagens mais visitadas deste blog

A expulsão é legal?

Recebemos a seguinte mensagem de Manaus e a respondemos no comentário. Dê também sua opinião!
Sou ex-Conselheiro Tutelar e hoje trabalho como consultor de projetos sociais na Prefeitura. No entanto, estou sempre envolvido com o problema de atitudes arbitrárias em escolas públicas onde alunos são expulsos ou suspensos sem qualquer critério legal. Por este motivo gostaria de estar recebendo informações mais detalhadas sobre a legalidade desse procedimento adotado pelas escolas. Até que ponto a escola teria poderes para expulsar alunos, ou trata-se de um ato totalmente ilegal? Favor encaminhar informações jurídicas sobre o caso.

Respeito ao aluno, 3ª Parte. A expulsão da escola

Este é certamente o problema mais grave da escola brasileira: a expulsão de alunos. Além de não ser inclusiva, ela é inóspita para os alunos já matriculados e, na primeira oportunidade, eles são "convidados" a sair da escola, ou então, sumariamente expulsos. E aqui sempre fazemos o mesmo apelo aos pais: não permita que seu filho seja expulso, procure entender o que está por trás dessa atitude da escola! Tenha a coragem de enfrentar essa questão de cabeça erguida, não seja mais uma vítima de um sistema de exclusão.
Já falamos aqui exaustivamente sobre a expulsão na rede pública de ensino, que se dá de várias formas: "oficialmente", através do Conselho de Escola,  através de manobras dos diretores de escola, ou de forma "branca".

A expulsão na rede particular é tão ou até mais frequente do que na pública, e isso também já demostramos aqui diversas vezes. Mas na rede particular ela costuma ser melhor disfarçada, através de um "convite" para buscar …

Escola pública ou particular. Qual a sua opção?...

De vez em quando a gente atende uns pais de alunos bem descontrolados, difícil manter a linha. Faço questão de reproduzir aqui toda a troca de mensagens com um cidadão que quase me tirou do sério... rs
Dia 4 de setembro "Por um acaso deparei com seu site. Gostaria de que me informassem se é LÍCITO aluno de escola pública ser agraciado; com merenda substanciosa ; material escolar, transporte, uniforme e até tablets, pelos quais pouco se exige de cuidados e/ou devolução; pelos PODERES PÚBLICOS, enquanto que alunos de escolas particulares, cujo custo é elevado e que foi assumidos pelos pais como opção, para que tenham uma escola  de melhor qualidade; não é fornecida merenda, material, livros, transporte,nem tablets em pé de IGUALDADE? Será que os cursos das escolas particulares são regidos por diretrizes, normas, conteúdos, ou programas de entidades estranhas ao Ministério da Educação do Governo Federal? Será que as crianças das escolas particulares não são Cidadãos Brasileiros? Será…