Pular para o conteúdo principal

Academia "do bem" responde às "múmias da educação"



Finalmente um grupo de intelectuais se manifesta para apoiar Claudia Costin, Secretária Municipal do Rio de Janeiro, rebatendo as "críticas" que ela recebeu das "múmias da educação". Coloquei críticas entre aspas, pois parece-me absurdo um grupo de acadêmicos encabeçarem um abaixo-assinado tão inconsistente e equivocado. As excelências não sabem a diferença entre crítica e calúnia?... Relembre o caso clicando aqui.

Segue o manifesto de apoio, copiado do Portal Aprendiz. É longo mas compensa ler, coma antes um chocolatinho, rsrs:

Um grupo de lideranças de diversas áreas criou e assina a seguinte carta de apoio ao trabalho da Secretária Claudia Costin à frente da Secretaria Municipal de Educação na cidade do Rio de Janeiro.

Depois do convite do Ministro Mercadante para que a Secretária Claudia Costin assumisse a Secretaria de Educação Básica do MEC, alguns acadêmicos decidiram publicar um texto com críticas que revelam não só desconhecerem o trabalho que vem sendo feito na Secretaria Municipal de Educação do Rio de Janeiro nos últimos anos, mas também uma postura de oposição aos esforços do governo federal e da maioria dos estados brasileiros de romper a barreira do analfabetismo funcional, da desorganização e da desmoralização da escola pública, provocando danos irreparáveis às nossas crianças e jovens e ao desenvolvimento humano, social e econômico do país. A Secretária Claudia Costin e sua equipe têm tido o apoio irrestrito do Prefeito Eduardo Paes e têm feito um trabalho técnico, de qualidade e com resultados inquestionáveis.

Ao anunciar o Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa, a Presidenta Dilma Rousseff fez questão de enfatizar a importância da avaliação do processo de aprendizagem, afirmando que "não há como aferir se as crianças estão seguindo um ciclo de alfabetização efetivo sem avaliar. E não há como fazer isso sem fazer testes objetivos. Principalmente, se quisermos evitar que as crianças cheguem à 5ª série sem conseguir dominar a leitura e as operações matemáticas simples". E prossegue a Presidenta: "Por isso, se quisermos saber se as crianças estão aprendendo, se precisam de apoio em algum conteúdo específico, se o nosso material didático e os métodos são adequados, se o professor e a escola estão cumprindo suas tarefas, nós vamos precisar avaliar. Precisamos avaliar a partir de parâmetros nacionais e sistematicamente, e precisamos fazer isso logo agora, e faremos a partir de 2013. Vamos também premiar o mérito. Premiar o que está dando certo. Professores e escolas que se destacarem, que conseguirem alcançar os melhores resultados receberão prêmios".

É esta linha, exatamente, que a Secretaria Municipal do Rio de Janeiro vem seguindo na gestão de Claudia Costin. A Secretária Claudia Costin liderou a discussão para a criação de orientações curriculares mínimas claras, com a participação dos professores da rede e comunidades escolares. Essas orientações curriculares são constantemente revisadas pelos professores em reuniões nas escolas. Há vários canais de diálogo, como visitas, reuniões com conselhos de diretores, professores, pais, alunos e virtualmente, por meio das redes sociais e mensagens eletrônicas. A partir dessas orientações curriculares, materiais impressos e digitais foram criados para apoiar o trabalho do professor, que pode decidir utilizá-los ou não em seus planejamentos, complementando a utilização de outros recursos como livros didáticos e vídeos. Avaliações verificam o processo de aprendizagem e que escolas precisam ser auxiliadas por outras escolas com contextos semelhantes e que conseguem atingir bons resultados.

Como acontece em muitas redes de educação pública municipais e estaduais, a Secretaria Municipal do Rio de Janeiro conta com parcerias para realfabetizar os alunos que não foram alfabetizados na idade correta, acelerar alunos em defasagem idade-série e reforçar a aprendizagem dos alunos que precisam de mais ajuda por uma série de fatores, como o contexto socioeconômico ou a baixa escolaridade dos pais. As metodologias adotadas são as aprovadas e recomendadas pelo Ministério da Educação, com base no seu cadastro de tecnologias educacionais certificadas. Hoje a sociedade brasileira se mobiliza cada vez mais para apoiar a educação, nenhuma secretaria pode dar conta sozinha da imensa tarefa que tem pela frente de melhorar as condições de estudo de seus alunos, e a política da Secretaria Municipal tem sido a de buscar sempre todos os apoios de qualidade que consegue identificar.

Um dos pontos fortes do trabalho da equipe da SME Rio tem sido a atenção especial que tem dado a crianças e jovens historicamente abandonados e que não exerciam o direito de educação pública de qualidade. O Programa Escolas do Amanhã é hoje reconhecido nacional e internacionalmente por diminuir as taxas de reprovação e abandono e melhorar a aprendizagem em escolas situadas em áreas conflagradas. Um exemplo é que o crescimento do Ideb nos Anos Finais nessas escolas foi de 33%. A criação de vagas em creches é o maior da história da cidade. Para essas vagas, os alunos de classes econômicas mais desfavorecidas são priorizados.

Liderando a educação carioca, a Secretária Claudia Costin ousou experimentar novas formas de aprender, utilizando ferramentas digitais e a personalização do ensino para estilos e necessidades diversas, com escolas experimentais (algumas vocacionadas), apostando no papel do professor como aquele que assegura a educação de qualidade para todos e não somente para alguns. Sempre com um foco claro na melhoria da aprendizagem, as escolas estimulam o protagonismo juvenil, a educação para valores, a construção de um projeto de vida e a formação de cidadãos autônomos, solidários e competentes, de acordo com os objetivos da educação pública preconizados em nossas leis.

Os resultados do trabalho realizado demonstram que os alunos cariocas estão aprendendo mais. As notas melhoram em todos os níveis, da alfabetização ao 9º ano. Enquanto em nível nacional o Ideb para os Anos Finais avançou pouco entre 2009 e 2011, por exemplo, as escolas cariocas avançaram 22%. Alunos e famílias estão mais satisfeitos com a educação pública. Crianças e jovens do Rio de Janeiro podem avançar no desenvolvimento de suas potencialidades e estarão muito mais bem preparados para batalharem por seus sonhos. O Brasil tem muito a ganhar se conseguir se beneficiar destas experiências que precisam se multiplicar. Ainda há bastante a ser feito, mas a educação carioca é um exemplo a ser seguido. Apoiamos o trabalho que a Secretária Claudia Costin e sua equipe vêm fazendo, com o apoio do Prefeito Eduardo Paes, e estamos felizes que ela tenha decidido permanecer à frente da Secretaria Municipal de Educação para dar continuidade às ações.

Alessandra Sayão
Alexandre Schneider
Alycia Gaspar
André Nakamura
Andreas Mirow
Armínio Fraga
Beatriz Novaes
Claudio de Moura Castro
Denis Mizne
Edmar Bacha
Fernando Augusto Adeodato Veloso
Fernando Barbosa
Françoise Trapenard
Gustavo Marini
Helena Bomeny
Iza Locatelli
Jorge Werthein
Lilian Nasser
Luis Antonio de Almeida Braga
Luiz Chrysostomo
Luiz Otávio Neves de Mattos
Magda Soares
Maíra Pimentel
Maria Helena Guimaraes de Castro
Maria Ines Fini
Maria Teresa Tedesco
Mary Grace Andrioli
Monica Baumgarten de Bolle
Naercio Aquino Menezes Filho
Nilma Fontanive
Olavo Monteiro de Carvalho
Paulo Ferraz
Pedro Malan
Pedro Vilares
Pilar Lacerda
Priscila Cruz
Rafael Parente
Ricardo Henriques
Ruben Klein
Samara Werner
Sergio Besserman
Sergio Guimarães Ferreira
Simon Schwartzman 
Tomas Tomislav Antonin Zinner 
Walter de Mattos Jr
Wanda Engel
Wilson Risolia

Comentários

blogdomaurosilva disse…
Tem muitos nomes respeitáveis nesta lista... mas o segundo nome parece uma piada de tuc... digo papagaio.
Luiz Espindola disse…
Nomes respeitáveis na sua área de atuação! A maioria nunca nem passou perto de uma graduação em pedagogia!
Fiz uma pesquisa na Plataforma Lattes¹ e vi que a maioria não tem Currículo Lattes e os que o tem, na maior parte, não são da área de Educação.
Agora vai lá na lista de que é contra a Costin... Todos tem o Currículo Lattes e a maioria esmagadora é da área da educação e a outra minoria é da área de humanas.
Eu não ousaria argumentar com algum Doutor de qualquer área sem conhecê-la de verdade.
E como um engenheiro de petróleo querer debater com um médico cardiologista sobre como analisar um eletrocardiograma...
A Cláudia Costin pode ter a maior boa intenção do mundo, mas não conhece nada de educação. Não é igual na economia ou na administração. Alunos não são somente números!Só quem vivência a situação caótica e mentirosa da educação no Rio de Janeiro sabe do que estou falando...

¹ Se tiver dúvida sobre a plataforma: http://lattes.cnpq.br/
Giulia disse…
Luiz Espindola, não tenho dúvidas quanto ao currículo Lattes. O que está em jogo aqui são argumentos e a prática escolar. Claudia Costin entende muito de educação e está recebendo prêmios no exterior, já que aqui tudo gira em torno da buRRocracia. Se currículo Lattes funcionasse na prática, a educação do país não estaria no marasmo...
Luiz Espindola disse…
Vamos lá! Inicialmente, não vi nenhum argumento e a prática escolar é extremamente contestável. A Sra. já entrou numa escola do RJ para ver a realidade?
Quem está dando prêmios a ela? Que prêmios são esses? Preciso de referências para pesquisar.
Para saber se essas pessoas que a estão premiando conhece a fundo a realidade maquiada da educação carioca.
E a Sra. acha mesmo que a produção de pesquisa que o Lattes comporta não tem relevância?
A educação no Brasil é problema de todos, inclusive, ao meu ver, dos acadêmicos que poderiam combater com mais afinco as disparidades que ocorrem na politicagem, como: colocar uma administradora como secretária de educação! Isso demostra o descrédito na educação, pois as instâncias do governo somente se preocupam com NÚMEROS e não com pessoas. Por que não colocam um educador na secretaria de Fazenda? Porque finanças é levado muito a sério!!!
Quem entende de educação é educador!!! Eu não iria contratar um engenheiro químico para ser meu contador financeiro. Por mais que ele fosse esforçado, não iria no cerne do assunto nem é capacitado para isso!
Eu coloquei meu argumento (quem trabalha ou gerencia alguma área tem que ter pleno conhecimento da mesma), agora contraponha-o de forma coerente e não com palavras vagas.
Luiz Espindola disse…
A atual conjuntura me fez relembrar este post. Agora, não só as "múmias da educação" criticam a política educacional carioca capitaneada pela Sra. Costin. A Anped (Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação) se posicionou a favor da greve dos professores em detrimento da "gestão vendida a interesses particulares que carreiam os recursos da educação pública para instituições privadas, sob a alegação de que estas têm fórmulas mágicas para qualificar o ensino no Rio de Janeiro"¹.

¹Moção de apoio à greve dos profissionais das redes públicas de educação do Estado e do Município do Rio de Janeiro, do dia 02/10/2013.

Postagens mais visitadas deste blog

A expulsão é legal?

Recebemos a seguinte mensagem de Manaus e a respondemos no comentário. Dê também sua opinião!
Sou ex-Conselheiro Tutelar e hoje trabalho como consultor de projetos sociais na Prefeitura. No entanto, estou sempre envolvido com o problema de atitudes arbitrárias em escolas públicas onde alunos são expulsos ou suspensos sem qualquer critério legal. Por este motivo gostaria de estar recebendo informações mais detalhadas sobre a legalidade desse procedimento adotado pelas escolas. Até que ponto a escola teria poderes para expulsar alunos, ou trata-se de um ato totalmente ilegal? Favor encaminhar informações jurídicas sobre o caso.

Respeito ao aluno, 3ª Parte. A expulsão da escola

Este é certamente o problema mais grave da escola brasileira: a expulsão de alunos. Além de não ser inclusiva, ela é inóspita para os alunos já matriculados e, na primeira oportunidade, eles são "convidados" a sair da escola, ou então, sumariamente expulsos. E aqui sempre fazemos o mesmo apelo aos pais: não permita que seu filho seja expulso, procure entender o que está por trás dessa atitude da escola! Tenha a coragem de enfrentar essa questão de cabeça erguida, não seja mais uma vítima de um sistema de exclusão.
Já falamos aqui exaustivamente sobre a expulsão na rede pública de ensino, que se dá de várias formas: "oficialmente", através do Conselho de Escola,  através de manobras dos diretores de escola, ou de forma "branca".

A expulsão na rede particular é tão ou até mais frequente do que na pública, e isso também já demostramos aqui diversas vezes. Mas na rede particular ela costuma ser melhor disfarçada, através de um "convite" para buscar …

Escola pública ou particular. Qual a sua opção?...

De vez em quando a gente atende uns pais de alunos bem descontrolados, difícil manter a linha. Faço questão de reproduzir aqui toda a troca de mensagens com um cidadão que quase me tirou do sério... rs
Dia 4 de setembro "Por um acaso deparei com seu site. Gostaria de que me informassem se é LÍCITO aluno de escola pública ser agraciado; com merenda substanciosa ; material escolar, transporte, uniforme e até tablets, pelos quais pouco se exige de cuidados e/ou devolução; pelos PODERES PÚBLICOS, enquanto que alunos de escolas particulares, cujo custo é elevado e que foi assumidos pelos pais como opção, para que tenham uma escola  de melhor qualidade; não é fornecida merenda, material, livros, transporte,nem tablets em pé de IGUALDADE? Será que os cursos das escolas particulares são regidos por diretrizes, normas, conteúdos, ou programas de entidades estranhas ao Ministério da Educação do Governo Federal? Será que as crianças das escolas particulares não são Cidadãos Brasileiros? Será…