Pular para o conteúdo principal

Você sabe para que serve o Plano Municipal de Educação?


Está sendo realizada, neste exato momento, na Câmara Municipal de São Paulo, a primeira   audiência publica para discussão do Plano Municipal de Educação, engavetado durante quase dois anos na Secretaria Municipal da Educação...

Para que serve o Plano Municipal de Educação? Para evitar que cada governo faça "sua" política educacional, apenas para mostrar serviço. E é exatamente por isso que, geralmente, nada muda significativamente para melhor na educação pública brasileira. Governo-vai, governo-vem, cada um se preocupa em mudar siglas e equipes, sem dar continuidade a eventuais bons projetos. Assim mudam as moscas, mas o bolo continua cru e indigesto.

Não fazemos muita fé de que essa discussão venha a trazer grandes mudanças, pois estamos em final de mandato, tanto dos vereadores, quanto do prefeito, mas o resgate do assunto e a discussão do Plano é um ponto importante, que não pode ficar num único debate. Tomara que não aconteça com o Plano Municipal da Educação o mesmo que ocorreu com a LDB, que demorou 10 anos para ser aprovada, rsrs...

Uma iniciativa importante foi chamar crianças e adolescentes para dar sua opinião sobre o novo plano, uma ação que iniciou em 2011 e que rendeu este interessante vídeo:




Os alunos que participaram da ação souberam resumir com muita propriedade os direitos que desejam sejam resguardados:
  • Direito a uma educação de qualidade, com aulas diferenciadas e fora da sala, "tipo oficinas" (palavras de uma representante do grupo).
  • Direito a brincar e interagir com outras crianças na escola.
  • Direito a voz, organização e participação na escola.
  • Direito a proteção e segurança, o que inclui instalações escolares mais seguras.
  • Direito ao respeito, ou seja, não ser discriminado, humilhado e maltratado.
  • Direito a uma cidade cuidada e cuidadora do meio ambiente.
O caso da menina Isadora e a repercussão de seu Diário de Classe mostram que, finalmente, os alunos de escola pública estão começando a ter mais coragem de expressar seus desejos e enfrentar o autoritarismo da escola, essa instituição que, no Brasil, serve basicamente à corporação e ao lobby da rede particular. 

Parabéns para todos os alunos que participaram dessa discussão, que esperamos avance bastante no ano que vem. Esperamos também que a nova Comissão de Educação da Câmara e o novo prefeito de São Paulo se mobilizem para que o Plano Municipal de Educação possa se tornar uma realidade em pouco tempo. Mas, como é mesmo, criançada?... Nada vai acontecer antes do Carnaval, não é? rsrs Olé, olé, olé, olá!

Comentários

José Antonio disse…
Eu acho que essa discussão agora no final do ano e ainda finbal de mandato não leva a nada, tudo perda de tempo.
Giulia disse…
José, você está raciocinando exatamente como aqueles que acham que não importa ter um plano municipal de educação. O objetivo do plano é justamente garantir que o próximo governo não recomece tudo da estaca zero, com propostas mirabolantes e gastos exagerados, ou melhor, sem prestar contas à sociedade sobre o investimento. Se a sociedade, e a mídia, estiverem maduras para a elaboração de um Plano Municipal de Educação, então o debate de hoje terá repercussão e continuidade, será a prova dos nove! Quero dizer, se queremos um plano que sobreviva a diversas gestões, não devemos nos preocupar que o governo municipal está em fim de mandato, mas justamente cobrar transparência e seriedade por parte dos políticos e da imprensa, já que essa discussão vai além do mandato. É o que vamos ver...

Postagens mais visitadas deste blog

A expulsão é legal?

Recebemos a seguinte mensagem de Manaus e a respondemos no comentário. Dê também sua opinião!
Sou ex-Conselheiro Tutelar e hoje trabalho como consultor de projetos sociais na Prefeitura. No entanto, estou sempre envolvido com o problema de atitudes arbitrárias em escolas públicas onde alunos são expulsos ou suspensos sem qualquer critério legal. Por este motivo gostaria de estar recebendo informações mais detalhadas sobre a legalidade desse procedimento adotado pelas escolas. Até que ponto a escola teria poderes para expulsar alunos, ou trata-se de um ato totalmente ilegal? Favor encaminhar informações jurídicas sobre o caso.

Respeito ao aluno, 3ª Parte. A expulsão da escola

Este é certamente o problema mais grave da escola brasileira: a expulsão de alunos. Além de não ser inclusiva, ela é inóspita para os alunos já matriculados e, na primeira oportunidade, eles são "convidados" a sair da escola, ou então, sumariamente expulsos. E aqui sempre fazemos o mesmo apelo aos pais: não permita que seu filho seja expulso, procure entender o que está por trás dessa atitude da escola! Tenha a coragem de enfrentar essa questão de cabeça erguida, não seja mais uma vítima de um sistema de exclusão.
Já falamos aqui exaustivamente sobre a expulsão na rede pública de ensino, que se dá de várias formas: "oficialmente", através do Conselho de Escola,  através de manobras dos diretores de escola, ou de forma "branca".

A expulsão na rede particular é tão ou até mais frequente do que na pública, e isso também já demostramos aqui diversas vezes. Mas na rede particular ela costuma ser melhor disfarçada, através de um "convite" para buscar …

Escola pública ou particular. Qual a sua opção?...

De vez em quando a gente atende uns pais de alunos bem descontrolados, difícil manter a linha. Faço questão de reproduzir aqui toda a troca de mensagens com um cidadão que quase me tirou do sério... rs
Dia 4 de setembro "Por um acaso deparei com seu site. Gostaria de que me informassem se é LÍCITO aluno de escola pública ser agraciado; com merenda substanciosa ; material escolar, transporte, uniforme e até tablets, pelos quais pouco se exige de cuidados e/ou devolução; pelos PODERES PÚBLICOS, enquanto que alunos de escolas particulares, cujo custo é elevado e que foi assumidos pelos pais como opção, para que tenham uma escola  de melhor qualidade; não é fornecida merenda, material, livros, transporte,nem tablets em pé de IGUALDADE? Será que os cursos das escolas particulares são regidos por diretrizes, normas, conteúdos, ou programas de entidades estranhas ao Ministério da Educação do Governo Federal? Será que as crianças das escolas particulares não são Cidadãos Brasileiros? Será…