Pular para o conteúdo principal

Eleição democrática dos Conselhos de Escola: um circo!

Este é um assunto "clássico" aqui no EducaFórum, desde o nosso artigo Gestão participativa na escola: a exclusão da comunidade. Todo ano nos cansamos de falar que a única maneira de garantir a gestão democrática nas escolas é promover a eleição de Conselhos de Escola independentes e conscientes, com a participação real dos pais e alunos. E isso só será possível se a eleição dos Conselhos for realizada no mesmo dia em cada rede de ensino, ou, no mínimo, em cada município. Caso contrário, os maus diretores de escola continuarão transformando a "eleição" na simples indicação de pais de alunos manipuláveis e já aliciados por eles. Na prática atual, a "convocação" para a eleição costuma ser enviada aos pais em papeizinhos de 2 cm de largura através dos próprios alunos, NA ESPERANÇA DE QUE ELES OS PERCAM, como é comum em crianças e adolescentes, não é mesmo?... Assim os diretores podem afirmar que enviaram sim a convocação, mas os pais não se interessaram em participar. E assim o circo continua durante mais um ano! Isto acontece em todo o Brasil, não apenas no Estado de São Paulo.

Vamos ver se este ano haverá alguma diferença, pelo menos no município de Espírito Santo do Pinhal, onde o Prof. José Benedito, ex-coordenador da COGSP, foi eleito prefeito. Pedimos que você dê o exemplo para todo o Brasil, caro José Benedito!

Para entender bem o assunto, leia o excelente artigo do Mauro Alves da Silva, clicando no link: http://movimentocoep.wordpress.com/2013/01/07/quem-tem-medo-da-eleicao-democratica-do-conselho-de-escola/

Comentários

Ribamar disse…
Bom dia a todos.

Quero registrar a experiência que a comunidade escolar do Colégio Pedro II, instituição secular de ensino, onde no momento acontece as reuniões do Conselho Superior da instituição. A construção do CONSUP, deu-se por consulta plena à comunidade escolar, onde foram eleitos paritariamente os membros que compõem a referida comunidade, a saber: docentes, discentes, técnicos administrativos e responsáveis legais de alunos. É importante frisar que foi tudo muito corrido, mas, dentro do tempo disponibilizado o processo ocorreu com tranquilidade.

Numa instituição de ensino e aprendizagem, nada é fácil para a melhor e maior participação dos pais e responsáveis, mas, creio que o caminho que pavimentará a participação, são pais e responsáveis se organizarem. Aqui não foi e não está sendo fácil esta construção, mas seguindo para frente. Hoje, os pais e responsáveis do Colégio Pedro II Campus Centro (www.aprecp2centro.com.br), já tem a sua associação. Para chegarmos a efetiva construção da nossa associação, foram realizados várias reuniões de pais e responsáveis num período de um ano, para a discussão de seu Estatuto. Ao final Estatuto aprovado e Associação criada. No site da associação (www.aprecp2centro.com.br), está contato a história de como os pais e responsáveis a reconstruíram.

Um abraço.

Ribamar - pai de aluno
Giulia disse…
Parabéns, amigo Ribamar! Pena que tudo isso seja tão difícil e que seja necessário formar outra associação além do Conselho de Escola. Uau: um ano de discussão! Na maioria das escolas públicas isso não seria possível, pois a flutuação é muito grande. Mas o Pedro II não é exatamente uma escola pública, ele é altamente seletivo e os alunos lá permanecem por mais tempo. Fazemos muitos votos de que essa nova história perdure por muitos anos e que a sombra das frequentes greves tenha finalmente acabado. Abraço a todos!
Wellington disse…
Realmente uma lástima. A educação básica se inicia em casa. O conhecimento maior, informações, enfim, o ENSINO começa nas escolas. Então como aprenderemos sobre democracia e a importância que ela exerce em nosso país se apenas tivermos a experiência já na maturidade? Tudo bem que crianças, nós os jovens não temos maturidade suficiente para decidir quem são os responsáveis de uma escola, mas, e nossos pais? Quero dizer, todos os
dias esses pais 'entregam' suas crianças sem nem mesmo saber se os responsáveis por elas naquele momento são realmente responsáveis...

Seria maravilhoso, e tenho ABSOLUTA CERTEZA de que há famílias, pais realmente interessados no aprendizado dos filhos e até mesmo de outras crianças que se ofereceriam para participar das reuniões, saber em que pode ajudar, o que pode ou não fazer. Pena não ser a realidade... Muitas vezes nem mesmo os alunos tomam nota de certas reuniões (caso antigo...).

Por fim, vamos torcer que alguma coisa mude. Torcer por mais amigos 'Ribamar' rs
Giulia disse…
O comentário acima é do Wellington "Rui Barbosa"? Se for, que prazer saber que você continua acompanhando o nosso trabalho! Já está na faculdade? Mande notícias, grande abraço!

Wellington A disse…
Olá Sra. Giulia! Quanto tempo mesmo! Bem, ainda acho exagero a comparação à Rui Barbosa mas tudo bem.. hahaha

Sempre que posso dou uma lida no blog, estar a par dos desaforos que pelo que vejo, continuam acontecendo...

Estou estudando sim! Só não estou no curso superior ainda, ficou para o ano que vem! Grande abraço!
Giulia disse…
Wellington, o que aconteceu? Você já não estava no último ano? Acabaram retendo um aluno brilhante como você??
Wellington A disse…
hahaha. Não, não. Eu terminei o colégio. Estou finalizando um curso técnico no Senac agora... Assim que terminá-lo farei o curso superior. :)
Giulia disse…
Ah, bom! rsrs Curso de quê? Beijo!

Postagens mais visitadas deste blog

A expulsão é legal?

Recebemos a seguinte mensagem de Manaus e a respondemos no comentário. Dê também sua opinião!
Sou ex-Conselheiro Tutelar e hoje trabalho como consultor de projetos sociais na Prefeitura. No entanto, estou sempre envolvido com o problema de atitudes arbitrárias em escolas públicas onde alunos são expulsos ou suspensos sem qualquer critério legal. Por este motivo gostaria de estar recebendo informações mais detalhadas sobre a legalidade desse procedimento adotado pelas escolas. Até que ponto a escola teria poderes para expulsar alunos, ou trata-se de um ato totalmente ilegal? Favor encaminhar informações jurídicas sobre o caso.

Respeito ao aluno, 3ª Parte. A expulsão da escola

Este é certamente o problema mais grave da escola brasileira: a expulsão de alunos. Além de não ser inclusiva, ela é inóspita para os alunos já matriculados e, na primeira oportunidade, eles são "convidados" a sair da escola, ou então, sumariamente expulsos. E aqui sempre fazemos o mesmo apelo aos pais: não permita que seu filho seja expulso, procure entender o que está por trás dessa atitude da escola! Tenha a coragem de enfrentar essa questão de cabeça erguida, não seja mais uma vítima de um sistema de exclusão.
Já falamos aqui exaustivamente sobre a expulsão na rede pública de ensino, que se dá de várias formas: "oficialmente", através do Conselho de Escola,  através de manobras dos diretores de escola, ou de forma "branca".

A expulsão na rede particular é tão ou até mais frequente do que na pública, e isso também já demostramos aqui diversas vezes. Mas na rede particular ela costuma ser melhor disfarçada, através de um "convite" para buscar …

Escola pública ou particular. Qual a sua opção?...

De vez em quando a gente atende uns pais de alunos bem descontrolados, difícil manter a linha. Faço questão de reproduzir aqui toda a troca de mensagens com um cidadão que quase me tirou do sério... rs
Dia 4 de setembro "Por um acaso deparei com seu site. Gostaria de que me informassem se é LÍCITO aluno de escola pública ser agraciado; com merenda substanciosa ; material escolar, transporte, uniforme e até tablets, pelos quais pouco se exige de cuidados e/ou devolução; pelos PODERES PÚBLICOS, enquanto que alunos de escolas particulares, cujo custo é elevado e que foi assumidos pelos pais como opção, para que tenham uma escola  de melhor qualidade; não é fornecida merenda, material, livros, transporte,nem tablets em pé de IGUALDADE? Será que os cursos das escolas particulares são regidos por diretrizes, normas, conteúdos, ou programas de entidades estranhas ao Ministério da Educação do Governo Federal? Será que as crianças das escolas particulares não são Cidadãos Brasileiros? Será…