Pular para o conteúdo principal

Aluno de 6 anos suspenso por mau comportamento e "hiperatividade"



Temos nos empenhado em evitar a expulsão de muitas crianças da rede particular, procedimento que está  muito em alta. Leia alguns casos anteriores clicando aqui.

Desta vez é um menino de 6 anos que recebeu a pecha de hiperativo e uma suspensão, além de a mãe ter precisado contratar uma psicóloga. Não se trataria porém de TDAH (Transtorno de Déficit de Atenção com Hiperatividade), pois ele não tem problemas de atenção.

Leiam abaixo a mensagem recebida da mãe do menino:

Boa noite, hoje, meu filho de 6 anos, que frequenta o 2º ano do fundamental, chegou com uma suspensão, devido reincidência de mal comportamento, mas não é nada grave, bagunça de criança. Gostaria de saber da legalidade da suspensão, se a escola pode suspender uma criança de 6 anos, que nem tem a menor idéia do que é uma suspensão. A escola também pediu a visita da psicóloga do meu filho, a qual visitou a escola na semana passada e passou (a pedido da escola) algumas dicas, para juntas direcionarem o tratamento melhor ao meu filho, visto que ele é uma criança hiperativa, sem déficit de atenção, (aliás ele é superdotado, com laudo de psicóloga). Tudo isso ficou bem claro no início do ano, quando fiz a matricula dele, a escola se prontificou a ajudar e a fazer a diferença no ensino e tratamento ao meu filho, mas, até agora, não vi nada disso...

Sugerimos a essa mãe - como aliás sempre fazemos nesses casos - que tire imediatamente seu filho de uma escola engessada e burra, que não sabe valorizar e muito menos aproveitar a inteligência do aluno. O próximo passo, a gente sabe, é a expulsão.da escola, um risco que não vale a pena correr.

Ainda bem que essa mãe percebeu a inércia da escola e a tendência de transferir toda sua responsabilidade para a família! Isso é raro, pois em muitos casos elas ficam apavoradas com as exigências da escola e se preocupam em cumpri-las todas...

Essa questão da "hiperatividade" na infância brasileira está muito mal pesquisada e estudada. Leiam clicando aqui reportagem sobre um estudo que mostra o baixíssimo índice de hiperatividade das crianças francesas: menos de 0,5%, quando as crianças americanas diagnosticadas com TDAH somam 9%. Não há dados sobre a realidade brasileira, mas certamente estamos muito mais próximos dos EUA do que da França! A média de 0,5% de hiperatividade para as crianças francesas é confiável, trata-se de estudo e não de achismo, como muitos (que nem leram a matéria) querem afirmar. 

O uso da ritalina na medicação de crianças é muito antigo no Brasil. Há uns dez anos parecia que a ciência tivesse chegado à conclusão de que as variações da disfunção cerebral seriam algo normal nos indivíduos, como a cor dos cabelos ou dos olhos. De uns anos para cá, porém, o diagnóstico de hiperatividade e o uso da ritalina em crianças  aumentou enormemente no Brasil. Este assunto precisa ser ainda bastante discutido e estudado, e as escolas têm que parar de expulsar alunos inquietos, principalmente porque, na maioria dos casos, a causa são aulas maçantes e repetitivas, principalmente nos primeiros anos do Ensino Fundamental.

Comentários

Anônimo disse…
Texto babaca escrito por quem no entende do assunto, só quer aparecer.

Vai consultar um psiquiatra.

Giulia disse…
Comentário babaca escrito por anônimo que se acha, rsrs...
Anônimo disse…
Olá Boa Noite!
Estou com um problema parecido, enviei um e-mail na segunda-feira (27.05.13) para vocês contando o que aconteceu e pedindo orientações..poderiam me ajudar???

É um absurdo suspenderem uma criança de 6 anos! O meu caso é parecido, mas o meu foi expulso!

Abraços,
Giulia disse…
Anônimo, por favor envie de novo seu e-mail, não o encontramos na caixa de entrada! Recebemos enxurradas de mensagens, às vezes alguma se perde. Nosso e-mail é educaforum@hotmail.com, pode copiar também giuliapierro@gmail.com. Respondemos amanhã mesmo! Boa sorte!!!
Anônimo disse…
olá! meu filho de 5 anos vem sido agredido pelo colega,como socos no estomago,cortes,bastante hematomas no olho enfim,na primeira agressão falei com a professora,na segunda a professora me disse que não podia fazer nada então falei com a diretora,pensei em tira-lo da escola
a conselheira da escola me ligou e pediu desculpa e que o problema era mesmo a professora que era desatenta,como meu filho estava com saudades dos outros amiguinhos então ele continuou indo confiei na escola,teve uma apresentação no teatro no qual eles tinha que ensaiar a professora esqueceu ele lá só lembrou quando ligaram pra ela,sempre chega atrasada o horário e das 13:20 ela é sempre atrasada 13:40 e olha la!agora este mesmo colega por milhares de fezes bateu algo no rosto do meu filho que cortou a pálpebra enfim um horror me ligaram da escola pra mim busca-lo fui super nervosa encontrei os portões abertos entrei e descasquei o abacaxi pra professora disse que ela era distraída,que não servia pra educar crianças da idades deles que ainda me respondeu que estava já a 5 anos na escola podia fazer o que quiser e que meu filho era mau educado e merecia fui com meu filho na diretora ela viu o tamanho da lesão do meu filho e simplesmente desse que foi sem querer pedir na hora o parecer do meu filho tirei da escola então no mesmo dia fui na secretaria da educação,não sentir firmeza lá pra resolver meu casso e fui no concelho tutelar eles até foram na escola mas tbm não sentir firmeza lá gostaria da sua ajuda tenho sede de justiça e penso no ano que vem outras crianças passarem com isso.muito Obrigada!
Giulia disse…
Realmente essa escola não está preparada! Vá ao Ministério Público e peça uma investigação.

Postagens mais visitadas deste blog

A expulsão é legal?

Recebemos a seguinte mensagem de Manaus e a respondemos no comentário. Dê também sua opinião!
Sou ex-Conselheiro Tutelar e hoje trabalho como consultor de projetos sociais na Prefeitura. No entanto, estou sempre envolvido com o problema de atitudes arbitrárias em escolas públicas onde alunos são expulsos ou suspensos sem qualquer critério legal. Por este motivo gostaria de estar recebendo informações mais detalhadas sobre a legalidade desse procedimento adotado pelas escolas. Até que ponto a escola teria poderes para expulsar alunos, ou trata-se de um ato totalmente ilegal? Favor encaminhar informações jurídicas sobre o caso.

Respeito ao aluno, 3ª Parte. A expulsão da escola

Este é certamente o problema mais grave da escola brasileira: a expulsão de alunos. Além de não ser inclusiva, ela é inóspita para os alunos já matriculados e, na primeira oportunidade, eles são "convidados" a sair da escola, ou então, sumariamente expulsos. E aqui sempre fazemos o mesmo apelo aos pais: não permita que seu filho seja expulso, procure entender o que está por trás dessa atitude da escola! Tenha a coragem de enfrentar essa questão de cabeça erguida, não seja mais uma vítima de um sistema de exclusão.
Já falamos aqui exaustivamente sobre a expulsão na rede pública de ensino, que se dá de várias formas: "oficialmente", através do Conselho de Escola,  através de manobras dos diretores de escola, ou de forma "branca".

A expulsão na rede particular é tão ou até mais frequente do que na pública, e isso também já demostramos aqui diversas vezes. Mas na rede particular ela costuma ser melhor disfarçada, através de um "convite" para buscar …

Escola pública ou particular. Qual a sua opção?...

De vez em quando a gente atende uns pais de alunos bem descontrolados, difícil manter a linha. Faço questão de reproduzir aqui toda a troca de mensagens com um cidadão que quase me tirou do sério... rs
Dia 4 de setembro "Por um acaso deparei com seu site. Gostaria de que me informassem se é LÍCITO aluno de escola pública ser agraciado; com merenda substanciosa ; material escolar, transporte, uniforme e até tablets, pelos quais pouco se exige de cuidados e/ou devolução; pelos PODERES PÚBLICOS, enquanto que alunos de escolas particulares, cujo custo é elevado e que foi assumidos pelos pais como opção, para que tenham uma escola  de melhor qualidade; não é fornecida merenda, material, livros, transporte,nem tablets em pé de IGUALDADE? Será que os cursos das escolas particulares são regidos por diretrizes, normas, conteúdos, ou programas de entidades estranhas ao Ministério da Educação do Governo Federal? Será que as crianças das escolas particulares não são Cidadãos Brasileiros? Será…