Pular para o conteúdo principal

Durante a discussão do PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SÃO PAULO...

Se você tiver lido o último post, sobre a 1ª Audiência Pública referente ao PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SÃO PAULO, ficou sabendo que ela foi organizada pela Comissão de Administração Pública da Câmara Municipal e que, no mesmo horário, a Comissão de Educação estava reunida em outro plenário, em andar diferente. Tivemos então que nos dividir: eu fiquei na audiência sobre o PLANO DE EDUCAÇÃO, no 1º andar, e o Mauro subiu ao 8º andar, para acompanhar a reunião da Comissão de Educação, cuja pauta incluía a discussão de nada mais nada menos que 12 Projetos de Lei!

Os nobres vereadores não gostam de ser criticados - quem gosta? - mas não tem como se achar suficiente uma audiência para discutir, aprovar ou rejeitar 12 Projetos de Lei ao mesmo tempo... Aliás, cada projeto precisa de pelo menos duas audiências antes de ser aprovado ou arquivado. 

Leiam o excelente relato do Mauro sobre sua participação nessa audiência da Comissão de Educação clicando aqui e assista também aos dois vídeos gravados durante a reunião.

Ficou muito claro que é impossível a discussão adequada de 12 projetos de lei numa mesma audiência pública, não é mesmo? Alguns desses projetos, inclusive, são importantes, enquanto outros "chovem no molhado" ou representam interesses escusos. De tudo isso, fica a clara decepção com a falta de  discussão profunda dos projetos, dentro da própria sociedade!

Amanhã vou publicar novo post sobre a audiência referente ao PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO, onde reencontrei antigos colegas de luta de outros "carnavais" e estou muito feliz de que ainda estejam fazendo um trabalho importante na área educacional.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A expulsão é legal?

Recebemos a seguinte mensagem de Manaus e a respondemos no comentário. Dê também sua opinião!
Sou ex-Conselheiro Tutelar e hoje trabalho como consultor de projetos sociais na Prefeitura. No entanto, estou sempre envolvido com o problema de atitudes arbitrárias em escolas públicas onde alunos são expulsos ou suspensos sem qualquer critério legal. Por este motivo gostaria de estar recebendo informações mais detalhadas sobre a legalidade desse procedimento adotado pelas escolas. Até que ponto a escola teria poderes para expulsar alunos, ou trata-se de um ato totalmente ilegal? Favor encaminhar informações jurídicas sobre o caso.

Respeito ao aluno, 3ª Parte. A expulsão da escola

Este é certamente o problema mais grave da escola brasileira: a expulsão de alunos. Além de não ser inclusiva, ela é inóspita para os alunos já matriculados e, na primeira oportunidade, eles são "convidados" a sair da escola, ou então, sumariamente expulsos. E aqui sempre fazemos o mesmo apelo aos pais: não permita que seu filho seja expulso, procure entender o que está por trás dessa atitude da escola! Tenha a coragem de enfrentar essa questão de cabeça erguida, não seja mais uma vítima de um sistema de exclusão.
Já falamos aqui exaustivamente sobre a expulsão na rede pública de ensino, que se dá de várias formas: "oficialmente", através do Conselho de Escola,  através de manobras dos diretores de escola, ou de forma "branca".

A expulsão na rede particular é tão ou até mais frequente do que na pública, e isso também já demostramos aqui diversas vezes. Mas na rede particular ela costuma ser melhor disfarçada, através de um "convite" para buscar …

Escola pública ou particular. Qual a sua opção?...

De vez em quando a gente atende uns pais de alunos bem descontrolados, difícil manter a linha. Faço questão de reproduzir aqui toda a troca de mensagens com um cidadão que quase me tirou do sério... rs
Dia 4 de setembro "Por um acaso deparei com seu site. Gostaria de que me informassem se é LÍCITO aluno de escola pública ser agraciado; com merenda substanciosa ; material escolar, transporte, uniforme e até tablets, pelos quais pouco se exige de cuidados e/ou devolução; pelos PODERES PÚBLICOS, enquanto que alunos de escolas particulares, cujo custo é elevado e que foi assumidos pelos pais como opção, para que tenham uma escola  de melhor qualidade; não é fornecida merenda, material, livros, transporte,nem tablets em pé de IGUALDADE? Será que os cursos das escolas particulares são regidos por diretrizes, normas, conteúdos, ou programas de entidades estranhas ao Ministério da Educação do Governo Federal? Será que as crianças das escolas particulares não são Cidadãos Brasileiros? Será…