Pular para o conteúdo principal

Black bloc de verdade ou de mentirinha?...




Neste dia 13 o Brasil inteiro viu na tevê uma cena muito interessante: jovem de 16 anos "estilo" Black Bloc (camiseta preta na cabeça), sendo retirado pelos pais da manifestação contra a copa realizada na zona leste de São Paulo. Assista ao vídeo:





O que em muitas reportagens foi resumido a um simples ato de autoridade paterna revela porém detalhes interessantes, como a preocupação dos pais pelo filho com muita ênfase, mas sem aparentar autoritarismo, e a sinceridade do jovem, demonstrando raro interesse cívico e argumentação convincente. 

Outros detalhes, ainda, mostram indícios de alguns tabus da nossa sociedade, que só se revelam em situações inusitadas e espontâneas (nem o pai nem o filho perceberam na hora que estavam sendo gravados):

O pai entende que o filho deveria estar satisfeito com a educação, já que os pais pagam escola particular para ele. Aparentemente, esse pai não tem consciência de que está pagando duas escolas, uma para o filho e uma para os filhos... dos outros. E ele repete muitas vezes ao jovem que é filho dele, dando a impressão de que sua preocupação é... apenas com seu próprio filho. Isso é bem típico da classe média brasileira, que pratica um apartheid velado.

Por outro lado, o fato de aceitar que o filho participe de manifestação sem máscara mostra um compromisso com a verdade bastante raro numa sociedade hipócrita como a nossa.

E agora toda a história fica bem intrigante: por que o jovem foi para a manifestação mascarado? Será ele um autêntico black bloc, ou seja, alguém que se programou para o quebra-quebra? Talvez sim, talvez não...

Entretanto, nas duas hipóteses esse jovem parece estar bastante isolado. Se ele for um verdadeiro black bloc, o figurino está de acordo, pois black blocs operam de forma individual, eles não constituem uma comunidade.

Mas, se ele não for um verdadeiro black bloc, por que ocultou sua identidade? É uma questão intrigante, mas pode haver N motivos por trás dessa máscara: 

- Ele não se sentiu à vontade para discutir o assunto em casa ou até tentou, conforme diz no vídeo: "Você não tava falando comigo, por que quer falar agora?". Aparentemente, o assunto "manifestação" é proibido em muitos lares brasileiros, até naqueles onde existe amor e possível compreensão, como é o caso dessa família.

- Ele não conseguiu formar uma turma de amigos ou colegas de escola para participarem da manifestação, o que pode ser explicado pela falta de engajamento político comum na atual juventude brasileira ou até pelo medo da repressão policial.

- Ele pretendia conhecer o movimento black bloc por dentro, já que a sociedade e a mídia brasileiras o repudiam a priori, o que impede uma divulgação mais ampla ou isenta.

Apesar de todos os questionamentos, fica dessa história uma imagem muito positiva: tanto o pai quanto o filho foram corajosos, não por se exporem publicamente (já que não sabiam que estavam sendo filmados), mas por terem tomado atitudes coerentes com sua consciência. O jovem sabia a quais perigos estava exposto e o pai estava coberto de razão ao temer pelo pior, pois as manhas da polícia no país são as mais variadas possíveis. Vejam abaixo mais um vídeo exclusivo sobre a experiência de um jovem que teve o azar de ser detido durante outra manifestação. Este é aliás o verdadeiro motivo que tirou a população das ruas. Há razões de sobra para protestar, mas poucos têm a coragem de enfrentar os riscos.


Comentários

Anônimo disse…
E a voz do rapaz, hein? Não sei não...
Yra doced disse…
O filho questionado pelo pai diz em certo momento:

Deixa eu,,quero lutar por uma educação melhor.
E o pai responde que ele paga escola para o filho.

Fiquei com a impressão que o pai não entendeu (naquele momento) o pq do filho estar ali.

O filho quis dizer que a luta era pelos outros...não por ele.

Estarei enganada?

Postagens mais visitadas deste blog

A expulsão é legal?

Recebemos a seguinte mensagem de Manaus e a respondemos no comentário. Dê também sua opinião!
Sou ex-Conselheiro Tutelar e hoje trabalho como consultor de projetos sociais na Prefeitura. No entanto, estou sempre envolvido com o problema de atitudes arbitrárias em escolas públicas onde alunos são expulsos ou suspensos sem qualquer critério legal. Por este motivo gostaria de estar recebendo informações mais detalhadas sobre a legalidade desse procedimento adotado pelas escolas. Até que ponto a escola teria poderes para expulsar alunos, ou trata-se de um ato totalmente ilegal? Favor encaminhar informações jurídicas sobre o caso.

Respeito ao aluno, 3ª Parte. A expulsão da escola

Este é certamente o problema mais grave da escola brasileira: a expulsão de alunos. Além de não ser inclusiva, ela é inóspita para os alunos já matriculados e, na primeira oportunidade, eles são "convidados" a sair da escola, ou então, sumariamente expulsos. E aqui sempre fazemos o mesmo apelo aos pais: não permita que seu filho seja expulso, procure entender o que está por trás dessa atitude da escola! Tenha a coragem de enfrentar essa questão de cabeça erguida, não seja mais uma vítima de um sistema de exclusão.
Já falamos aqui exaustivamente sobre a expulsão na rede pública de ensino, que se dá de várias formas: "oficialmente", através do Conselho de Escola,  através de manobras dos diretores de escola, ou de forma "branca".

A expulsão na rede particular é tão ou até mais frequente do que na pública, e isso também já demostramos aqui diversas vezes. Mas na rede particular ela costuma ser melhor disfarçada, através de um "convite" para buscar …

Escola pública ou particular. Qual a sua opção?...

De vez em quando a gente atende uns pais de alunos bem descontrolados, difícil manter a linha. Faço questão de reproduzir aqui toda a troca de mensagens com um cidadão que quase me tirou do sério... rs
Dia 4 de setembro "Por um acaso deparei com seu site. Gostaria de que me informassem se é LÍCITO aluno de escola pública ser agraciado; com merenda substanciosa ; material escolar, transporte, uniforme e até tablets, pelos quais pouco se exige de cuidados e/ou devolução; pelos PODERES PÚBLICOS, enquanto que alunos de escolas particulares, cujo custo é elevado e que foi assumidos pelos pais como opção, para que tenham uma escola  de melhor qualidade; não é fornecida merenda, material, livros, transporte,nem tablets em pé de IGUALDADE? Será que os cursos das escolas particulares são regidos por diretrizes, normas, conteúdos, ou programas de entidades estranhas ao Ministério da Educação do Governo Federal? Será que as crianças das escolas particulares não são Cidadãos Brasileiros? Será…