Pular para o conteúdo principal

Indisciplina escolar: a educação vem de casa?...


Não resta dúvida de que a indisciplina escolar é um assunto crucial na rede de ensino, tanto pública quanto particular, principalmente quando se trata de alunos pré- ou adolescentes, que naturalmente tendem a desafiar limites. O que nos preocupa, aqui no EducaFórum, é a afirmação mais comum que a maioria dos pais de alunos já ouviu de profissionais da escola: "A educação vem de casa". Sim, isso é verdade, mas em parte. A educação é um processo que se dá em todos os ambientes, inclusive o escolar. E na escola ocorrem situações muito diferentes do que no lar, os contatos são muito mais numerosos e variados. Por isso a escola precisa ter um projeto disciplinar que possa garantir a paz na instituição. Muitas escolas públicas e particulares - se não a maioria - condicionam o comportamento dos alunos a um termo de compromisso que pedem para os pais assinarem no início do ano letivo. Esse documento contém a ameaça de que, após X advertências ou suspensões, o aluno poderá ser transferido ou expulso. Outras escolas, neste caso apenas públicas, chegam a chamar a polícia na escola para resolver questões disciplinares, assinando assim seu atestado de incompetência.

Uma leitura que recomendamos a todos os interessados é uma coleção de três livrinhos muito esclarecedores, que relatam situações reais de conflitos na escola e mostram soluções possíveis, sem apelar para chantagens, ameaças e meios externos, que além de não resolver, costumam tumultuar o ambiente escolar. Trata-se de "Um panorama geral da violência na escola ... e o que se faz para combatê-la", por autores diversos, da editora Mercado de Letras.

Como já informamos, iniciamos uma nova parceria com a Secretaria Estadual da Educação de São Paulo e tivemos a oportunidade de discutir este tema na Diretoria de Ensino de Limeira, numa reunião muito enriquecedora, apesar de alguns pontos de tensão que demonstram porém o nível de sinceridade de todas as partes envolvidas. A DE de Limeira demonstrou ter abertura para dialogar com a comunidade escolar e um claro compromisso com a inclusão de todos os alunos, atitude bastante rara na rede de ensino.

Em nome da transparência que sempre buscamos aqui no blog, segue a mensagem de agradecimento que enviamos à SEE, pela oportunidade de parceria: 

Profª Raquel Volpato
Subsecretária de Articulação Regional

Prezada Profª Raquel,

Devido a muitos compromissos, estou comentando com muito atraso a reunião realizada no dia 01 de julho na DE de Limeira, que resultou em duas horas e meia de intenso e proveitoso debate. Agradeço, também em nome dos colaboradores do EducaFórum que participaram da reunião de 16 de junho na SEE, a oportunidade de encontro entre todas as partes envolvidas e preocupadas com o futuro escolar dos alunos da rede.

A reunião não foi apenas intensa e proveitosa, mas rica de confidências pessoais dos participantes, criando um clima de confiança e respeito mútuo, que fez baixar as guardas e tornou a experiência muito significativa.

Preciso me desculpar – o que, aliás, fiz pessoalmente – com o diretor da escola........, pela avaliação negativa que eu havia feito de sua atuação, devido à distância e a experiências que tivemos com diretores de outras escolas da rede. Durante a reunião ficaram claras suas boas intenções, bem como do dirigente de Limeira, em esclarecer as dúvidas e manter um ambiente harmonioso não apenas nessa escola, mas em todas de sua diretoria.

Também foi muito enriquecedora a participação da Profª Rosinha e do Prof. Danilo, que se deslocaram de São Paulo para Limeira.

Entendo que existe, por parte do dirigente, a firme intenção de incluir todos os alunos na rede e de dar-lhes o suporte necessário para sua adaptação na escola. E agradecemos a opção que foi dada à família do aluno ........, no sentido de decidir onde será mais adequado que ele termine o ano escolar em curso.

Com respeito à disciplina escolar, questão que é comum a todas as escolas, continuo defendendo a ideia de que a educação não vem exclusivamente de casa. Entendo que a escola como um todo – e não apenas o diretor e os professores, individualmente – precisa fazer um esforço para administrar conflitos. Uma sugestão que discutimos internamente no EducaFórum e que poderia ser desenvolvida em várias escolas da DE, em rodízio, seria promover debates com dinâmicas de grupo entre alunos sobre comportamento na escola, com um moderador que poderia ser um psicólogo da comunidade ou da própria rede. Ao desenvolver esse trabalho em diversas escolas, esse profissional poderia traçar um quadro do que os pré- ou adolescentes entendem sobre o que se espera de seu comportamento na escola e os motivos que os levam à indisciplina. Entendemos que seria uma atitude corajosa por parte da DE, em vista de que provavelmente surgiriam questionamentos dos alunos sobre aulas vagas, demora na troca de professores em sala, mal-entendidos que às vezes os profissionais da escola não permitem sejam esclarecidos ou discutidos, melindres e troca de acusações. Se houver liberdade no debate, poderá surgir algum mal-estar que exigirá habilidade do mediador, mas a solução desses impasses ou desconfortos poderá criar uma espécie de “catarse” benéfica, como ocorreu, por exemplo, na própria reunião de Limeira, entre todas as partes.

Dinâmicas de grupo bem conduzidas, com a dramatização de situações de conflito dentro da escola e a troca de papéis dos participantes, podem ajudar a conscientizar os alunos sobre sua invasão à liberdade e à segurança dos colegas. A prática dessas dinâmicas poderia mostrar que a educação não apenas vem de casa, mas pode e deve ser desenvolvida também na escola, ambiente onde as situações são muito diferentes do que no lar, pois os contatos são mais numerosos e variados. Colocando-se no lugar do outro, seja um colega, um professor ou até um diretor de escola, o aluno poderá entender melhor em quais situações está transgredindo os limites do aceitável e criando conflitos que podem gerar consequências desagradáveis.

Espero que esta sugestão possa ter alguma utilidade, da mesma forma que a reunião em Limeira me ajudou a rever posições e a entender melhor a questão da inclusão escolar.

Mais uma vez agradeço a atenção e peço encaminhar este relato a todos os participantes da reunião na DE de Limeira.

Atenciosamente,

Giulia Pierro
EducaFórum

Comentários

christian disse…
A Educação vem de todos, de casa, do estado, da nação e muito importante da escola. Isso é um fato irrefutável. Outro dia vi um entendido em educação falando em um desses filmes de internet que viram "virais" que a escola não tem que educar a criança e que ela dever vir educada para escola. Enfim, achei de uma redundância enorme pois tais educações são distintas e complementares. Para meu filho vou ensinar a lavar as mãos escovar os dentes falar bom dia boa tarde e boa noite e logicamente que na escola esse processo que já esta caminhando se abrange para os conhecimentos a serem adquiridos. POREM repito porem, quantas escolas não criam links com as famílias a par e passo para que o processo se encaminhe e apenas quando chega um caso de expulsão a família, quando temos ainda a figura de uma família é chamada. Isso sim que deve ser revisto, um estar mais próximo dos pais de forma aberta e clara. Beatriz Fleury Gerber

Postagens mais visitadas deste blog

A expulsão é legal?

Recebemos a seguinte mensagem de Manaus e a respondemos no comentário. Dê também sua opinião!
Sou ex-Conselheiro Tutelar e hoje trabalho como consultor de projetos sociais na Prefeitura. No entanto, estou sempre envolvido com o problema de atitudes arbitrárias em escolas públicas onde alunos são expulsos ou suspensos sem qualquer critério legal. Por este motivo gostaria de estar recebendo informações mais detalhadas sobre a legalidade desse procedimento adotado pelas escolas. Até que ponto a escola teria poderes para expulsar alunos, ou trata-se de um ato totalmente ilegal? Favor encaminhar informações jurídicas sobre o caso.

Respeito ao aluno, 3ª Parte. A expulsão da escola

Este é certamente o problema mais grave da escola brasileira: a expulsão de alunos. Além de não ser inclusiva, ela é inóspita para os alunos já matriculados e, na primeira oportunidade, eles são "convidados" a sair da escola, ou então, sumariamente expulsos. E aqui sempre fazemos o mesmo apelo aos pais: não permita que seu filho seja expulso, procure entender o que está por trás dessa atitude da escola! Tenha a coragem de enfrentar essa questão de cabeça erguida, não seja mais uma vítima de um sistema de exclusão.
Já falamos aqui exaustivamente sobre a expulsão na rede pública de ensino, que se dá de várias formas: "oficialmente", através do Conselho de Escola,  através de manobras dos diretores de escola, ou de forma "branca".

A expulsão na rede particular é tão ou até mais frequente do que na pública, e isso também já demostramos aqui diversas vezes. Mas na rede particular ela costuma ser melhor disfarçada, através de um "convite" para buscar …

Escola pública ou particular. Qual a sua opção?...

De vez em quando a gente atende uns pais de alunos bem descontrolados, difícil manter a linha. Faço questão de reproduzir aqui toda a troca de mensagens com um cidadão que quase me tirou do sério... rs
Dia 4 de setembro "Por um acaso deparei com seu site. Gostaria de que me informassem se é LÍCITO aluno de escola pública ser agraciado; com merenda substanciosa ; material escolar, transporte, uniforme e até tablets, pelos quais pouco se exige de cuidados e/ou devolução; pelos PODERES PÚBLICOS, enquanto que alunos de escolas particulares, cujo custo é elevado e que foi assumidos pelos pais como opção, para que tenham uma escola  de melhor qualidade; não é fornecida merenda, material, livros, transporte,nem tablets em pé de IGUALDADE? Será que os cursos das escolas particulares são regidos por diretrizes, normas, conteúdos, ou programas de entidades estranhas ao Ministério da Educação do Governo Federal? Será que as crianças das escolas particulares não são Cidadãos Brasileiros? Será…