O exemplo de cidadania dos alunos paulistas para o País!


Hoje, 28 de novembro, 209 escolas ocupadas, em todo o Estado! "Educação precarizada, nossa resposta é: escolas ocupadas! #CaetanoOcupada #EstudanteDeLuta"

.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-

Hoje, 23 de novembro, já são mais de 100 escolas ocupadas! "Não tem arrego, você tira minha escola, eu tiro seu sossego!"

.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-

Hoje, 16 de novembro, já são 28 escolas ocupadas por estudantes. Coragem, alunos da rede Estadual de São Paulo, ocupem sua escola e digam não ao projeto de privatização do Geraldo! Foi por isso que as escolas tem sido sucateadas e esvaziadas.

.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-

Hoje, 14 de novembro, chegou a informação de que já são 15 escolas ocupadas. E o juiz negou a reintegração de posse!

.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-

Nova informação, agora à noite: já são 11 escolas ocupadas, e os pais estão começando a apoiar os filhos. Agora vai!

.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-

Em tempo: agora à tarde, já são 10 as escolas ocupadas por alunos!! A cada nova escola ocupada, vamos informar aqui!

.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-

A legislação brasileira é farta de garantias de direitos aos estudantes, em todos os níveis de ensino. A Constituição Federal, o ECA e a LDB são muito claros na descrição dos direitos básicos dos alunos, desde o acesso a uma escola pública próxima de sua residência, até a tão necessária e desejada qualidade. A Constituição enfatiza especialmente o direito à permanência na escola.

Pois é disso que se trata, na reivindicação dos alunos das escolas da rede estadual de São Paulo, que saíram às ruas contra a "reorganização" da qual já tanto falamos aqui. Até agora, 8 escolas da rede estão sendo ocupadas por alunos, numa manifestação inédita. Eles exigem permanecer na mesma escola onde estudam, e se posicionam contra o fechamento de escolas que a Secretaria da Educação decidiu entregar para outras redes. 

Estivemos ontem na EE Fernão Dias, que não está na "lista" de escolas a serem fechadas, e conversamos com muitos alunos que se encontravam na frente do prédio, em solidariedade aos que estavam acampados lá dentro, e protestando vivamente contra a tal "reorganização". A entrada da escola estava barrada por uma fila imensa de policiais, como num ato de "proteção", daqueles que conhecemos muito bem, dada a truculência da polícia do governador Geraldo Alckmin. Uma única Conselheira Tutelar tentava administrar a tensão, no aguardo da chegada do Oficial de Justiça, que exigiria a reintegração de posse da escola. A figura carimbada do advogado da Apeoesp, devidamente engravatado e gordo como um banqueiro, tentava negociar sua entrada, junto às autoridades previstas para acompanhar a ação.

Muito seguros do que queriam e dos riscos que corriam, os alunos negaram-se a dar informações sobre seus colegas acampados no interior da escola, apesar de diversos "abutres" midiáticos que apostavam em sua ingenuidade e que ficaram a ver navios. Duas mães de alunos estavam lá preocupadas, uma apoiando a filha acampada, outra procurando a dela, de 15 anos, que havia saído da ocupação no dia anterior devido à sua pressão, mas em seguida fugira de casa, deixando um bilhete pedindo que não a procurasse, mas que não se preocupasse por ela, pois ficaria bem...

Não há idade para o exercício da cidadania! Parabéns para esses alunos que despertaram do torpor em que se encontra a sociedade paulista, dando a seus pais e a toda a população o recado da necessária resistência contra mais essa atitude arbitrária da Secretaria da Educação, um filme que já assistimos na década de 90 e que visa, claramente, a privatização das escolas. 

O Governo do Estado de São Paulo, em seus 20 anos de desmandos na educação, nunca teve a mínima preocupação com os alunos e seu aprendizado, apenas com a economia de recursos e a privatização, tentando se livrar do "abacaxi" de ter que apresentar resultados satisfatórios numa área da qual nada entende, pois não há educação sem cidadania. E a praia do Geraldo é o autoritarismo! Tentando desqualificar a ocupação das escolas como um movimento orquestrado pela oposição ao seu desgoverno, trata os alunos de sua rede como marionetes, exatamente como gostaria que tivessem se tornado, após anos de permanência numa escola precária em todos os sentidos. 

Mas os alunos mostraram que o governador está enganado! Para tudo há limites, e eles resolveram dar a toda a população paulista, seja alienada ou hipócrita, um raro exemplo de cidadania e de coragem, acampando e resistindo dentro das escolas. Tudo isso, apesar da enorme pressão e tensão de ver um batalhão de polícia na porta, apesar do boicote dos diretores, que dificultam o abastecimento de alimentos  e espumam de raiva, marcando os alunos rebeldes e tramando sua expulsão desde já.

Mas uma coisa é certa: se os alunos da maioria das escolas resolverem ocupar o prédio daquela onde estudam, não vai haver contingente policial para dar conta do recado! 

O Geraldo entende que "permanência na escola" significa permanência numa escola qualquer! Para ele, tanto faz em que escola o aluno vai passar a estudar, seja ao lado de sua casa ou a quilômetros de distância. Uma ou outra serão ainda mais sucateadas do que já estão! Desde a década de 90, a rede estadual troca os alunos de escola como marionetes e promove o fechamento de classes a bel prazer, já que muitos alunos acabam evadindo devido ao remanejamento, outros são sumariamente expulsos. Diga-se de passagem que essa atitude não é exclusiva do governo paulista, ela ocorre no país inteiro. Mas já que o governador tanto se gaba de sua rede de ensino ser a maior, é aqui que mais se verifica e evidencia esse fenômeno de impedir aos alunos a fixação numa mesma escola, no mesmo bairro e na mesma comunidade. Quantos alunos e ex-alunos paulistas podem se orgulhar de ter estudado na escola "tal"? Procure à sua volta e vai perceber essa triste realidade! A escola dos meus filhos também foi fechada, alguns anos depois de terem terminado o ensino médio, já contei essa história aqui com todos os detalhes. 

Há duas décadas, vem sendo negado aos alunos paulistas o pertencimento à escola, à comunidade, à sua tribo. É disso que se trata nessas ocupações de escolas, seu Geraldo! E tomara que os alunos tenham mais coragem que seus pais, ampliando esse movimento para todas as escolas, que estejam ou não na "lista" de fechamento.

Que vergonha, seu Geraldo! Uma lista negra dessas, mostrando claramente seu projeto de esvaziamento e fechamento de escolas, no maior estado do País, que tanto necessita de uma educação cidadã e de qualidade!

Coragem, alunos, estamos com vocês, mesmo com o coração nas mãos! Saibam que estão dando aos seus pais e a toda a população brasileira um raro exemplo de cidadania. Que seja o começo de uma nova era!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A expulsão é legal?

Escola pública ou particular. Qual a sua opção?...

Respeito ao aluno, 3ª Parte. A expulsão da escola