"Reestruturação" de 1995: crianças no período noturno!

Este é o terceiro post que mostra os estragos da primeira "reestruturação" do ensino estadual de São Paulo, realizada a partir de 1995 pelo governador Mario Covas, ídolo do atual governador Geraldo Alckmin. Divulgo essas matérias da época para mostrar aos alunos das escolas de luta que o pretexto do Geraldo é exatamente o mesmo alegado pelo antigo governador, ou seja, agrupar os alunos por ciclos. Naquela época, dezenas de milhares de alunos acabaram evadindo por falta de opção, famílias desestruturaram suas rotinas e... a qualidade do ensino só foi piorando.

Tem mais: além do fechamento de muitas escolas - só no primeiro ano foram 150! - várias unidades "reestruturadas" acabaram tendo que voltar a receber alunos de outros ciclos, devido à justa pressão da comunidade e dos Conselhos Tutelares! Ou seja, essa reforma não deu certo!!! E tudo indica que poderá ocorrer a mesma confusão, se a reestruturação do Geraldo for adiante. É claro que ele vai jurar de pés juntos que não, que "hoje" a Secretaria é muito melhor organizada etc. e tal. Pois é, tão bem organizada que o Secretário acaba de cair...

A matéria acima digitalizada (clique na imagem para ampliá-la), foi publicada pelo extinto Diário Popular em 8 de janeiro de 1997 e conta uma história do tipo "acredite, se quiser": crianças de 10 a 13 anos sendo empurradas para o período noturno, pois as duas únicas escolas que existiam no bairro de Amador Bueno, em Itapevi, haviam sido "reestruturadas" para abrigar apenas alunos da 1ª à 4ª série, então o segundo ciclo do Ensino Fundamental passou a ser oferecido no período noturno, que deveria ser destinado para alunos trabalhadores, ou maiores de 14 anos. 

Isso provocou não apenas imensos transtornos para as famílias, mas também a evasão de inúmeros alunos. O Conselho Tutelar da região ficou arrancando os cabelos durante um bom tempo para garantir que as crianças do bairro pudessem voltar a estudar de manhã ou à tarde, mas muitas acabaram evadindo, como mostra a reportagem.

Então você, que está ocupando sua escola e é contra a atual reforma, precisa entender que esse projeto é antigo, já deu zebra há 20 anos, por que daria certo agora?... Já naquela época ele foi idealizado como se os alunos fossem números, e é assim que você tem sido tratado, não é? Apenas um número que representa um determinado "custo" para o estado, já que o Geraldo entende educação como gasto e não como investimento. E agora ele "precisa" cortar custos...

Se o Geraldo (aparentemente) voltou atrás, essa conquista é de todos vocês, alunos que ousaram enfrentar o sistema e a repressão policial! Mas ele ainda vai tentar enrolar seus pais com sua conversa mole (ouviu o pronunciamento dele?...), então fique de olho! E exija que seja realizada eleição DEMOCRÁTICA do Conselho da sua escola, do qual você pode participar e fiscalizar a gestão das verbas, inclusive dos materiais que você encontrou escondidos nas salas da secretaria ou da diretoria...

Se você não tiver lido os dois primeiros posts desta série, clique aqui e aqui.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A expulsão é legal?

Escola pública ou particular. Qual a sua opção?...

Respeito ao aluno, 3ª Parte. A expulsão da escola