Multifratura? Frescura! Atirar sapato? Brincadeira!


Você que acompanhou a “saga” da EMEF Imperatriz Dona Amélia sabe que na rede municipal de São Paulo os alunos correm o risco de serem agredidos por professores e funcionários, sem que nada seja apurado. Leia agora a matéria da Folha de São Paulo de ontem e a nota de Gustavo Ioschpe no site da Veja, sobre o aluno que sofreu fraturas múltiplas durante uma “aula” de educação física, não foi socorrido, não teve autorização para ligar para a mãe e precisou voltar para casa sozinho, com a ajuda de colegas http://veja.abril.com.br/gustavo_ioschpe/notas_020708.shtml.

Postei no site da Veja um comentário a respeito da nota de Gustavo Ioschpe que, aparentemente, é dos poucos no país a se indignar com essas atrocidades “pedagógicas”. Ele lançou um apelo para buscar um advogado que se disponha a tomar as medidas cabíveis para indenizar o aluno e a família. Peguei carona nesse apelo, pois nós do EducaFórum já cansaaaaaamos de pedir a ajuda de algum jurista ou advogado, até aposentado, em nome de pais de alunos lesados por uma rede pública relapsa e conivente com os crimes de seus funcionários.

Caro Gustavo, como você mesmo diz, o Secretário Municipal da Educação em São Paulo é um só e chama-se Alexandre Schneider. Esse mesmo secretário, no dia 08/10/07, recebeu a visita de um grupo de mães e alunos da EMEF Imperatriz Dona Amélia, em São Mateus, que eu mesma acompanhei. O secretário não os atendeu pessoalmente, o que foi feito por sua secretária Cláudia. Os pais fizeram uma série de denúncias, entre elas que uma funcionária tirou um sapato do pé de um aluno para atirá-lo nas costas de outro, deixando hematomas, o que foi presenciado por diversas pessoas, inclusive pelo presidente do Conselho de Escola. A mãe do aluno não fez BO, pois foi alvo de uma pesada lavagem cerebral que a convenceu de que tratou-se de uma "brincadeira" da funcionária. O secretário Alexandre Schneider recebeu todas as denúncias, inclusive essa, por escrito, e nunca se manifestou, ou melhor, em 09/04 orquestrou uma reunião na própria escola, convocando toda a comunidade para colocar panos quentes nas denúncias. Leia aqui http://educaforum.blogspot.com/2008/04/armao-ilimitada.html. Depois dessa reunião, a funcionária que atirou o sapato nas costas do aluno moveu um processo contra uma das mães que fizeram a denúncia à SME, por ameaça e difamação. Veja portanto, caro Gustavo, que ocorrem na rede municipal fatos mais graves do que falta de socorro ou incompetência pedagógica. E as vítimas são duplamente penalizadas. Se aparecer um advogado que aceite atuar no processo da "frescura" do multifraturado, por favor, pergunte se ele não aceitaria defender na Justiça uma mãe acusada de denunciar um crime de agressão contra um aluno de outra escola municipal, crime rotulado de "brincadeira". Obrigada!

Comentários

Anônimo disse…
aluno se machuca é impedido de chamar os pais... hahaha, como vocês mentem, senhorinhas tucanas leitoras da veja.

pfff
Sonia Regina disse…
Giulia,

A funcionária que agrediu um aluno com uma sapatada, não está me processando por calúnia e difamação, não! Ela está alegando que foi ameaçada por mim e por outra mãe, e tem como testemunhas FALSAs alguns coleguinhas de trabalho...
Bem conveniente, né!
Só que, ao contrário da outra mãe, eu faço questão, que eles provem cada palavra que disseram, infelizmente a outra mãe aceitou a assinar um acordo, onde ela pagou com serviços comunitários para que o processo não se estendesse. Não foi dado à ela nenhuma chance de defesa, e o pior de tudo, a Justiça aceitou a palavra dessa funcionária agressora e de seus colegas de trabalho como sendo a mais pura verdade. Não é preciso fazer nenhuma faculdade de direito pra saber que, todos aqueles que acusam tem que PROVAR a acusação, e o acusado tem o direito de defesa, de provar a sua inocência. Isso está inclusive no código dos DIREITOS HUMANOS. E isso não foi dado a essa outra mãe.
Mas, nada que o pessoal dos direitos humanos não consigam resolver.
DIREITOS HUMANOS disse…
Art. 10o.
Toda pessoa tem direito em plena igualdade, a uma audiência pública por parte de um tribunal independente e imparcial, para decidir sobre seus direitos e deveres ou do FUNDAMENTO DE ACUSAÇÃO CRIMINAL CONTRA ELE.

Art. 11o.
Toda pessoa ACUSADA DE UM ATO DELITUOSO TEM O DIREITO DE SER PRESSUMIDA INOCENTE, até que sua CULPABILIDADE TENHA SIDO PROVADA DE ACORDO COM A LEI, em julgamento público na qual lhe tenham sido asseguradas todas as garantias necessárias à sua defesa.

Sonia Regina
Giulia disse…
Oi, Sônia, eu havia entendido que a acusação era de ameaça E difamação. Então é só ameaça? De quê?
Sonia Regina disse…
Giulia,

Ameaça à integridade física, pode!?

A funcionária agride um aluno, eu a denuncio pra direção, diretoria de ensino e Secretaria Municipal (conforme está tudo devidamente registrado, pois isso tbm foi feito numa reunião com a presença da Sra. Hatsue e alguns pais, professores e funcionários) e ela que se diz ameaçada, oras bolas....palhaçada tem limite!
A única coisa que disse à essa agressora na presença de muitas pessoas, inclusive na presença da Sra. Hatsue, foi que, se fosse com os meus filhos, eu teria feito um B.O. imediatamente, exame de corpo de delito e acionado o Conselho Tutelar...falei algo demais, alguma bobagem??

Ah! Ninguém pode isentar essa funcionária agressora, nem mesmo os pais dessa criança. E todo aquele que tem conhecimento de maus-tratos a uma criança tem a obrigação de denunciar...
Isso serve pra direção desta escola tbm.
Anônimo disse…
Giulia
Veja um comentário que está no site da Cremilda, com o nome de macaco
é muito importante para sindicância.
Mauro disse…
Giulia,

Peço que me mande o número do processo e qual é o foro regional.
Eu vou dar uma olhada no processo na próxima semana.

é só por enquanto.

mauro
Grêmio SER Sudeste
Giulia disse…
Mauro, já te mandei pelo menos umas três vezes a intimação! Veja no seu outlook...
Giulia disse…
Anônimo, comentários de "macacos", "papagaios" e "anônimos" não valem absolutamente nada, para mim e muito menos para uma sindicância! O que vale são depoimentos concretos, com nome e sobrenome da pessoa, de preferência assinados, como estão fazendo os pais corajosos da EE Lucas Roschel Rasquinho. Chega de covardia!
Anônimo disse…
haha, como vocês mentem, meu deus do céu... essa é a ética da associação de senhorinhas leitoras da revista veja?
Prof. Suely Valente disse…
Se tens medo de denunciar ,não faça comentário algum . Por mais que seja penoso e até dolorido no bolso , não titubeie . APAREÇA , de nome aos bois . Só assim as coisas andam .

Prof. Suely Valente

07/07/08
Giulia disse…
Professora Suely, você pode por gentileza me mandar um e-mail para educaforum@hotmail.com? Tem uma professora perseguida que precisa muito da sua orientação. Gostaria de colocar vocês em contato. Muito obrigada!!!
Ribamar disse…
Olá,

Respondi dois posts que deixou no site da "Veja" sobre as notas do Sr. Gustavo Ioschpe. Gostaria muito de saber sua opinião.

Obrigado.

Ribamar
Anônimo disse…
Oi, Ribamar, respondi la. Um abraço.