Reuniões com a comunidade escolar???...


Seguem comentários sobre as reuniões realizadas nos dias 25 e 26/11 a respeito da EE Lucas Roschel Rasquinho. Antes dos comentários, leia o post De tanto ver triunfar as nulidades... e entenda melhor o assunto.

Reunião nº 1

A reunião do dia 25/11, realizada na DER Sul 3, denominada "Reunião com a Comunidade", conforme consta da lista de presença, teve um quorum de 30 participantes, dos quais:

23 profissionais (professores, membros da APEOESP, da DE e da COGSP) = 80%
01 diretora da escola = não conta, pois foi convocada como "ré"
03 pais de alunos = 10%
02 membros da comunidade = bem-vindos, mas têm apenas direito a voz
01 conselheiro tutelar = bem-vindo, mas tem apenas direito a voz
00 alunos = lamentável, a total ausência de alunos

Você acha que uma assembléia dessas representa a comunidade escolar???...

A EE Lucas Roschel Rasquinho, no bairro de Parelheiros, São Paulo, tem mais de mil alunos matriculados e vai até o 3º ano do ensino médio, inclusive no período noturno. Isto significa que muitos dos seus alunos são adolescentes e adultos, capazes de opinar sobre a qualidade da escola. Mas essa reunião foi convocada justamente para não ser representativa.

Reunião representativa é na escola! Foi essa a nossa proposta e cansamos de repudiar essa reunião na DER. Pedimos até à véspera que fosse cancelada, como você viu nos e-mails publicados abaixo, mas o dirigente da DER fez questão de mantê-la!

TODOS, nessa reunião, pediram a demissão da atual diretora, MENOS o Sr. Hélio, presidente da Associação Amigos do Bairro, cuja fala a favor dela não foi registrada em ata. Estranho, não?...

Bem, esperamos que desta vez tenha ficado claro de uma vez por todas o motivo pelo qual não comparecemos e repudiamos essa reunião.

Reunião nº 2

A reunião do dia 26/11, realizada na COGSP, consta em ata como sendo "sequência" à reunião do dia anterior, ocorrida na DER Sul 3. Entendemos que não houve sequência alguma, pelo menos de nossa parte, que havíamos solicitado UMA ÚNICA reunião para que a diretora pudesse retomar seu trabalho na escola, de onde foi afastada pelo dirigente da DER através de uma licença prêmio forçada à qual tinha, sim, direito, mas que ainda não pretendia tomar. Ela está há quatro meses afastada, tempo que foi suficiente para a escola voltar a ser sucateada, para as aulas vagas voltarem a rodo e para que fosse lançada sobre a diretora todo tipo de calúnia, a ponto de a comunidade escolar se voltar contra ela.

Entendemos portanto que a reunião de hoje foi a ÚNICA que poderia atender nosso pedido de apoio para que a escola voltasse a ter um norte, após ter-se tornado novamente um "faroeste". MAS não: essa reunião foi invadida pela APEOESP, meia hora após seu início, retomando o lero-lero do dia anterior: pedir o afastamento definitivo da diretora.

O "ponto alto" dessa reunião foi o depoimento da única aluna presente, que leu um documento pedindo "A destituição e substituição imediata da diretora". O coordenador da COGSP pediu à aluna que mostrasse o documento e descobriu-se que era o mesmo panfleto distribuído pela APEOESP na porta da escola no dia 20 de outubro, durante uma manifestação em que os alunos foram impedidos de ter acesso às salas de aula. Ficamos muito entristecidos ao ver que a única aluna que compareceu à reunião estava servindo de massa de manobra para o sindicato...

Em compensação, um dos pais de alunos presentes foi bem claro ao denunciar o vandalismo ocorrido após o afastamento da diretora, que havia deixado a escola em perfeito estado, valendo-se inclusive da colaboração dos pais em trabalhos de manutenção e benfeitorias. Esse pai declarou que a escola piorou devido à irresponsabilidade dos professores e não à gestão da diretora. Ele contou que seu filho tem tido muita aula vaga e que foi pedir esclarecimentos ao professor coordenador. Esse, com os pés sobre a mesa, respondeu que um tal professor ficava muito em Brasília e que seu filho ficaria retido por causa das faltas desse professor...

Por sua vez, o secretário da escola declarou que perdeu a paz e está sofrendo todo tipo de pressão por parte de outros profissionais, para que se declare contra a diretora.

A atual diretora, afastada em licença-premio contra sua própria vontade, se declarou preocupada com a escola: após ter conseguido recuperar o IDESP da unidade escolar, que ficou acima da média, as aulas vagas dos últimos meses prejudicaram demais os alunos; sua vice-diretora, que fomenta a discórdia dentro da escola, perdeu a verba de enriquecimento da merenda escolar; sua senha de acesso ao financeiro da escola foi trocada; ela foi retirada, sem ser consultada, do projeto Escola da Família.

A ata da reunião ficou muito confusa, motivo pelo qual a assinamos sob protesto. Ao mesmo tempo, protocolamos um documento em que contestamos diversos pontos, principalmente a escolha da DER para convocar uma "reunião com a comunidade escolar". Ninguém tem o direito de CONVOCAR pais ou alunos fora da escola, onde perderão dias letivos ou de trabalho, terão gastos de condução e de alimentação, enquanto os professores têm seu ponto marcado e as despesas pagas pela APEOESP. Reunião DEMOCRÁTICA é na escola! A escolha infeliz da DER mostra claramente que o objetivo da reunião não foi nada democrático. Mesmo assim, agradecemos ao professor José Benedito por ter permitido a realização de uma segunda reunião, caso contrário o dirigente da Sul 3 poderia ter tomado atitudes precipitadas, como foi aliás a própria convocação da reunião na DER.


"Tropa de elite dentro da escola"

Ficamos surpresos com a informação de que, a partir do dia 16 de novembro foi constituída uma equipe de seis supervisores que estão apurando irregularidades dentro da escola. Essa equipe "não constatou irregularidade alguma". Pudera! A escola ficou durante quatro meses na maior baderna, com vandalismo, falta de segurança, alunos sem aulas, merenda pobre etc. De repente entra uma "tropa de elite" fazendo uma supervisão intensiva e imagina-se que as falhas vão aparecer?... É claro que, nessas duas semanas, todos os profissionais relapsos estão tendo que mudar de comportamento, toda a sujeira está sendo varrida sob o tapete. Isso não é investigação! Esperamos sinceramente que essa medida seja tomada com mais responsabilidade e que seja avaliada a qualidade da escola durante a gestão da diretora, em comparação com os quatro meses de sua ausência forçada. E vamos ver como vai ficar o IDESP da escola em 2010, após 4 meses sem aulas!

Comentários

victor zazuela disse…
Giulia, a ausência de alunos é constante em reuniões nas UE.s. Infelizmente, os grêmios - quando existem - não representam politicamente os alunos.
É através das mais rigorosas apurações que se absolvem todos os grandes culpados.
cremilda disse…
E aquela inspetora de alunos que até cospe na cara de crianças pequenas, estava ontem na reunião da Cogesp representando a categoria....
Que lindo não é ???
cremilda disse…
MAS GENTE DA DRE SUL 3 NÃO VAI ENXERGAR NADA ERRADO NA ESCOLA,NUNCA!!
FOI POR CAUSA DISSO QUE NO FINAL DA REUNIÃO EU SUGERI A ELE QUE ESTEVE FAZENDO AVERIGUAÇÃO NA ESCOLA E NÃO ENCONTROU NADA, QUE PEDISSO AO PAPAI NOEL DE PRESENTE: ÓCULOS, DE GRAU, MAS MUITOS GRAUS.
Giulia disse…
Essas suas tiradas são ótimas, Cremilda!
cremilda disse…
O Palácio do Governo já me ligou
Parece que acordam de um longo e tenebroso sono de inverno.
Percebem que a banda podre e a Apeoesp entram no buraco que eles mesmo deixam, depois o rombo fica enorme e não adianta chorar.
Giulia disse…
Tomara que tenham acordado a tempo!

Postagens mais visitadas deste blog

A expulsão é legal?

Escola pública ou particular. Qual a sua opção?...

Respeito ao aluno, 3ª Parte. A expulsão da escola