Pular para o conteúdo principal

Qualidade do ensino? Isso é de menos!


Apertar o cinto! rsrs

Estivemos hoje na coordenação da COGSP: a Cremilda do NAPA, o Tertuliano do Fórum da Criança e do Adolescente de Marsilac e eu. Nossas reuniões na COGSP confirmam o que sempre defendemos aqui: o maior problema da rede pública não é a qualidade do ensino.

Levamos hoje quatro casos e um que foi mencionado apenas de leve, por ter sido, digamos, “abortado”. Nenhum desses casos merecia ser levado para o coordenador da COGSP, todos eles poderiam ter sido resolvidos sem interferências, aliás, nem precisariam ter-se tornado problemas. Vamos começar justo pelo caso “abortado”, que mostra exatamente o mau caratismo de certos “educadores”, acobertado pelo corporativismo que domina as escolas:

Uma professora se refere a uma classe inteira como sendo “um curral de vacas e galinhas, precisando de uma salsicha para se satisfazer”. Uma das alunas responde que a classe não seria um curral, pois a filha da professora não estuda nela. Essa resposta vale uma semana de suspensão para a aluna. Em sua volta, ela recebe a notícia de que vai ser expulsa. A aluna nos procura e prometemos ajudá-la. Ao conversarmos com a mãe, sentimos que ela vai ficar do lado da escola, pois entende que fala de professor nunca deve ser contestada. A aluna diz que confia no pai, que estaria disposto a ajudá-la. O pai vai para a escola, se humilha ajoelhando-se aos pés da professora , pede desculpas por ela e “consegue” manter a filha matriculada. Caso encerrado! Mais uma “educadora” continua à vontade para xingar os alunos de tudo que é nome e promover a expulsão de quem resolva responder à provocação! Difícil entender por que os pais e alunos relutam em defender seus direitos?

Estivemos também cobrando o resultado da apuração preliminar instaurada na EE José Lins do Rego, onde um aluno sofreu uma expulsão “branca” que conseguimos reverter graças à pronta intervenção do Prof. José Luiz, do Departamento Jurídico da COGSP. O aluno continua na escola, mas é obrigado a ouvir comentários de professores insinuando que “de nada adiantou ele ter feito a denúncia” ou até que “poderá vir a ser processado, caso a apuração conclua que a denúncia não procede”. Essa apuração foi iniciada em junho e até hoje não foi concluída. Será que não está sendo “empurrada com a barriga” até o final do ano, quando, afinal, o aluno terá saído da escola e tudo poderá acabar em pizza?... O prof. José Benedito prometeu averiguar os fatos e vamos dar um voto de confiança.

Dois casos que a Cremilda levou são especialmente graves, pois poderiam ter sido resolvidos tranquilamente nas respectivas escolas e acabaram virando tumulto:

Um é na EE Andronico de Mello, o famoso “Nicão”, escola autoritária e elitista da qual, anos atrás, conseguimos “salvar” quatro alunos com expulsão decretada pelo Conselho. Desta vez, a aluna menor de idade (!) foi expulsa através de BO (coisas que acontecem na rede pública...) e quando a mãe foi exigir sua volta, a garota foi deixada “de molho” por um tempo, pois a vaga que ela ocupava no curso noturno não estaria mais disponível. A escola teima que ela tem vaga garantida à tarde, mas, à noite, nada feito... Finalmente, o coordenador da COGSP prometeu resolver.

O outro caso é de um aluno matriculado na EE Adolfo Gordo “contra vontade” da direção, por ser repetente ou por outro problema qualquer, que para aluno ser malquisto na rede pública é “dois palito”. Um relatório estapafúrdio de um supervisor de ensino avalizando os abusos da escola foi questionado pela Cremilda há mais de 20 dias e a dirigente de ensino responde que não seria possível rever o relatório em “cinco minutos”. E em 20 dias, não daria?...

O último caso que discutimos na COGSP é de escola particular, uma questão de reclassificação de aluno que a escola se negou a fazer, apesar de a mãe ter documentos de sobra que comprovam a inadequação do filho ao ano que está cursando. Essa mãe tentou uma reunião com a supervisora de ensino durante todo o recesso de julho e até hoje não foi atendida. A COGSP prometeu verificar.

Enfim, tudo o que se discutiu na reunião de hoje poderia ter sido resolvido no âmbito de cada escola, se houvesse boa vontade e competência por parte de profissionais que preferem mostrar sua “autoridade” a resolver problemas. E as denúncias feitas abertamente são raras, pois geralmente os pais e alunos se calam em vista das perseguições e represálias. Mais uma vez, agradecemos ao prof. José Benedito por deixar aberta a porta de sua Coordenadoria e esperamos não continuar precisando incomodá-lo com questões banais. Mas pedimos que esteja mais alerta com respeito aos abusos de autoridade e à dissimulação dos profissionais da rede. Que faça blitze nas escolas e vai ver o que não imagina.

O MAIOR PROBLEMA DO SISTEMA ESCOLAR NÃO É A QUALIDADE DO ENSINO!

Finalmente, sobraram alguns minutos para entrarmos em um assunto de interesse mais geral, como a polêmica levantada pela ideia de diminuir a carga horária de português e matemática no Ensino Médio, com o objetivo de tornar o ensino “mais atraente”. Como deixamos claro no post Diminuir o número de aulas ruins? Ótima ideia! não somos a favor, nem contra essa medida. Repetimos o que sempre falamos aqui:

O ensino só vai se tornar mais atraente quando o aluno sentir que ele está PROGREDINDO NOS ESTUDOS, entendendo a matéria e sentindo que há uma continuidade e uma lógica naquilo que está APRENDENDO. Esse é o desafio!

Comentários

Anônimo disse…
mas e qdo um aluno desrespeita, desacata professor e funcionário o q deve ser feito? O problema é q algumas pessoas tratam todos os alunos como coitados, parece q algumas pessoas q trabalham nos órgãos centrais da educação nunca foram professores da rede pública

meu msn. e-mail é rufino2010@ig.com.br
cremilda disse…
Rufino....para com isso.
Desacatar é não acatar, mas a gente ensina os pais e alunos a não acatar abusos
Para proteger professor, tem até a Ronda Escolar
A única corporação que a policia militar faz a segurança privada
Aluno olhou feio para o professor e vai para a delegacia de polícia.
Glória disse…
Ufa! Dá até engulho, e ainda esse comentário-fotografia do ódio pelos alunos. O que fazer quando o aluno "desrespeita, desacata professor e funcionário"??? Meu Deus, que resposta mais óbvia: diálogo. Mas o "anônimo" e seus pares não devem conhecer essa palavra. Ou se conhece, não deve ter competência para realizar algo tão simples.
cremilda disse…
Pior é que esse ódio contra aluno é a imprensa que dá força.
Acho que o Brasil é o único pedófobo no mundo.
Fico incomodada com a nossa imprensa antropófaga que devora os seus filhos pequenos.
Glória disse…
Giulia, hoje em Contagem/MG,uma professora usou uma faca para ameaçar os alunos... E o mais irritante como sempre é a imprensa com o apresentador alegando:"Coitados dos professores, estão tão estressados, por isso ela usou a faca..." Procurei na web, só achei no UOL, postei lá no meu blog...
Anônimo disse…
Demorei pra postar... Como dialogar com um aluno que manda a direção da Escola (gritando) tomar naquele lugar... Chamar a ronda? Vcs já chamaram? qto tempo ela demorou pra chegar? Diálogo se diz DI= 2 pessoas mas qdo o aluno (falo dos q saum sétima e oitava séries) naum respeitam nem os pais imagine funcionários/professor?
Anônimo disse…
Continuando... Dêem uma olhada neste link o q quer dizer desacato:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Desacato e tb
http://michaelis.uol.com.br/moderno/portugues/index.php?lingua=portugues-portugues&palavra=desacato

Postagens mais visitadas deste blog

A expulsão é legal?

Recebemos a seguinte mensagem de Manaus e a respondemos no comentário. Dê também sua opinião!
Sou ex-Conselheiro Tutelar e hoje trabalho como consultor de projetos sociais na Prefeitura. No entanto, estou sempre envolvido com o problema de atitudes arbitrárias em escolas públicas onde alunos são expulsos ou suspensos sem qualquer critério legal. Por este motivo gostaria de estar recebendo informações mais detalhadas sobre a legalidade desse procedimento adotado pelas escolas. Até que ponto a escola teria poderes para expulsar alunos, ou trata-se de um ato totalmente ilegal? Favor encaminhar informações jurídicas sobre o caso.

Respeito ao aluno, 3ª Parte. A expulsão da escola

Este é certamente o problema mais grave da escola brasileira: a expulsão de alunos. Além de não ser inclusiva, ela é inóspita para os alunos já matriculados e, na primeira oportunidade, eles são "convidados" a sair da escola, ou então, sumariamente expulsos. E aqui sempre fazemos o mesmo apelo aos pais: não permita que seu filho seja expulso, procure entender o que está por trás dessa atitude da escola! Tenha a coragem de enfrentar essa questão de cabeça erguida, não seja mais uma vítima de um sistema de exclusão.
Já falamos aqui exaustivamente sobre a expulsão na rede pública de ensino, que se dá de várias formas: "oficialmente", através do Conselho de Escola,  através de manobras dos diretores de escola, ou de forma "branca".

A expulsão na rede particular é tão ou até mais frequente do que na pública, e isso também já demostramos aqui diversas vezes. Mas na rede particular ela costuma ser melhor disfarçada, através de um "convite" para buscar …

Escola pública ou particular. Qual a sua opção?...

De vez em quando a gente atende uns pais de alunos bem descontrolados, difícil manter a linha. Faço questão de reproduzir aqui toda a troca de mensagens com um cidadão que quase me tirou do sério... rs
Dia 4 de setembro "Por um acaso deparei com seu site. Gostaria de que me informassem se é LÍCITO aluno de escola pública ser agraciado; com merenda substanciosa ; material escolar, transporte, uniforme e até tablets, pelos quais pouco se exige de cuidados e/ou devolução; pelos PODERES PÚBLICOS, enquanto que alunos de escolas particulares, cujo custo é elevado e que foi assumidos pelos pais como opção, para que tenham uma escola  de melhor qualidade; não é fornecida merenda, material, livros, transporte,nem tablets em pé de IGUALDADE? Será que os cursos das escolas particulares são regidos por diretrizes, normas, conteúdos, ou programas de entidades estranhas ao Ministério da Educação do Governo Federal? Será que as crianças das escolas particulares não são Cidadãos Brasileiros? Será…