Pular para o conteúdo principal

Parabéns, Sra. Coordenadora Pedagógica!

O Coordenador Pedagógico, aqui em São Paulo chamado de Professor Coordenador, tem sido uma figura inútil, quando não perniciosa. Leia clicando aqui.

Isto ocorre por causa da incompetência dos gestores da educação no país, desde os Secretários da Educação,  os Dirigentes de Ensino e, obviamente, os diretores de escola.

Entretanto, essa função é fundamental no sistema educacional e bons exemplos não faltam. Falta, sim, é divulgação em larga escala e a cobrança de que sejam seguidos.

O vídeo abaixo mostra a educadora Maria Inês Miqueleto, Coordenadora Pedagógica na EE Maria Aparecida dos Santos Oliveira, em Ibitinga, SP. Maria Inês ganhou o Prêmio Educador Nota 10, da Fundação Victor Civita, em 2011.



O exemplo dessa educadora foge ao costumeiro blá-blá-blá do coordenador "padrão", que gosta de falar e teorizar, além de culpar o aluno e a família pelas falhas da escola. Maria Inês faz um trabalho primoroso e sistemático de controle do rendimento de cada aluno, conseguindo acompanhar sua evolução e focando em seu progresso. Muito interessantes suas reuniões de formação, em que ela consegue suprir as falhas dos professores que, como sabemos, saem das faculdades sem experiência pedagógica. A esse respeito, vamos relembrar o recente seminário do Instituto Singularidades, clicando aqui.

Hoje, com a tecnologia a todo vapor, o que impede à Secretaria da Educação de elaborar uma série de vídeos mostrando a prática dessa coordenadora e de outras que certamente também merecem Nota 10, cobrando que as escolas sigam esses exemplos? (Sem cobrar não adianta nada, cara pálida!...)

Seria bom demais, mas sabemos que a resistência da corporação em aceitar modelos é enorme. Por outro lado, a academia, que poderia se valer de recursos mais modernos e eficazes para garantir o aprendizado dos universitários, anda a passos de lesma. Eta Brasil, chafurdando na incompetência pedagógica e fazendo de conta que a solução só virá "com mais dinheiro"!

Só nos resta oferecer à educadora Maria Inês uma flor virtual, como reconhecimento de seu excelente trabalho. Parabéns, Maria Inês! Que o seu exemplo possa repercutir nos quatro cantos do país.

Ah! Aproveito para deixar claro que não sou profissional da educação nem fiz qualquer curso nessa área, sou apenas uma mãe de ex-alunos reconhecendo o valor de quem merece. Com isso quero dizer que os pais de alunos SABEM, sim, quem é bom professor, coordenador ou diretor de escola. Está na hora de acabar com o preconceito de que os pais de alunos não devem interferir na gestão das escolas. É esse preconceito que impede a realização da eleição de Conselhos de Escola democráticos e permite a continuidade de tantas irregularidades no sistema educacional.

Comentários

Cleuza Maria Estronioli de Castro disse…
Parabéns! Nós educadores precisamos de elogios merecidos. Acompanho o trabalho dessa coordenadora de perto e ratifico suas palavras.

Postagens mais visitadas deste blog

A expulsão é legal?

Recebemos a seguinte mensagem de Manaus e a respondemos no comentário. Dê também sua opinião!
Sou ex-Conselheiro Tutelar e hoje trabalho como consultor de projetos sociais na Prefeitura. No entanto, estou sempre envolvido com o problema de atitudes arbitrárias em escolas públicas onde alunos são expulsos ou suspensos sem qualquer critério legal. Por este motivo gostaria de estar recebendo informações mais detalhadas sobre a legalidade desse procedimento adotado pelas escolas. Até que ponto a escola teria poderes para expulsar alunos, ou trata-se de um ato totalmente ilegal? Favor encaminhar informações jurídicas sobre o caso.

Respeito ao aluno, 3ª Parte. A expulsão da escola

Este é certamente o problema mais grave da escola brasileira: a expulsão de alunos. Além de não ser inclusiva, ela é inóspita para os alunos já matriculados e, na primeira oportunidade, eles são "convidados" a sair da escola, ou então, sumariamente expulsos. E aqui sempre fazemos o mesmo apelo aos pais: não permita que seu filho seja expulso, procure entender o que está por trás dessa atitude da escola! Tenha a coragem de enfrentar essa questão de cabeça erguida, não seja mais uma vítima de um sistema de exclusão.
Já falamos aqui exaustivamente sobre a expulsão na rede pública de ensino, que se dá de várias formas: "oficialmente", através do Conselho de Escola,  através de manobras dos diretores de escola, ou de forma "branca".

A expulsão na rede particular é tão ou até mais frequente do que na pública, e isso também já demostramos aqui diversas vezes. Mas na rede particular ela costuma ser melhor disfarçada, através de um "convite" para buscar …

Escola pública ou particular. Qual a sua opção?...

De vez em quando a gente atende uns pais de alunos bem descontrolados, difícil manter a linha. Faço questão de reproduzir aqui toda a troca de mensagens com um cidadão que quase me tirou do sério... rs
Dia 4 de setembro "Por um acaso deparei com seu site. Gostaria de que me informassem se é LÍCITO aluno de escola pública ser agraciado; com merenda substanciosa ; material escolar, transporte, uniforme e até tablets, pelos quais pouco se exige de cuidados e/ou devolução; pelos PODERES PÚBLICOS, enquanto que alunos de escolas particulares, cujo custo é elevado e que foi assumidos pelos pais como opção, para que tenham uma escola  de melhor qualidade; não é fornecida merenda, material, livros, transporte,nem tablets em pé de IGUALDADE? Será que os cursos das escolas particulares são regidos por diretrizes, normas, conteúdos, ou programas de entidades estranhas ao Ministério da Educação do Governo Federal? Será que as crianças das escolas particulares não são Cidadãos Brasileiros? Será…