Pular para o conteúdo principal

Profundas mágoas da escola

Este post é uma homenagem a todos os alunos que sofreram e ainda sofrem profundas mágoas da escola, esse lugar que poderia ser um celeiro de descobertas e conhecimento, mas muitas vezes se resume a um poço de tristeza.

O lugar onde crianças e adolescentes deveriam estar protegidos e ser estimulados para o aprendizado é hoje situação de risco, especialmente na rede pública. Risco de perder as referências de boa convivência recebidas na família, de desenvolver a agressividade, de perder a autoestima, a integridade ou até a vida. Essa não é uma visão pessimista da "sagrada" escola, mas um resumo das milhares de mensagens de desespero e dos apelos que temos recebido de pais e alunos nestes mais de vinte anos de trabalho.

A homenagem de hoje é para a família do menino Roliver de Jesus dos Santos, de Vitória, ES, que cometeu suicídio devido ao bullying que sofreu na escola. Essa tragédia poderia ter sido evitada, pois a mãe do garoto estava ciente do sofrimento do filho e pediu várias vezes sua transferência, mas a Secretaria da Educação resolveu distribuir os três filhos em escolas diferentes, o que dificultou a mudança. O aluno costumava ser chamado de "bicha" pelos colegas, o que também poderia ter sido resolvido com uma campanha de esclarecimento mobilizando toda a escola contra os preconceitos. Essas campanhas têm o poder de pulverizar pequenas gangues e grupos que promovem o bullying, mas poucas escolas as promovem. A tônica é o descaso. Para não falar do bullying docente (não, não estou falando aqui do professor-vítima), quando profissionais da educação instigam os alunos ao preconceito contra um colega. Lembramos aqui sempre o célebre caso da EE Octacílio de Carvalho Lopes, em São Paulo, quando um professor chamou um aluno justamente de "bicha" e incentivou os colegas ao bullying. Leia o post Homofobia premiada, clicando aqui e mais outro caso de bullying docente clicando aqui.

A notícia do suicídio de Roliver passou praticamente em branco na mídia, dominada pelos sindicatos da classe, mais preocupados em divulgar as greves. Outro fator que contribuiu para a omissão da mídia foi certamente a condição social da família, sendo o pai um simples gari, "o mais baixo na escala do trabalho", nas palavras do jornalista Boris Casoy. Veja onde saiu a matéria, clicando aqui.

Em menos de seis meses, o Brasil assistiu ao suicídio de dois alunos de escolas públicas e continua anestesiado, como se nada anormal tivesse acontecido. Além do suicídio de Roliver, em setembro passado ocorreu o do menino Daniel, em São Caetano do Sul. Esse caso teve mais repercussão na mídia, pois antes de suicidar-se o menino atirou na professora, mas foi rapidamente abafado, evitando assim uma investigação sobre os motivos que levaram o garoto a uma atitude tão extrema. Leia sobre esse caso clicando aqui. Ao contrário do que dizem, nossa intenção não é promover o ódio contra a escola e os profissionais da educação. O que sempre pretendemos aqui é incentivar a reflexão, uma profunda reflexão sobre as mágoas que tantas crianças e adolescentes sofrem na escola. FATO.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A expulsão é legal?

Recebemos a seguinte mensagem de Manaus e a respondemos no comentário. Dê também sua opinião!
Sou ex-Conselheiro Tutelar e hoje trabalho como consultor de projetos sociais na Prefeitura. No entanto, estou sempre envolvido com o problema de atitudes arbitrárias em escolas públicas onde alunos são expulsos ou suspensos sem qualquer critério legal. Por este motivo gostaria de estar recebendo informações mais detalhadas sobre a legalidade desse procedimento adotado pelas escolas. Até que ponto a escola teria poderes para expulsar alunos, ou trata-se de um ato totalmente ilegal? Favor encaminhar informações jurídicas sobre o caso.

Respeito ao aluno, 3ª Parte. A expulsão da escola

Este é certamente o problema mais grave da escola brasileira: a expulsão de alunos. Além de não ser inclusiva, ela é inóspita para os alunos já matriculados e, na primeira oportunidade, eles são "convidados" a sair da escola, ou então, sumariamente expulsos. E aqui sempre fazemos o mesmo apelo aos pais: não permita que seu filho seja expulso, procure entender o que está por trás dessa atitude da escola! Tenha a coragem de enfrentar essa questão de cabeça erguida, não seja mais uma vítima de um sistema de exclusão.
Já falamos aqui exaustivamente sobre a expulsão na rede pública de ensino, que se dá de várias formas: "oficialmente", através do Conselho de Escola,  através de manobras dos diretores de escola, ou de forma "branca".

A expulsão na rede particular é tão ou até mais frequente do que na pública, e isso também já demostramos aqui diversas vezes. Mas na rede particular ela costuma ser melhor disfarçada, através de um "convite" para buscar …

Escola pública ou particular. Qual a sua opção?...

De vez em quando a gente atende uns pais de alunos bem descontrolados, difícil manter a linha. Faço questão de reproduzir aqui toda a troca de mensagens com um cidadão que quase me tirou do sério... rs
Dia 4 de setembro "Por um acaso deparei com seu site. Gostaria de que me informassem se é LÍCITO aluno de escola pública ser agraciado; com merenda substanciosa ; material escolar, transporte, uniforme e até tablets, pelos quais pouco se exige de cuidados e/ou devolução; pelos PODERES PÚBLICOS, enquanto que alunos de escolas particulares, cujo custo é elevado e que foi assumidos pelos pais como opção, para que tenham uma escola  de melhor qualidade; não é fornecida merenda, material, livros, transporte,nem tablets em pé de IGUALDADE? Será que os cursos das escolas particulares são regidos por diretrizes, normas, conteúdos, ou programas de entidades estranhas ao Ministério da Educação do Governo Federal? Será que as crianças das escolas particulares não são Cidadãos Brasileiros? Será…