Senhora Secretária, favor agendar!

Prezados pais, já que vocês acham que a gente não trabalha, rsrs, lá vai novo documento enviado hoje à Secretária Maria Helena de Castro.

E d u c a F ó r u m

São Paulo, 14 de julho de 2008

Profª Maria Helena de Castro
Secretária da Educação do Estado de São Paulo

Cópia para o Governador José Serra
Palácio dos Bandeirantes

Cópia para o Coordenador da COGSP
Prof. José Benedito de Oliveira

Cópia para a Coordenadora da CEI
Profª Edna Matos

Ref.: Abuso de autoridade na rede estadual de ensino - Solicitação de nova reunião

Prezada Secretária, prezadas Autoridades,

Gostaríamos de relatar alguns fatos que ocorreram após a nossa visita à Chefia de Gabinete da SEE, no dia 05 de junho, quando demos um voto de confiança à Secretaria, no sentido de buscar soluções para os graves problemas de abuso de autoridade na rede estadual de ensino. Mais uma vez confirmamos que a reunão foi excelente e que pela primeira vez em anos fomos muito bem tratados na SEE, pelo próprio Chefe de Gabinete, pelo novo Coordenador da COGSP e pela Coordenadora da CEI.

Além dos problemas específicos tratados na reunião - EE Lucas Roschel Rasquinho em Parelheiros e EE Pe. Josué Silveira de Mattos em São João da Boa Vista - a SEE prometeu estudar formas efetivas de divulgar para toda a rede a importância de formar Conselhos de Escola democráticos e independentes do autoritarismo que impera nas escolas. Esse autoritarismo se manifesta na forma de expulsões ilegais de alunos pelo próprio Conselho de Escola, na solicitação de policiais nas escolas para resolver qualquer problema de indisciplina, na obrigatoriedade ilegal do uso do uniforme, na cobrança ilegal de carteirinhas e taxas diversas, na forma ríspida, grosseira e humilhante com que são tratados os alunos e seus pais, mas, principalmente, na manipulação da eleição dos Conselhos de Escola e das APMs, que afastam de antemão qualquer possibilidade de gestão democrática nas escolas.

Nossa sugestão é antiga e foi repetida novamente na reunião do dia 05 de junho: deixar bem claras, na página principal do site da SEE, as normas indispensáveis para uma Gestão Democrática nas Escolas, conforme nosso artigo http://educaforumtxt.blogspot.com/2007/01/gesto-participativa-na-escola.html.

A SEE comprometeu-se a estudar a inserção dessas informações em seu site e, de acordo com o Prof. José Benedito, uma equipe estaria estudando a forma de fazê-lo. Não entendemos o motivo de tanta demora, já que o nosso artigo já contém todas as sugestões e fundamentos legais para o encaminhamento da gestão democrática nas escolas.

A nossa urgência é devida aos inúmeros casos de autoritarismo que vêm diariamente ao nosso conhecimento e que mal podemos revelar, pois os pais e alunos temem as perseguições e represálias que sempre se sucedem a cada denúncia. A SEE nunca conseguiu entender, talvez pelo fato de nenhum funcionário da Secretaria ter filhos na própria rede, que os pais de alunos dificilmente podem matricular seus filhos em outra escola. É exatamente isso que fortalece o autoritarismo dos maus professores, diretores, supervisores e dirigentes de ensino que, infelizmente, abundam na rede... Para proteger os filhos de maiores problemas, a maioria dos pais aceitam calados os inúmeros constrangimentos e humilhações de que são vítimas.

Basta porém que haja algum sinal de possível mudança positiva, os pais tomam coragem para vir a público e denunciar os absurdos de que são vítimas. Nossa maior preocupação - já que tambem somos/fomos pais de alunos - é de não alimentar vãs esperanças e encaminhar soluções efetivas. Por esse motivo, fazemos questão de relatar os acontecimentos que se seguiram à reunião do dia 05 de junho:

O Prof. José Benedito organizou, a nosso pedido, uma reunião na EE Lucas Roschel Rasquinho com a direção da escola e a diretoria de ensino Sul 3, da qual deveriam participar, a princípio, apenas os pais de um único aluno, que tiveram a coragem de comparecer conosco à reunião na SEE. No entanto, o exemplo desses pais que haviam se dirigido à Secretaria, fato raríssimo na rede, alimentou as esperanças de outros pais, que vieram nos relatar outras irregularidades e fizeram questão de comparecer à reunião na própria escola, marcada pela COGSP para o dia 10 de junho, relatando mais casos escabrosos ocorridos na unidade. Inesperadamente, quando chegamos à sala de aula destinada para a reunião, ela já estava praticamente cheia... de pais apoiando a direção da escola. Leiam o relato da reunião aqui http://educaforum.blogspot.com/2008/06/mdia-nota-zero.html

Já estamos bastante familiarizados com essas manobras dos diretores de escola, que tentam colocar panos quentes nas denúncias e ganhar o apoio da comunidade com o seguinte argumento: "As denúncias não prejudicam o professor nem o diretor, as denúncias prejudicam apenas o próprio aluno, pois ao denegrir a escola ela corre o risco de ser fechada". Nossos próprios filhos sofreram bastante com esse tipo de terrorismo, que costuma funcionar em 99% dos casos.

No caso específico da EE Lucas Roschel Rasquinho, os problemas andaram se avolumando após a reunião do dia 10 de junho, o que nos motivou a fazer nova visita à COGSP e encaminhar o documento anexo http://educaforum.blogspot.com/2008/07/escola-vai-fechar-voc-j-caiu-nessa.html.

Tudo isso ocorreu porque pudemos acompanhar esses pais em suas reivindicações, por residirmos em São Paulo e termos alguma disponibilidade de tempo. Queremos com isso mostrar a gravidade dos problemas e a dificuldade de canalização das denúncias dos pais, principalmente porque a Ouvidoria da Educação, como já repetimos diversas vezes, não passa de uma "surdoria" à qual nem nós, nem qualquer pai de aluno minimamente informado tem coragem de se dirigir.

No caso da EE Padre Josué, em São João da Boa Vista, devido à distância, não pudemos obter retorno. Só sabemos que, graças à idoneidade do juiz que inocentou a aluna expulsa pelo Conselho de Escola e acusada injustamente de ter ateado fogo à lixeira da classe, ela pôde voltar a freqüentar a escola de cabeça erguida. Entretanto, devido ao terrível trauma que ela sofreu e aos graves problemas de saúde da mãe, evitamos pedir mais informações à família, que em momento algum foi poupada de todo tipo de humilhações, inclusive através do jornal local O Município, para o qual se dirigiram professoras da EE, atirando lama até no EducaFórum, que teria divulgado "mentiras" a respeito da escola.

A única forma para acabar com esse círculo vicioso é deixar bem claro, para todos os profissionais da rede, PRINCIPALMENTE PARA OS DIRETORES DE ESCOLA, SUPERVISORES E DIRIGENTES DE ENSINO, que a SEE não tolera mais comportamentos autoritários por parte de seus profissionais, sejam de qualquer hierarquia. Isso poderá ser feito através do site da SEE e, se for bem colocado, deverá ter impacto positivo.

Por outro lado, não podemos mais confiar em sindicâncias feitas nas escolas pelos dirigentes de ensino, mesmo que sejam de outras unidades, pois as experiências anteriores - EE David Eugênio dos Santos, EE Octacílio de Carvalho Lopes, entre outras - mostram o que os nossos leitores, pais de alunos simples mas bastante inteligentes, caracterizam como "colocar a raposa para tomar conta do galinheiro". A fala do dirigente de ensino Sul 3 na reunião da EE Lucas Roschel Rasquinho no dia 10 de junho foi a comprovação disso. Após ouvir todas as denúncias, ele limitou-se a dizer que a reunião fora desnecessária e que só servira para denegrir a escola e tumultuar o ambiente.

Em vista da falta de confiança da comunidade escolar nas possíveis soluções que venham a ser tomadas pela Secretaria, pedimos que seja agendada nova reunião na Chefia de Gabinete da SEE, para que possamos discutir a contratação de empresas idôneas para fazer AUDITORIAS QUANTITATIVAS E QUALITATIVAS nas escolas, substituindo as sindicâncias absurdas que têm sido efetuadas na rede. Apenas dois exemplos:

A diretoria de ensino da EE Octacílio de Carvalho Lopes avalizou o relatório da supervisão alegando que é lícito a um professor chamar o aluno de "bicha", por se tratar de "expressão carinhosa para cativar o aluno".


A diretoria de ensino da EE Lucas Roschel Rasquinho apoiou o relatório da supervisora (que inexplicavelmente não assinou a cópia entregue aos pais do aluno...), limitando-se a fazer juízos de valor sobre o aluno e sua família, sugerindo que esse fosse transferido de escola e insinuando que ele já era problema em outras unidades, o que não é verdade e só poderia ser comprovado através da falsificação de documentos, coisa muito, mas realmente muito comum na rede!

Na certeza de que poderemos, mais uma vez, contar com sua sensibilidade, agradecemos a atenção e ficamos no aguardo do agendamento da próxima reunião, o mais breve possível.

Comentários

Anônimo disse…
Sr. Benedito
O que o senhor viu e ouviu no dia 10/06/2008 foi o retrato de uma escola mal administrada com pessoas imcompetentes e autoritárias ,e não é a única, enquanto vocês ai estão sentados nos seus gabinetes tentando resolver problemas dos salários dos diretores e professores da educação ,vários alunos e pais de alunos estão sendo vítimas de pessoas como aquela que o Sr. viu e ouviu no dia 10/06/2008.
A comunidade do Colonia Paulista , está perdendo a esperança ,e como a esperança é a última que morre, se morrer,adeus. Ou será que vamos ter que entragar nas mãos de Deus,para que a justiça divina seja feita,antes da justiça dos homens.
A justiça divina tarda mais não falha.
A justiça dos homens quando tarda
falha.
Esperamos que o Sr José Benedito e seu secretário nunca esqueçam aquele dia de 10/06/2008.
Se todos os pais de alunos e alunos tivessem sido convidados para participarem daquela reunião de 10/06/2008 , com certeza , o senhor ia ouvir muito mais.
Aguardamos o seu interesse em resolver o problema que ainda persiste para que a comunidade possa andar de cabeça erguida , e que os alunos sejam tratados como alunos.
Desde já agradecemos.
Anônimo disse…
Giulia
VOCÊ ESTÁ ESPERANDO SENTADA?
ACHA QUE O CARA VAI AGENDAR? VAI NADA...
ELE PENSOU QUE VOCÊS ESTAVAM EXAGERANDO, QUANDO VIRAM "IN LOCO" QUE O BICHO É AINDA MAIS FEIO, DEVEM ESTAR ASSUSTADOS ATÉ HOJE...
Giulia disse…
Vai agendar, sim! Anônimo, quer ir com a gente? Pode ir tirando a máscara, tá?
Anônimo disse…
Que seja mesmo agendada outra reunião,estamos esperando uma solução para o caso, ou um tapa na cara.

Postagens mais visitadas deste blog

A expulsão é legal?

Escola pública ou particular. Qual a sua opção?...

Respeito ao aluno, 3ª Parte. A expulsão da escola