Pular para o conteúdo principal

A escola tabu nº 37 - Novamente a suspensão coletiva


Muitos pais de alunos escrevem revoltados, relatando que os filhos receberam suspensão coletiva, uma prática muito frequente e simplesmente INCONSTITUCIONAL. Aqui, na rede pública de São Paulo, funciona da seguinte forma: metade da classe é suspensa durante alguns dias; na volta desses alunos, suspende-se a outra metade.

A escola não é "boba" de dispensar toda a classe durante uma semana, pois poderia ser processada por oferta irregular de ensino. E também (geralmente) não é boba de dar a suspensão por escrito: isso é informado oralmente aos pais por intermédio dos filhos, assim nada fica registrado de forma oficial.

O que muitos não sabem é para que serve a suspensão coletiva. De modo geral, ela é utilizada por escolas incompetentes para "solucionar" problemas disciplinares. Quando ocorre alguma situação considerada grave, suspende-se uma classe inteira até que "apareça" o culpado. Para que isso aconteça, estimula-se a delação. O importante, para certos diretores incompetentes, é tirar o problema da frente e esquecer o assunto, para que tudo volte "ao normal" dentro da escola. O "problema", nesse caso, é o aluno e/ou os alunos a serem expulsos.

Estimulando a delação, a escola amputa o espírito de nossas crianças e adolescentes, como no magnífico filme Perfume de Mulher, relembrado pela professora Glória Reis, uma das raras educadoras que se posicionam a favor do aluno.

O caso mais interessante de suspensão coletiva no qual nos envolvemos foi de uma aluna de São João da Boa Vista, "incriminada" justamente durante uma suspensão coletiva, quando a diretora da escola deu ouvidos a um telefonema anônimo que a apontava como culpada de ter ateado fogo à lixeira da classe. Leia clicando aqui o depoimento escrito de próprio punho pela aluna, que foi expulsa, após quase um mês reintegrada à escola e finalmente absolvida pelo juiz da infância e juventude que julgou o caso. Essa história foi recheada de detalhes sórdidos para encobrir as falhas da escola, como por exemplo o próprio Ouvidor-surdor e o Dirigente de Ensino da região terem ligado para a irmã da aluna, tentando colocar panos quentes sobre o fato... Não seria uma vergonha, para a Secretaria da Educação? Bem, esse fato ocorreu em 2007, mas a prática da suspensão coletiva e da expulsão de alunos continua de vento em popa, o que demonstra que a SEE não se envergonha absolutamente dessas práticas ilegais das escolas.

Aliás, a Secretaria da Educação ADORA denúncias anônimas. Lembram do caso da diretora de escola que foi incriminada por uma denúncia anônima de tão baixo nível que nós simplesmente a jogaríamos no lixo? Releia o caso clicando aqui. Pois é: aquela denúncia absurda deu no afastamento daquela diretora, pessoa digna cuja única falha foi cobrar trabalho dos professores e profissionais da equipe! O sistema, portanto, não amputa apenas o espírito dos alunos, mas também dos raros profissionais corajosos e compromissado com o aluno e a educação.

Durma-se com um barulho desses!

Comentários

Anônimo disse…
O "Sistema Educacional" trabalha em gabinetes confortáveis, loonnnge da ESCOLA! Essas pessoas não imaginam o que acontece de aterrorizador com alunos que querem estudar e profissioanis que querem trabalhar! Eles vive
m num verdadeiro inferno... Socorro!!! Tenho fé que um dia alguém coloque ordem nessa tortura, é tão simples basta estar presente nas Unidades Escolares. Um bom feriado.
Giulia disse…
Anônimo, nós também fazemos parte do sistema: nós que temos ou tivemos filhos na rede pública, os educadores ou profissionais que trabalham na escola e não se conformam com esses absurdos (mas em geral se calam), os jornalistas que recebem essas notícias, mas acham melhor "derrubar a matéria" porque pode incomodar as autoridades que investem em propaganda ou os sindicatos da corporação, parceiros dos meios de comunicação. Os que trabalham nos gabinetes sabem de tudo, sim, cansamos de mandar informações, inclusive visitamos periodicamente a COGSP e - acredite se quiser - as autoridades da educação frequentam assiduamente este blog, o blog da Cremilda, o do COEP e o da Glória, sabe para quê?... Para saberem se e quanto falamos mal deles, rsrs. A Cremilda vive protocolando papéis no Palácio dos Bandeirantes, no MP, na Corregedoria e nas demais instâncias. De tudo eles sabem, mas deixam pra lá, pois não há pressão popular. Os pais de alunos da rede pública se calam, pois não têm outra opção escolar para seus filhos e qualquer crítica implica em perseguições e represálias, inclusive expulsão. Uma vez expulso o aluno, a pecha de "aluno-problema" o acompanha em qualquer outra escola onde porventura vier a conseguir vaga, caso já não tenha desistido de estudar.
Anônimo disse…
Sra Giulia, saber é uma coisa vivenciar é ooouuutraaa bem diferente. Faço parte dos excluídos! dos que trabalham e sofrem perseguição sem perdão, calúnia sem punição, eu poderia fazer mais, muito mais pela educação mas não faço parte da panela suja e funda, então fico a margem! MAs infelizmenre a realidade é essa mesma q vc descreveu, igualzinhaaaa. Continue firme. Esse povo é "soda" mas não é eterno.
cremilda disse…
É mesmo anônimo, esse povo é "soda" mas nós também somos, mas somos soda caustica....
Eu não publico comentários de professor tranqueira no meu blog.
Alí não tem espaço para eles.
Interessante é que os piores,aquelas pústulas que queríamos ver espremidos da escola pública são aqueles que invocam a democracia para terem o direito de ofender e insultar, de mentir e de escrever coisas como a Giulia diz "impublicáveis"
As vêzes eu até rio, chegam a ser infantis, e escrevem; quero ver se você tem coragem de publicar este comentário....
Como se eu precisasse provar algo para essa corja.
Anônimo disse…
Sra Cremilda,
Em nome da democracia eles PROVOCAM os trabalhadores éticos. Eles são infelismente a MAIORIA esmagadora, que o sistema sustenta com a impunição.
Mas gostei do "soda cáustica".hehehe
Agora qto a Sra Giulia, eles entram no site não para ver o qto falamos mal "deles" mas o qto falamos de "verdade" VERDADEEEEEEE.
Só tem um probleminha, "eles" aumentam rapidamente como praga numa plantação!!!
Deus nos acuda.
SEE, faça alguma coisa pela amor à EDUCAÇÂO.
Gratos

Postagens mais visitadas deste blog

A expulsão é legal?

Recebemos a seguinte mensagem de Manaus e a respondemos no comentário. Dê também sua opinião!
Sou ex-Conselheiro Tutelar e hoje trabalho como consultor de projetos sociais na Prefeitura. No entanto, estou sempre envolvido com o problema de atitudes arbitrárias em escolas públicas onde alunos são expulsos ou suspensos sem qualquer critério legal. Por este motivo gostaria de estar recebendo informações mais detalhadas sobre a legalidade desse procedimento adotado pelas escolas. Até que ponto a escola teria poderes para expulsar alunos, ou trata-se de um ato totalmente ilegal? Favor encaminhar informações jurídicas sobre o caso.

Respeito ao aluno, 3ª Parte. A expulsão da escola

Este é certamente o problema mais grave da escola brasileira: a expulsão de alunos. Além de não ser inclusiva, ela é inóspita para os alunos já matriculados e, na primeira oportunidade, eles são "convidados" a sair da escola, ou então, sumariamente expulsos. E aqui sempre fazemos o mesmo apelo aos pais: não permita que seu filho seja expulso, procure entender o que está por trás dessa atitude da escola! Tenha a coragem de enfrentar essa questão de cabeça erguida, não seja mais uma vítima de um sistema de exclusão.
Já falamos aqui exaustivamente sobre a expulsão na rede pública de ensino, que se dá de várias formas: "oficialmente", através do Conselho de Escola,  através de manobras dos diretores de escola, ou de forma "branca".

A expulsão na rede particular é tão ou até mais frequente do que na pública, e isso também já demostramos aqui diversas vezes. Mas na rede particular ela costuma ser melhor disfarçada, através de um "convite" para buscar …

Escola pública ou particular. Qual a sua opção?...

De vez em quando a gente atende uns pais de alunos bem descontrolados, difícil manter a linha. Faço questão de reproduzir aqui toda a troca de mensagens com um cidadão que quase me tirou do sério... rs
Dia 4 de setembro "Por um acaso deparei com seu site. Gostaria de que me informassem se é LÍCITO aluno de escola pública ser agraciado; com merenda substanciosa ; material escolar, transporte, uniforme e até tablets, pelos quais pouco se exige de cuidados e/ou devolução; pelos PODERES PÚBLICOS, enquanto que alunos de escolas particulares, cujo custo é elevado e que foi assumidos pelos pais como opção, para que tenham uma escola  de melhor qualidade; não é fornecida merenda, material, livros, transporte,nem tablets em pé de IGUALDADE? Será que os cursos das escolas particulares são regidos por diretrizes, normas, conteúdos, ou programas de entidades estranhas ao Ministério da Educação do Governo Federal? Será que as crianças das escolas particulares não são Cidadãos Brasileiros? Será…