Pular para o conteúdo principal

Escola do papagaio


Retomando o tema A escola brasileira desprepara (leia o post clicando aqui), veja a tradução do texto La escuela mata la criatividad? clicando aqui.
Apesar de sempre colocarmos que o maior problema da educação brasileira não é a qualidade do ensino, mas a falta de respeito ao aluno - em todos os níveis - não podemos deixar de questionar os equívocos das propostas governamentais para solução dos inquestionáveis baixos índices de qualidade.

O maior equívoco é certamente a crença de que "falta dinheiro" no sistema educacional, o que desperta a ganância dos riquí$$$imos sindicatos do ensino básico. A verdade é que as verbas para manutenção e desenvolvimento do ensino, no país, são mais do que suficientes, porém desperdiçadas, manipuladas ou desviadas. A maioria delas NÃO É APLICADA na manutenção e desenvolvimento do ensino!

O segundo grande equívoco é a respeito da questão pedagógica. Ou a proposta é simplista e nebulosa, visando algo que não significa absolutamente nada, como "boa formação" dos educadores, ou então estapafúrdia, como fornecer às escolas, professores e alunos, equipamentos de ponta que, sem projetos consistentes, representam apenas mais desperdício = desvio de verbas.

Não se costuma questionar o mais importante: o estrago que a nossa escola, em 99% dos casos baseada no sistema cópia/decoreba, faz na inteligência e na curiosidade das crianças.

Uma entrevista que vale a pena conhecer é com o educador norte-americano Thomas O'Brian, que trocou a decoreba pelo construtivismo no ensino da matemática. Leia clicando aqui. Detalhe muito importante: O'Brian, já professor havia muitos anos, só se tocou de que apenas "empurrava fórmulas e conceitos goela abaixo dos alunos" quando começou a perceber com seus próprios filhos o mecanismo do aprendizado. Por isso, o construtivismo, como ele o entende, não é aquela "linda" teoria que os diretores de escolas pseudo-construtivistas (minha filha foi vítima de uma delas) tentam impingir aos pais desavisados, mas um conceito prático e sólido.

Não é necessário porém buscar métodos e teorias em outros países. A entrevista com Thomas O'Brian é muito interessante, mas temos excelentes exemplos de educadores brasileiros que se preocupam em não embotar a inteligência das crianças e conseguem manter viva sua curiosidade. É o caso do professor Edson Thó Rodrigues, da EMEF José Américo de Almeida, em João Pessoa, PB, que desenvolve o ensino da geometria através de espelhos e do caleidoscópio. Mais um Educador Nota 10 da Fundação Victor Civita.



Também a educadora Maria Inês Miqueleto, de quem falamos no post Parabéns, Sra. Coordenadora Pedagógica!, preocupa-se em seu trabalho com o desenvolvimento do raciocínio dos alunos, o que é demonstrado na conversa com as professoras de português sobre a interpretação de texto por parte dos alunos.

Outra Educadora Nota 10 é Fernanda Pedrosa de Paula, professora da EM José de Calazans em Belo Horizonte, que transformou a aula de educação física em oficina de circo, levando os alunos a desenvolver efetivamente habilidades motoras, equilíbrio e trabalho em equipe, como raramente têm oportunidade no "ensino" convencional. Além disso, ela consegue algo que é um bicho de 7 cabeças na nossa escola: integrar os alunos especiais. Falando francamente - e todos sabemos disto - nas escolas públicas de todo o país, as aulas de educação física não passam de um bate-bola inconsequente, muitas vezes com os alunos largados sozinhos na quadra... Fernanda revela em seu projeto a inigualável e inimitável criatividade brasileira!



Esses maravilhosos exemplos mostram como é possível substituir a "escola do papagaio" por uma escola viva e contemporânea. Não é possível que, 13 anos após a morte do saudoso Plínio Marcos, nossa escola ainda seja   a "grande castradora das vocações".

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A expulsão é legal?

Recebemos a seguinte mensagem de Manaus e a respondemos no comentário. Dê também sua opinião!
Sou ex-Conselheiro Tutelar e hoje trabalho como consultor de projetos sociais na Prefeitura. No entanto, estou sempre envolvido com o problema de atitudes arbitrárias em escolas públicas onde alunos são expulsos ou suspensos sem qualquer critério legal. Por este motivo gostaria de estar recebendo informações mais detalhadas sobre a legalidade desse procedimento adotado pelas escolas. Até que ponto a escola teria poderes para expulsar alunos, ou trata-se de um ato totalmente ilegal? Favor encaminhar informações jurídicas sobre o caso.

Respeito ao aluno, 3ª Parte. A expulsão da escola

Este é certamente o problema mais grave da escola brasileira: a expulsão de alunos. Além de não ser inclusiva, ela é inóspita para os alunos já matriculados e, na primeira oportunidade, eles são "convidados" a sair da escola, ou então, sumariamente expulsos. E aqui sempre fazemos o mesmo apelo aos pais: não permita que seu filho seja expulso, procure entender o que está por trás dessa atitude da escola! Tenha a coragem de enfrentar essa questão de cabeça erguida, não seja mais uma vítima de um sistema de exclusão.
Já falamos aqui exaustivamente sobre a expulsão na rede pública de ensino, que se dá de várias formas: "oficialmente", através do Conselho de Escola,  através de manobras dos diretores de escola, ou de forma "branca".

A expulsão na rede particular é tão ou até mais frequente do que na pública, e isso também já demostramos aqui diversas vezes. Mas na rede particular ela costuma ser melhor disfarçada, através de um "convite" para buscar …

Escola pública ou particular. Qual a sua opção?...

De vez em quando a gente atende uns pais de alunos bem descontrolados, difícil manter a linha. Faço questão de reproduzir aqui toda a troca de mensagens com um cidadão que quase me tirou do sério... rs
Dia 4 de setembro "Por um acaso deparei com seu site. Gostaria de que me informassem se é LÍCITO aluno de escola pública ser agraciado; com merenda substanciosa ; material escolar, transporte, uniforme e até tablets, pelos quais pouco se exige de cuidados e/ou devolução; pelos PODERES PÚBLICOS, enquanto que alunos de escolas particulares, cujo custo é elevado e que foi assumidos pelos pais como opção, para que tenham uma escola  de melhor qualidade; não é fornecida merenda, material, livros, transporte,nem tablets em pé de IGUALDADE? Será que os cursos das escolas particulares são regidos por diretrizes, normas, conteúdos, ou programas de entidades estranhas ao Ministério da Educação do Governo Federal? Será que as crianças das escolas particulares não são Cidadãos Brasileiros? Será…